O racismo existe e precisa sair das nossas escolas

Publicado em Terça, 14 Novembro 2017 10:03

ne307 caro educador foto cadeiras gettyimages

Foto: GettyImages

“No passado, a escola pública era excelente. Minha família era pobre, mas mesmo assim eu tive uma Educação muito boa. Hoje, é um desastre!” Essas frases são de uma diretora de escola de São Paulo, na faixa dos 60 anos, alguns meses atrás, depois de um debate do qual participamos. Quando ela terminou de falar, eu respondi que entendia o ponto dela, mas precisava fazer algumas perguntas. A primeira, se ela frequentou uma escola rural ou urbana. Urbana, ela me disse. Depois, se a escola era no centro expandido ou numa periferia distante. No centro expandido, continuou ela. Por fim, perguntei quantos dos colegas dela eram negros. Ela parou. Pensou um pouco. Depois de uma pausa, finalmente disse: “Você tem razão. Eu não tinha colegas negros”.

Embora os números não sejam precisos, muitas pesquisas mostram que as escolas no Brasil, antes da Constituição de 1988, não eram para todos. A evasão era alta, a matrícula era baixa e o resultado era simples. Em 1970, 34% da população brasileira era analfabeta. Hoje, é de menos de 10% – um índice ainda alto.

Nos últimos 30 anos, os números melhoraram, mas não no ritmo necessário. Para piorar, os avanços foram desiguais. O analfabetismo entre negros é de 11,2%. Entre os brancos, de 5%. Quando se olha para os dados do Ensino Médio, mais desigualdade. Hoje, 70% dos alunos brancos de 15 a 17 anos estão nessa etapa. Entre os negros, esse número cai para 55,5%. A escola pública excelente da diretora não era para todos, como ela reconheceu. Mas nossa escola, hoje, também não é.

“E como eu posso mudar isso?” É uma ótima pergunta. Não é fácil, mas um bom começo é mostrar aos seus alunos negros que você acredita neles e que eles podem aprender tanto quanto qualquer pessoa. Parece óbvio quando dito, mas não é banal quando feito. Pesquisas mostram que, mesmo sem se dar conta, muitos professores acreditam menos nos alunos negros. E esses estudantes, muitas vezes, também são mais pobres e vêm de famílias com menos acesso à Educação formal.

Além de acreditar, há outras coisas muito simples que você pode fazer para que esses estudantes também confiem em si mesmos. São práticas capazes de reforçar a autoestima – ou ao menos impedir que ela seja abalada. Por exemplo, não diga que um lápis bege é um lápis cor da pele – a maioria das peles no Brasil não é bege. Nas aulas de Português, estude os grandes escritores negros brasileiros, como Lima Barreto. Em História, lembre-se que a África também faz parte do currículo. Parece pouco, e é. Mas isso já ajuda o aluno negro a se ver como pertencente à escola.

Sim, a Educação não é capaz de mudar o passado do Brasil. Não somos culpados pelos que vieram antes de nós. Porém, podemos construir um futuro melhor para os que já estão aqui – e para os que vierem depois de nós – com todas as cores que temos, com todas as cores que nossos alunos têm.

(Revista Nova Escola, 10/11/2017)

 
 
  23/03/2018
Boletim CNTE 813
Debate sobre a privatização da educação repercute para dentro e fora do Brasil
INFORMATIVO CNTE 813  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 599: Paralisações em diversas regiões do país cobram Piso Salarial e condições de trabalho

 
 

Lula é um preso político! A ditadura escancarada de Temer só sucumbirá com o povo nas ruas!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Com representantes de 14 entidades, o Coletivo Nacional LGBT da CNTE se reuniu em terras capixabas, no auditório do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes). No encontro foram...
A greve da Rede Estadual de ensino do RN está suspensa. É o que foi decidido pelos trabalhadores em educação durante assembleia realizada na tarde desta quinta-feira (19/04). O movimento grevista durou 29 dias. Os...
A morosidade da Secretaria Municipal de Educação na resolução dos avolumados problemas tem provocado indignação e desestímulo generalizado entre os trabalhadores da educação. As...
A presidenta do SINTEGO, Bia de Lima, esteve reunida nesta quinta-feira (19/4), com o secretário Estadual de Gestão e Planejamento, Joaquim Mesquita, para cobrar, novamente, o pagamento das progressões dos servidores da...
O programa de ações “Sintero Itinerante”, que levará as atividades do Sintero a todas as Regionais do Estado, teve início hoje, quinta-feira, dia 19/04, com reuniões e visitas às escolas em Pimenta...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais do setor público da educação básica brasileira, torna público o seu mais...
Dando continuidade às atividades da “Semana da Saúde Vocal do Sinteal”, a série de palestras itinerantes ocorreu, nesta quinta-feira (19), na cidade de Rio Largo, na Escola Fernandina Malta, tendo como palestrante a...
A “Semana da Saúde Vocal”, realizada pelo Coletivo de Saúde do/a Trabalhador/a do Sinteal, que acontece de 16 a 20 de abril, realizou mais uma “palestra itinerante”, nessa quarta-feira (18/4), na Escola Estadual de...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa de mais de 4,5 milhões de trabalhadores das escolas públicas do país, entre professores, especialistas/pedagogos e...
Logo após as negociações que resultaram no encerramento da greve que durou 45 dias, o Sintero, por precaução havia divulgado tabela salarial dos professores estaduais considerando o piso salarial nacional no...
A atual situação da educação básica no Brasil e suas perspectivas para os próximos anos foi o tema do debate realizado nesta manhã na Comissão de Educação da Câmara dos...
O Sinteal realizou, nesta segunda-feira (16), no Espaço Cultural Profª Jarede Viana, na sede da entidade, o 2º Encontro do Coletivo de Saúde do/a Trabalhador/a. No “Dia Mundial da Voz”, a programação...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.