Professores municipais de SP seguem em greve contra a reforma da Previdência

Publicado em Quarta, 22 Março 2017 09:23

São Paulo – Assembleia com mais de 10 mil pessoas organizada pelo Sindicato dos Professores em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), na tarde desta terça-feira (21), em frente ao prédio da prefeitura, na região central da cidade, decidiu pela continuidade do movimento grevista da categoria, iniciado no dia 15. Uma nova assembleia já foi marcada para a próxima segunda-feira (27).

Os professores entraram em greve contra a reforma da Previdência no mesmo dia nacional de paralisações convocado por centrais sindicais e movimentos sociais, contra as reformas da Previdência e a trabalhista. "Se eu fosse deputado federal, votaria contra a reforma da Previdência. Nós, profissionais da educação, reunimos sozinhos mais de 50 mil pessoas no dia 15 de março. Estamos nas ruas e vamos ficar até derrubar essa reforma", afirmou o presidente do sindicato, Cláudio Fonseca. "Nosso direcionamento é claro: contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287", completou.

Fonseca afirmou diversas vezes durante o ato que o momento é de "unidade" contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer, que ameaçam direitos históricos conquistados em décadas de lutas e mobilizações do trabalhadores.

A agenda a ser seguida pela categoria deve coincidir com a de outros sindicatos de profissionais em educação, organizados a partir da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). No sábado (25), profissionais do setor organizam nova manifestação unificada – com trabalhadores da rede pública estadual paulista – com concentração às 10h, no vão livre do Masp, na Avenida Paulista. "Não é hora de divisão. Nosso movimento é nacional e estamos defendendo nossos direitos. O principal no momento é derrubar a reforma da Previdência, para isso, precisamos de visibilidade, trazendo à luta, além dos professores, a comunidade escolar, e os trabalhadores e trabalhadoras", disse.

Uma carta que explica o movimento elaborada pelo sindicato está sendo distribuída por professores de diferentes regiões. "A reforma da Previdência, apresentada pelo governo de Michel Temer (PMDB) e enviada à Câmara dos Deputados como PEC 287, implica em mudanças rígidas nas regras previdenciárias e assistenciais, que atingem a todos os servidores públicos e trabalhadores em geral, indistintamente. Trata-se de um ataque direto e criminoso contra os direitos dos trabalhadores", afirma o manifesto.

A professora e militante do Sinpeem Maria de Lurdes (o nome completo foi mantido em sigilo) defende que a luta contra a reforma da Previdência deve ser ampliada. "Acho importante (a participação de) outros movimentos. Queremos organizar um plebiscito popular para apresentar a reforma da Previdência. Queremos levar a discussão para a comunidade. Além disso, é muito importante denunciar todos os deputados e senadores que ousarem votar qualquer proposta contra nós.

Gustavo Mantovani, professor no bairro do Campo Limpo, na zona sul, avalia que os pais têm apoiado os atos contra a reforma. "É importante apontar a perspectiva de uma greve geral. Só a unidade nos garante vitórias e precisamos agregar outros setores. É fundamental apontar de forma ativa um chamado a outros sindicatos para que paralisem as produções."

Também estão na pauta de reivindicações dos profissionais da educação outros aspectos relacionados ao governo Temer. Eles rechaçam a reforma trabalhista e a proposta de terceirização irrestrita, além da tese do negociado sobre o legislado em acordos entre empregados e empregadores. Outro ponto de crítica é a reforma do ensino médio, que retira disciplinas do calendário escolar e abre a possibilidade da contratação de professores sem diplomação, apenas por "notório saber".

(Portal Rede Brasil Atual, 21/03/2017)

 
 
  19/06/2018
Boletim CNTE 815
Instituto divulga relatório sobre o PNE e os resultados tendem a piorar
INFORMATIVO CNTE 815  
 
 
Heleno Araújo conclama categoria para apoiar greve dos eletricitários
 
 

Programa 602: Heleno Araújo participa de audiência pública no senado sobre violência nas escolas

 
 

Nota Pública: Lei da Mordaça (“Escola Sem Partido”) é inconstitucional, antidemocrática e antipedagógica

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Por *Denor Ramos A ausência de placa no portão de entrada e duas faixas fixadas pelo grêmio estudantil nas grades sobre o muro trazendo as frases “Governador, reforma urgente! 10 anos de espera” e “O governo...
Por Helenir Aguiar Schürer (*) Nesta semana, São Lourenço do Sul se tornou a primeira cidade gaúcha a aprovar a Lei da Mordaça, com a roupagem de “Escola Sem Partido”. Caso o Executivo sancione a censura em...
Uma das principais bandeiras do governo Michel Temer, o novo teto para gastos públicos – instituído pela Emenda Constitucional 95, de dezembro de 2016 – é alvo de um “pacote” de sete ações de...
Em assembleia realizada pelo Sinteal nesta quarta-feira (18), trabalhadoras/es da educação da rede municipal de Maribondo decidiram recusar a proposta de reajuste apresentada pela prefeitura, a categoria reivindica que a proposta respeite...
O sétimo dia de greve dos trabalhadores em educação da rede municipal (17/07) começou vitorioso com uma assembleia bastante concorrida e participativa, onde a categoria avaliou a greve, dando destaque ao descaso do Executivo...
Em uma data histórica para a luta sindical em Alagoas, os/as servidores/as públicos/as municipais de Maceió, organizados por suas entidades (Sinteal, SindPrev, SindsPref, Saseal, entre outras; apoiadas pela CUT/AL), realizaram, na...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE, entidade representativa de mais de 4 milhões de trabalhadores das escolas públicas brasileiras, vem a público REPUDIAR a...
Representado por diretores/as da executiva estadual, o Sinteal participou, na manhã desta segunda-feira (16), de ato público em favor da garantia da destinação dos 60% (sessenta por cento) dos recursos dos precatórios...
A formatura de 74 novos professores do estado de Guerrero, no México, em 13 de julho, não estava completa. Faltavam os 43 estudantes da Escola Normal Rural Raul Isidro Burgos, desaparecidos em 26 de setembro de 2014. O nome de cada um foi...
Na última sexta, dia 13, comemoramos, em Assembleia festiva, uma série de avanços conquistados nas negociações da pauta reivindicatória 2018 (7% de aumento, a equiparação do auxiliar de classe com...
Nesta segunda-feira (16) completa o sexto dia da greve da Educação Municipal de Salvador que teve início na quarta-feira (11). A mobilização e disposição de luta continua firme e crescendo, apesar das...
Os servidores que foram contratados até 15 de março de 1987 e que mudaram de regime de celetistas para estatutários serão beneficiados pela transposição com a conversão da Medida Provisória 817 na...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.