Como cortes em Humanas, propostos por Bolsonaro, prejudicam as Ciências e Tecnologia?

Publicado em Terça, 23 Outubro 2018 08:46

2018 10 23 cntenamidia

Desde que a Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos públicos pelos próximos 20 anos, foi aprovada em 2016 pelo presidente Michel Temer, especialistas têm alertado sobre as graves consequências da medida para o país, principalmente nas áreas de saúde e educação.

Para Heleno Manoel Gomes Araújo, diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o teto de gastos instituído no governo Temer representa o pensamento mercadológico de educação de uma grande parte dos parlamentares brasileiros, incluindo o então candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). As consequências disso serão sentidas por todos os campos de pesquisa acadêmica, assim como pela sociedade.

"É aquela lógica de que tudo que for investimento para área social é gasto, são coisas desnecessárias. São governos, que vai de MDB ao PSL lá, que tem sua composição à extrema direita, que trabalham para uma elite, uma parte da sociedade totalmente ligada à questão do mercado. Então tendo este aspecto político, essa característica de governo, de pensamento, pra eles, é fácil enviar uma emenda constitucional que pode reduzir os investimentos sociais. E aí eles falam de congelar, de só gastar o que arrecada pra poder equilibrar, mas na verdade é reduzir ano a ano até 2036 os investimentos nas áreas sociais", analisa Araújo.

Entre as diversas áreas afetadas está a educação pública e com ela o Plano Nacional de Educação, lei sancionada em 2014 que determina diretrizes, metas e estratégias para a política educacional do país dos próximos dez anos.

O Teto de Gastos já vem trazendo consequências negativas para a área. Uma delas é o corte no Ciências Sem Fronteiras, principal programa de intercâmbio em graduação e pós-graduação brasileiro. A CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) também quase sofreu cortes no orçamento de 2019 para bolsas de pesquisa. A entidade chegou a soltar um documento em agosto alertando sobre os riscos da decisão para o desenvolvimento da ciência.

A situação ainda pode piorar dependendo do resultado das eleições. O consultor em educação de Bolsonaro, Stavros Xanthopoylos, declarou na última semana que, em um eventual governo do candidato do PSL, as pesquisas universitárias terão os critérios de financiamento revistos, com prioridade de investimento para as áreas que não sejam de humanidades. De acordo com a declarações dadas para o jornal O Globo, as ciências humanas não teriam “significância para o desenvolvimento científico do país”. Para Heleno a declaração representa uma continuação da precarização iniciada no governo Temer.

“Dentro da educação, na cabeça deles, é pior ainda essa área da pesquisa. A pesquisa tem que ser importante para a indústria, para o mercado, na cabeça deles. Ao dizer que vai redirecionar recursos vai na lógica de que, como tem que reduzir recursos, como tem que manter a Emenda 95, os recursos que existem vamos dar um foco. Vamos redirecionar para aquilo que seja efetivo”.

Adriana Facina, doutora em Antropologia Social, explica porque é um grave equívoco considerar que pesquisas na área de humanas não são efetivas para o desenvolvimento de um país. Ela afirma que a produção de tecnologia inovadora de ponta requer raciocínio crítico e conhecimento de contextos históricos de onde essas tecnologias vão atuar. Neste sentido, é impossível se pensar em ciência e tecnologia sem se pensar em humanidades.

“Há uma campanha, vamos dizer assim, muito por setores conservadores e neo conservadores no sentido de associar conhecimento válido à conhecimento com utilizada prática e imediata. Só que isso não leva em consideração que mesmo quando a gente está falando das ciências chamadas "hard", as ciências duras, você, para descobrir algo que tenha utilidade prática, quanto você não tem que dedicar à especulação, divagação, tentativas e hipóteses que muitas vezes não dão em nada. E fazer isso, estimular o pensamento livre, está relacionado a uma concepção de ciência que inclui as humanidades", critica Facina.

Facina ainda ressalta o risco de dependência econômica que o Brasil corre caso as pesquisas em área de humanas recebam menos investimentos. Ao não produzir ciência, a tendência é de reproduzirmos e importarmos conhecimentos de outros países, o que acarreta em posição subalterna diante das outras nações. A antropóloga também comenta o porquê as ciências humanas são frequentemente vistas de forma negativa pela sociedade:

“As ciências sociais são perigosas para formas politicas autoritárias e como essas formas politicas são constantes na nossa história, evidentemente estimular as humanidades nunca foi prioridade de políticas públicas de educação ou ciência e tecnologia. Quanto mais autoritários os governos, quanto mais o poder se dá pelo exercício da força, menos o pensamento critico é bem vindo, seja ele de que orientação ideológica for”, conclui a antropóloga.

(Portal Brasil de Fato, 21/10/2018)

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Carta aberta aos(às) trabalhadores(as) em educação e à sociedade sobre os retrocessos na agenda social do país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os membros do Conselho Geral do Sinte-PI realizaram a primeira reunião de 2019 na última terça-feira (15) para discutir pontos importantes para organização da categoria neste início de ano, como o reajuste dos...
Decisão foi votada em assembleia nesta quarta, 16, em protesto pelo cumprimento das reivindicações dos profissionais da Educação Os trabalhadores em educação da rede municipal de Guaraí decidiram...
Com o tema “Uma construção coletiva: a resistência do magistério público à BNCC e padronização curricular” o SINTESE realiza dia 01 de fevereiro, das 8h às 16h, no auditório...
Desde o dia 1º de janeiro, o piso salarial do Magistério válido para todos os docentes do país é de R$ 2.557,74. Isso representa um reajuste de 4,17% frente aos R$ 2.455,00 em 2018. O valor corresponde ao vencimento...
Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar...
Além de toda a luta coletiva que a rede estadual tem feito, o Sind-UTE/MG tem travado uma luta para que o Judiciário cumpra seu papel na garantia de direitos para os servidores e servidoras da educação. Até o mês...
O ano letivo na rede estadual de ensino de São Paulo se iniciará sob a égide de um novo governo, com problemas acumulados ao longo de anos e uma nova situação que poderá agravar ainda mais a falta de professores...
Como parte da Campanha Mundial contra a Privatização e o Comércio da Educação, a CNTE convida sindicatos filitados a participarem da apresentação do estudo sobre este tema realizado pela Internacional da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), ao repercutir a escala de pagamento anunciada pelo governo do Estado, nesta terça-feira (8/1/19) faz as seguintes considerações: O...
Nesta sexta-feira, 11 de janeiro, acontece a primeira Assembleia Geral da Educação de 2019. O encontro será realizado às 15h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da...
Desde que algumas redes começaram a anunciar o adiamento do início do ano letivo de 2019, e que essa possibilidade foi aventada no município de Betim, diante da publicação do Decreto de Estado de Emergência...
Na tarde desta segunda-feira (07/01/19), a direção estadual do Sind-UTE/MG solicitou ao Governador Romeu Zema que abra processo de negociação com a entidade. A solicitação foi feita com urgência,...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.