Transtornos emocionais são as principais causas de afastamento de professores

Publicado em Terça, 05 Dezembro 2017 10:54

banners cnte na midia 2

SÃO PAULO - Já era a última aula do dia numa escola estadual no Centro de São Paulo. Mary, de 51 anos, que prefere não dar seu nome verdadeiro, dava orientações à turma de biologia quando o sinal tocou. Impacientes, os alunos do ensino médio tentaram sair da sala antes do aval da professora, que acabou agredida verbalmente - e quase fisicamente - por causa da demora em finalizar os trabalhos. Deprimida, depois de uma série de "incidentes" parecidos na sala de aula, ela decidiu se afastar do trabalho.

- Vieram para cima de mim tentando me empurrar. Se eu não tivesse saído da frente eles passariam de qualquer jeito. Fiquei com pânico de ir nessa escola e comecei a faltar. Estou de licença desde agosto - conta Mary, que leciona desde 1988 e há 16 anos apresenta históricos de depressão, segundo ela, por causa do crescente ambiente hostil da escola.

Mary não está só. Uma pesquisa da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) aponta que 71% dos 762 profissionais de educação da rede pública de vários estados entrevistados no início de 2017 ficaram afastados da sala de aula após episódios que desencadearam problemas psicológicos e psiquiátricos nos últimos cinco anos. O estresse, muitas vezes provocado por situações de insegurança, tem a maior incidência, com 501 ocorrências (65,7%). Vem seguido por depressão (53,7%), alergia a pó (47,2%), insônia (41,5%) e hipertensão arterial (41,3%). Há ainda aqueles que apresentaram apenas sintomas de mal-estar. Foram pelo menos 531 casos de ansiedade, 491 de cansaço ou fadiga e 480 referências a problemas de voz.

A coordenadora da pesquisa da CNTE, Juçara Vieira, observa que até há pouco tempo a perda de voz era a campeã entre as doenças que tiravam profissionais de educação da escola. Para ela, os transtornos mentais têm avançado muito devido à deterioração das condições de trabalho e à maior agressividade dos alunos.

Na semana passada, imagens de um professor sendo espancado dentro de uma sala de aula da Escola Estadual Antônio de Alcântara Machado, na zona sul de São Paulo, viralizaram nas redes. O aluno, de 20 anos, não ficou satisfeito com uma nota e agrediu o profissional. Um boletim de ocorrência foi registrado. Numa carta aberta em uma rede social, o professor Cleiton Munhoz diz que está bem e tomando as providências cabíveis. Religioso, ele pede que orem por ele e pelo agressor.

Segundo a Secretaria estadual de Educação, Munhoz está de licença por uma semana e o estudante foi suspenso. O caso está sendo acompanhado por supervisores, informou a secretaria. 'EU ERA MEIO QUE CARCEREIRA' Viviane, de 37 anos e há sete dando aulas de inglês em escolas do município de São Paulo, começou a sentir sintomas de estresse em 2014, quando trabalhou em Tatuapé, na Zona Leste. Ela, que teme se identificar, lembra como "o pior momento" de sua vida aquele em que pediu exoneração após receber ameaças dos alunos: - Eu era meio que carcereira no colégio, porque minha função era basicamente ficar na porta para evitar que os alunos fugissem. A maioria dos estudantes entre 10 e 12 anos era analfabeta e eu não conseguia passar dever. Quando escrevia no quadro, me jogavam coisas para eu parar. E eram agressivos. Já me ameaçaram dizendo saber o endereço da minha casa. Tratam você como um saco de lixo.

Nos primeiros sintomas de depressão, Viviane procurou um psiquiatra, mas até hoje sofre de pressão alta e enxaqueca crônica. Teve ainda doenças que atribui a efeitos psicossomáticos do estresse na escola, como um cisto no ovário. Depois que pediu exoneração, em 2014, diz, tudo melhorou. Hoje, ela atua em apenas uma escola estadual, mas já decidiu mudar de profissão.

De acordo com a Secretaria de Planejamento e Gestão de São Paulo, em 2015 houve 25,7 mil afastamentos de professores por problemas psicológicos. No ano seguinte, o número dobrou. Foram 50,4 mil, que a pasta atribuiu a "um acréscimo de 40 mil professores na rede de ensino e aumento de perícias". Entre janeiro e julho de 2017, informa, foram afastados 18,6 mil professores, por transtornos mentais e comportamentais.

No Rio, dados da Secretaria estadual de Saúde apontam que 66% dos 2,4 mil professores fluminenses licenciados em 2014 tinham doenças psiquiátricas. De janeiro a outubro deste ano, o percentual caiu para 48% entre 3,5 mil professores licenciados, mas ainda segue alto.

As histórias de agressão são muitas. A professora de português Larissa da Silva, de 33 anos, ficou afastada durante quatro meses das salas de aula, no município do Rio, em 2015. Hoje, gasta um terço do salário de R$ 1,5 mil com três antidepressivos.

