STF ataca ensino laico e aprova proselitismo religioso na escola

Publicado em Sexta, 29 Setembro 2017 11:22

banners cnte na midia 2

Na quarta-feira (27), o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, proposta pela Procuradoria-Geral da República, que previa assegurar caráter não confessional (ligadas a uma confissão religiosa) ao ensino religioso nas escolas públicas. De acordo com dirigentes da CUT e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), a decisão é uma ataque à democracia brasileira e uma amostra do avanço do conservadorismo, que assola não só o Brasil, mas todo o mundo.

"Em momentos de crise econômica e social, o conservadorismo se apresenta como solução para os problemas existentes, apontando as pautas democráticas, como a luta pela emancipação das mulheres e a liberdade religiosa, por exemplo, como a pedra no sapato. E assim, eles, os que querem o retrocesso social, escondem que a solução é, na realidade, o fim da concentração de renda e a construção da igualdade social", afirma o secretário de Política Social da CUT Brasília, Yuri Soares, que é professor da rede pública de ensino do DF.

Segundo o dirigente sindical, "escola não é lugar para proselitismo religioso". "O que se deveria ensinar nas escolas é a história das religiões e o respeito à diversidade religiosa."

Rosilene Corrêa, dirigente da CNTE e do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro), afirma que a decisão do STF é um "atentado à democracia e ao Estado laico". "O que será feito é uma imposição dentro das escolas de uma única religião. E como será definida qual a religião mais apropriada a ensinar? A escola pública deve ser um espaço laico, que recebe a todos e todas de forma igualitária", atenta.

A sindicalista ainda aponta que o resultado garantido pelo STF pode gerar um desdobramento ainda mais grave. "Sabemos que o STF foi contra a aplicação do Escola Sem Partido. Mas este resultado pode ser uma maneira de fazer com que esse projeto entre nas escolas de maneira disfarçada, já que algumas religiões adotam postura contrária à livre orientação sexual, à igualdade de gênero, à garantia dos direitos à população LGBT", alerta.

O secretário-geral da CUT Brasília, Rodrigo Rodrigues, que também é professor da rede pública de ensino do DF, alerta que a decisão do STF indica para o provável crescimento de violência e da intolerância religiosa. "O que realmente se almeja com essa decisão travestida de democratizante é o avanço do fundamentalismo e do conservadorismo. E este é o primeiro passo para que situações extremas de violência que tenham como tema a religião sejam uma prática corrente, pois não há diversidade e nem debate sobre a sua importância".

Pela decisão do STF, o ensino religioso em escolas públicas não será apenas uma apresentação geral das doutrinas, mas admitirá em sala de aula professores que representem credo, como um padre, um rabino, um pastor, uma ialorixá (mãe de santo). Mas, de acordo com o Censo 2010, 64,6% dos brasileiros se declararam católicos e 22,2% protestantes (o que inclui igrejas evangélicas tradicionais, pentecostais e neopentecostais). Ainda segundo o IBGE, 90% da população brasileira se declara cristã. Entretanto, há também os seguidores religiões de matriz africana como candomblé e umbanda, budistas, judeus, muçulmanos, baha'í, seguidores do Santo Daime e outros. Há ainda os que são ateus ou agnósticos.

"Na prática, o que acontecerá, agora com o aval do STF, será o ensino do catolicismo. E se eu, pai, opto por meu filho não ter aula de ensino religioso, o que ele fará neste período? O que a escola oferecerá a ele? Ele será alvo de preconceito ou será feito um trabalho de conscientização na escola", questiona o dirigente da CUT Brasília, Rodrigo Rodrigues.

Atualmente, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional prevê que as escolas ofereçam obrigatoriamente o ensino religioso para crianças. No entanto, a disciplina é facultativa, e os alunos só participam se eles (ou seus responsáveis) manifestarem interesse.

(Portal da CUT, 28/09/2017)

 
 
  02/02/2018
Boletim CNTE 811
Preparação e a realização das Conferências Populares de Educação
INFORMATIVO CNTE 811  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 597: CNTE faz balanço das lutas de 2017

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
O valor que havia sido descontado pelo governo em função da paralisação de luta em março de 2017 finalmente será devolvido aos trabalhadores e trabalhadoras junto com o salário de fevereiro. Após...
Intervenção federal no Rio de Janeiro é cortina de fumaça para derrota iminente da Reforma da Previdência e se presta para, além de avançar com o golpe no Brasil, escamotear a rejeição...
O Sindicato APEOC, juntamente com a CUT e demais centrais sindicais, convoca os profissionais da Educação do Ceará para lutar contra a Reforma da Previdência proposta pelo golpista Michel Temer. Os trabalhadores de todo o...
Aumenta a adesão à greve nacional contra a reforma da Previdência que o ilegítimo e golpista Michel Temer (MDB-SP) quer aprovar a qualquer custo ainda este mês. Se for aprovada, a reforma acaba com a aposentadoria de...
O ano letivo iniciou hoje (15/2), mas a merenda não chegou nas escolas. Professores de Fonte Boa, Urucurituba, Nova Olinda, Manaquiri, Humaitá, Lábrea e Eirunepé informaram que não tem merenda nas escolas onde...
Iniciando o ano de lutas contra a retirada de direitos da classe trabalhadora, Centrais, Entidades Sindicais e Movimentos Sociais estão convocando trabalhadores e trabalhadoras para cruzarem os braços contra a Reforma da Previdência...
No dia 9 de fevereiro, a direção do SINTEGO protocolou representação no Ministério Público Estadual-MP, para solicitar que seja cobrado a realização de concurso público na rede Estadual de...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais do setor público da educação básica brasileira, torna público o seu mais...
Cerca de 670 alunos ficaram sem merenda por falta de profissionais merendeiras e também um clima de insegurança devido ao número insuficiente de vigilantes. Esta é a grave situação da Escola Estadual Profº...
Seguindo na luta em defesa de uma educação pública, gratuita e de qualidade, a APLB Sindicato participou na última terça-feira (6/2), da Jornada Pedagógica 2018, em Cruz das Almas. O evento teve como tema...
Após receber provas documentais dando conta de alunos que não foram alocados em nenhuma escola da rede pública municipal de Maceió, mesmo com os pais tendo seguido integralmente as orientações passadas pela...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) publicou, nesta semana, nota avaliando os resultados do Censo Escolar de 2017, divulgados em 31 de janeiro pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais do...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.