Em três anos, apenas 20% do PNE é colocado em prática

Publicado em Sexta, 23 Junho 2017 11:36

Universalização do ensino fundamental de nove anos, com 95% dos alunos finalizando a etapa na idade recomendada, é um dos objetivos estabelecidos no PNE

Apenas 6 dos 30 dispositivos do PNE (Plano Nacional de Educação) que deveriam ter sido cumpridos até 2017 foram concluídos integral ou parcialmente. A informação é do Observatório do PNE, que elaborou um relatório com dados coletados com a ajuda de representantes de entidades ligadas à educação. Desde 2014, o observatório composto por 22 organizações acompanha passo a passo as ações do governo para o cumprimento das metas até 2024.

O plano completa três anos neste domingo (25) e o empenho do poder público, segundo o coordenador de projetos do movimento Todos Pela Educação, Caio Callegari, ainda está longe do ideal. Ao todo, 20 metas foram estabelecidas no PNE. Entre elas, o atendimento até 2016 de, no mínimo, 50% das crianças com idade até três anos nas creches em todo o País; a universalização do ensino fundamental de nove anos, com 95% dos alunos finalizando a etapa na idade recomendada, e a universalização do ensino médio com a matrícula de, pelo menos, 85% dos jovens de 15 a 17 anos.

O plano abrange ainda a educação inclusiva, a educação em período integral, a alfabetização de jovens e adultos, o ensino superior e a formação e capacitação de professores. Além das metas, foram estabelecidas 254 estratégias e criados 14 artigos que deveriam ser colocados em prática até 2024. No entanto, conforme Callegari, é necessário implantar um plano de ação efetivo para a implementação do PNE. "Talvez seja o momento do Ministério da Educação, do Conselho Nacional de Educação e dos órgãos de representação de gestão democrática conjuntamente pensarem nesse plano de ação para verificar o que fazer a cada passo. A gente tem apenas estratégias para cumprir as metas, mas da estratégia para o plano de ação é um aprofundamento necessário", destacou.

Uma das ações em atraso no PNE se refere a exigência de que Estados e municípios criem ou adequem os próprios planos de educação. O prazo venceu em 2015. No entanto, o relatório aponta que Minas Gerais e Rio de Janeiro, além de 15 municípios do País, ainda não sancionaram os planos. Já a lei que cria o Sistema Nacional de Educação, para auxiliar o cumprimento do plano, deveria ter sido aprovada até o ano passado, mas tramita na Câmara dos Deputados desde 2014.

Outra meta estabelecida é a universalização do atendimento de crianças de quatro e cinco anos na educação infantil. A intenção era que até 2016 todas as crianças nessa faixa etária fossem atendidas. Porém, aproximadamente 500 mil permaneciam fora da escola em 2015, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad/IBGE). O relatório com o balanço dos três anos do PNE divulgado nesta quinta-feira (22) aponta que, aproximadamente, 2,5 milhões de crianças e jovens estão fora da escola no Brasil.

O nível socioeconômico das escolas também foi considerado pelos especialistas que fazem parte do observatório. As que atendem alunos com nível socioeconômico baixo possuem infraestrutura inadequada e grande parte dos professores tem formação precária, o que compromete a qualidade no ensino. "É preciso educação de qualidade com equidade.

Precisamos pensar quais grupos de estudantes devem ter maior atenção para que eles possam dar um salto muito maior. A gente tem que olhar para quem tem mais vulnerabilidade social. O nosso sistema educacional acaba aprofundando as desigualdades. Os alunos já chegam com uma questão familiar complicada. Os pais têm mais dificuldades. Muitos deles tiveram menos oportunidades de estudo. Os alunos vão entrar num sistema educacional que as oportunidades deles serão menores. São alunos que, muitas vezes, não estão na escola e que precisam ser incluídos ou que têm o perfil mais característico de evasão, por exemplo", destacou Callegari.

A transparência e distribuição adequada de repasses de recursos, a valorização dos professores e melhorias na infraestrutura estão entre as estratégias necessárias para o cumprimento do PNE, conforme os especialistas. Entre as metas cumpridas está a publicação de estudos a cada dois anos para verificar a evolução das metas do PNE e a implantação de um fórum permanente de acompanhamento do piso salarial nacional do magistério. "Isso é muito positivo porque você começa a ter uma cultura de discutir as condições de ensino dos professores para lecionar as aulas", completou.

No Paraná, segundo dados do Pnad/IBGE divulgados pelo Observatório do PNE, 226 mil crianças de até três anos estavam matriculadas nas creches em 2015. O número corresponde a 36,5% do total. A assessoria da Seed (Secretaria de Estado da Educação) informou que o governo "está assessorando a avaliação e monitoramento dos planos municipais de educação. […] A assistência técnica vai proporcionar a formação necessária para as avaliações e monitoramentos previstos nos planos educacionais". Ainda conforme a assessoria, o número de escolas estaduais com atendimento em tempo integral aumentou de 28 para 64 e o programa pedagógico criado pela secretaria denominado Meta (Minha Escola Tem Ação) estabelece estratégias para o cumprimento do plano estadual, elaborado de acordo com o PNE.

(Folha de Londrina, 23/06/2017)

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Carta aberta aos(às) trabalhadores(as) em educação e à sociedade sobre os retrocessos na agenda social do país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Com o tema “Uma construção coletiva: a resistência do magistério público à BNCC e padronização curricular” o SINTESE realiza dia 01 de fevereiro, das 8h às 16h, no auditório...
Desde o dia 1º de janeiro, o piso salarial do Magistério válido para todos os docentes do país é de R$ 2.557,74. Isso representa um reajuste de 4,17% frente aos R$ 2.455,00 em 2018. O valor corresponde ao vencimento...
Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar...
Além de toda a luta coletiva que a rede estadual tem feito, o Sind-UTE/MG tem travado uma luta para que o Judiciário cumpra seu papel na garantia de direitos para os servidores e servidoras da educação. Até o mês...
O ano letivo na rede estadual de ensino de São Paulo se iniciará sob a égide de um novo governo, com problemas acumulados ao longo de anos e uma nova situação que poderá agravar ainda mais a falta de professores...
Como parte da Campanha Mundial contra a Privatização e o Comércio da Educação, a CNTE convida sindicatos filitados a participarem da apresentação do estudo sobre este tema realizado pela Internacional da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), ao repercutir a escala de pagamento anunciada pelo governo do Estado, nesta terça-feira (8/1/19) faz as seguintes considerações: O...
Nesta sexta-feira, 11 de janeiro, acontece a primeira Assembleia Geral da Educação de 2019. O encontro será realizado às 15h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da...
Desde que algumas redes começaram a anunciar o adiamento do início do ano letivo de 2019, e que essa possibilidade foi aventada no município de Betim, diante da publicação do Decreto de Estado de Emergência...
Na tarde desta segunda-feira (07/01/19), a direção estadual do Sind-UTE/MG solicitou ao Governador Romeu Zema que abra processo de negociação com a entidade. A solicitação foi feita com urgência,...
Após convocação feita pelo Núcleo Regional do Sinteal de Palmeira dos Índios, trabalhadoras/es em educação da rede pública municipal de Maribondo participaram, na manhã desta 2ª feira...
O Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) expressa de forma veemente o REPÚDIO, ao governo do estado de Mato Grosso, que tomou posse no dia 01 de janeiro de 2019, Mauro Mendes....
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.