- Uma aluna já pegou prova da minha bolsa. Chamei os pais. Um deles disse que a culpa era minha por ter deixado a bolsa na sala. Dá vontade de desistir. Eu me pergunto por que Deus me deu essa vocação. Isso foi me dando estresse. Em 2015, eu me afastei com crise de ansiedade.

Alessandra de Oliveira está há 23 dos seus 47 anos lecionando ciências nas redes estadual e municipal em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ela diz que, além das condições ruins de trabalho - ela mesma comprava materiais, de lápis a impressora -, sofria constantes agressões verbais dos estudantes. No dia em que pediu para um aluno indisciplinado enviar recado aos responsáveis, teve o carro arranhado no estacionamento do colégio. Em 2014, apresentou sintomas de depressão e se afastou do município. Mãe de um menino de 9 anos, a professora toma antidepressivos e remédios para dormir. Sem melhora, deixou a escola estadual em agosto.

- Antigamente, aluno falava baixo. Hoje, mandam para onde acham que têm que mandar. Passam a aula com o celular. Não respeitam. Isso foi me levando ao esgotamento mental. Nos últimos meses, tive paralisia. Ficava sem reação. Fui perdendo a memória e tive tremores - conta ela, que deve se aposentar em dois anos, quando acabar a licença.

O problema também acontece na rede privada. Levantamento do Ministério da Previdência feito a pedido do GLOBO mostra que fraturas, luxações, entorses e lesões encabeçam a lista dos 7,5 mil profissionais de educação de colégios particulares afastados por acidente ou doença do trabalho entre 2014 e 2016 por mais de 15 dias, quando passam a receber pelo INSS. Mas reações ao estresse grave e transtornos de adaptação, depressão e outros transtornos de ansiedade já respondem juntos por quase 5% dos casos (351).

Segundo dados do Ministério da Educação (MEC), há hoje no Brasil 2,2 milhões de professores atuando na educação infantil e no Ensino Fundamental. Para o professor Heleno Araújo, presidente da CNTE, falta de investimento no ambiente escolar e salário baixo estão por trás dos quadros de depressão.

- Temos cada vez menos recursos e a tendência é piorar. Os professores estão desistindo das salas de aula e os números mostram isso. Essa desistência já começa na faculdade. Poucos concluem o curso - diz.

Para o secretário de Educação Básica do MEC, Rossieli Soares da Silva, a estrutura das escolas "é um desafio para todos". Ele defende investimentos em políticas de valorização do professor e diz que o governo faz sua parte ao manter o orçamento do MEC longe de cortes: - Tivemos um reajuste acima da inflação, mas é preciso ter mais políticas de valorização dos professores nas redes. Os gestores locais precisam se conectar mais com a comunidade e detectar os problemas que estão afetando a todos, saber o que acontece quando um profissional falta demais, por exemplo. E é preciso mais treinamento para os professores enfrentarem casos como esses de agressão.

(O Globo, 05/12/2017)

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Carta aberta aos(às) trabalhadores(as) em educação e à sociedade sobre os retrocessos na agenda social do país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Com o tema “Uma construção coletiva: a resistência do magistério público à BNCC e padronização curricular” o SINTESE realiza dia 01 de fevereiro, das 8h às 16h, no auditório...
Desde o dia 1º de janeiro, o piso salarial do Magistério válido para todos os docentes do país é de R$ 2.557,74. Isso representa um reajuste de 4,17% frente aos R$ 2.455,00 em 2018. O valor corresponde ao vencimento...
Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar...
Além de toda a luta coletiva que a rede estadual tem feito, o Sind-UTE/MG tem travado uma luta para que o Judiciário cumpra seu papel na garantia de direitos para os servidores e servidoras da educação. Até o mês...
O ano letivo na rede estadual de ensino de São Paulo se iniciará sob a égide de um novo governo, com problemas acumulados ao longo de anos e uma nova situação que poderá agravar ainda mais a falta de professores...
Como parte da Campanha Mundial contra a Privatização e o Comércio da Educação, a CNTE convida sindicatos filitados a participarem da apresentação do estudo sobre este tema realizado pela Internacional da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), ao repercutir a escala de pagamento anunciada pelo governo do Estado, nesta terça-feira (8/1/19) faz as seguintes considerações: O...
Nesta sexta-feira, 11 de janeiro, acontece a primeira Assembleia Geral da Educação de 2019. O encontro será realizado às 15h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da...
Desde que algumas redes começaram a anunciar o adiamento do início do ano letivo de 2019, e que essa possibilidade foi aventada no município de Betim, diante da publicação do Decreto de Estado de Emergência...
Na tarde desta segunda-feira (07/01/19), a direção estadual do Sind-UTE/MG solicitou ao Governador Romeu Zema que abra processo de negociação com a entidade. A solicitação foi feita com urgência,...
Após convocação feita pelo Núcleo Regional do Sinteal de Palmeira dos Índios, trabalhadoras/es em educação da rede pública municipal de Maribondo participaram, na manhã desta 2ª feira...
O Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) expressa de forma veemente o REPÚDIO, ao governo do estado de Mato Grosso, que tomou posse no dia 01 de janeiro de 2019, Mauro Mendes....
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.