Temer quer acabar com aposentadoria específica dos professores

Publicado em Sexta, 08 Dezembro 2017 09:32

banners cnte na midia 2

Mesmo com o alto nível de adoecimento de professoras e professores em sala de aula e do reconhecimento internacional de que a profissão é desgastante e penosa, o ilegítimo e golpista Michel Temer (PMDB-SP) jogou no lixo a aposentadoria específica dos educadores na nova proposta de reforma da Previdência encaminhada à Câmara dos Deputados, que aumenta a idade mínima e o tempo de contribuição.

A nova proposta pode acarretar graves consequências para a educação pública brasileira, com a falta de jovens interessados em seguir a carreira docente, e acabar com a aposentadoria de centenas de educadores que têm adoecido cada vez mais em função do trabalho.

As avaliações são de Heleno Manoel Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Hermes Silva Leão, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (App-Sindicato).

"Já temos debatido nacionalmente a questão do apagão de professores, pois os jovens não se interessam por essa carreira", diz Hermes. Segundo o dirigente, levantamentos feitos pelo Conselho Nacional de Educação já sinalizam que faltarão professores no futuro. "Se a reforma da Previdência passar, essa tendência se agravará ainda mais", completa o dirigente.

Heleno diz que as mudanças propostas, como a elevação da idade mínima de aposentadoria para 60 anos, tanto para homens quanto para mulheres, e a exigência de, no mínimo, 25 anos de contribuição, vão inviabilizar a aposentadoria das professoras e dos professores. "Para obter 100% do benefício, eles terão de trabalhar durante 40 anos. Ninguém vai conseguir isso", diz.

As regras atuais, considerando o artigo 201 da Constituição Federal, garantem aposentadoria diferenciada às professoras que atingem 25 anos de contribuição e 50 anos de idade; e aos professores que alcançarem os 30 anos de contribuição e 55 de idade.

Segundo Heleno, "o governo demonstra com esta proposta que não reconhece a importância do papel do educador no desenvolvimento do país e despreza completamente o histórico que levou à conquista do direito à aposentadoria específica".

O dirigente alerta que será praticamente impossível os trabalhadores e trabalhadoras do magistério aguentarem mais 10 ou 15 anos em um trabalho cujo desgaste é crescente. Heleno citou pesquisa da CNTE que constatou que 33% da categoria sofrem com doenças decorrentes do trabalho.

"As professoras e professores lidam diariamente com centenas de crianças e adolescentes, o que naturalmente gera um desgaste emocional", explica o dirigente.

A história da professora Roberta de Araújo Guerra confirma a análise do presidente da CNTE. Há 25 anos no magistério, Roberta acumula dois cargos no estado para conseguir renda suficiente para sustentar a família. Ela relata as duras e exaustivas condições diárias de trabalho do professor que justificam a aposentadoria especial.

"Em uma manhã, o docente muitas vezes tem contato com até 250 crianças e adolescentes. É difícil e desgastante ficar responsável por cinco turmas ou até mais com 35 ou 40 alunos cada", explica Roberta, em referência ao preparo emocional que os professores precisam ter para lidar com muitas crianças e jovens ao mesmo tempo, justamente em um período importante da formação desses alunos.

"Além disso, os professores precisam desenvolver muitas de suas tarefas fora do período de trabalho, como o planejamento de aulas e a correção de avaliações, portanto, a jornada do professor nunca acaba na escola", afirma Roberta, que completa: "por esses motivos, nas atuais condições, nenhum docente consegue ficar mais do que 25 anos em sala de aula em condições emocionais saudáveis."

Mulheres mais penalizadas

Segundo o presidente da CNTE, Heleno Araújo, a categoria é formada por 80% de mulheres, que são as que mais sofrerão com os impactos das novas mudanças propostas para a Previdência pelo governo ilegítimo de Temer. "Sair da idade mínima de 50 para 60 anos e ainda ter de contribuir por 40 anos para conseguir receber o valor integral é de uma crueldade muito grande", lamenta.

A professora Roberta Guerra concorda. Mãe de dois filhos, ela destaca o fato de "vivermos em uma sociedade machista", onde as mulheres, além de trabalhar fora de casa, em muitos casos, são também as únicas responsáveis pela educação e cuidado com os filhos. "Há famílias em que esses cuidados são divididos, mas ainda são casos excepcionais".

Tanto Hermes quanto Heleno destacam a necessidade de as professoras e professores não aceitarem mais este ataque do governo e se somarem à luta em defesa da aposentadoria e contra a retirada de direitos.

"Devemos manter a pressão sobre os parlamentares, esclarece a população sobre este desmonte e derrotar este governo golpista na luta".

(CUT, 07/12/2017)

 
 
  22/10/2018
Boletim CNTE 823
Brasil tem a chance de mostrar ao mundo como defender a democracia
INFORMATIVO CNTE 823  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 604: Em audiência pública, CNTE reitera posicionamento contrário à BNCC

 
 

Nota Pública: Lei da Mordaça (“Escola Sem Partido”) é inconstitucional, antidemocrática e antipedagógica

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
A Diretoria do Sintero solicitou uma reunião de urgência com a Secretaria de Estado da Educação para cobrar ações efetivas de combate à violência contra profissionais da educação nas...
Na última quarta-feira (07/11), a Justiça mineira aprovou uma liminar de despejo de 450 famílias sem-terra do acampamento Quilombo Campo Grande, no município de Campo do Meio, no sul de Minas Gerais. Estas famílias...
De cabeça erguida, com a consciência de que a luta nunca deixou de ser feita, trabalhadores e trabalhadoras do município de Maceió decidiram, em assembleia realizada na manhã desta terça-feira (13), pelo...
Confira a nova edição do jornal CNTE Notícias sobre o Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro. A publicação traz dados do Atlas da Violência, informações acerca das...
A professora Ana Cristina Rodrigues é a nova presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam). A eleição teve chapa única e aconteceu ontem, dia 12, em Manaus e no interior. O Sinteam...
Nas redes sociais, o governador disse que falar em “Escola Sem Partido” tem servido para encobrir propósitos autoritários incompatíveis com a Constituição. O governador Flávio Dino (PCdoB) editou...
Contra a ameaça do projeto de lei 7.180/14, da Escola sem Partido, que será levado para votação, na terça-feira (13), às 9h30 (anexoII, plenário 2), em comissão especial na Câmara dos...
O SIMPERE protocolou no Ministério Público, Conselho Municipal de Educação, Câmara de Vereadores e Secretaria de Educação, na tarde desta quinta-feira (08) um abaixo assinado organizado com pais e...
Em reunião solicitada pelo Sinteal, a professora Valéria Correia, reitora da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) conversou, na última sexta-feira (9), com representantes do Sinteal, Adufal, Sintufal e Sintetfal para falar sobre...
247 - O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, classificou como uma "aberração" a decisão do Conselho Nacional de Educação (CNE), de...
O Brasil aparece em último lugar em ranking sobre prestígio do professor. A análise de 35 países aponta que desempenho dos alunos está ligado à forma como a sociedade vê e remunera seus professores. No...
Fotos: Jordana MercadoNo dia em que se encerra o CNE – Conselho Nacional de Entidades da CNTE, em Curitiba/PR, a direção da entidade apresentou ao plenário a Proposta de Planejamento para 2019, bem como o...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.