É preciso trabalhar cultura de paz e justiça social nas escolas, dizem especialistas

Publicado em Sexta, 15 Março 2019 09:49

2019 03 15 educacaonamidia

Redução de gastos na educação e armamento não combatem casos como de Suzano

O massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), nessa quarta-feira (13), gerou medo e pânico não apenas em quem presenciou o ataque. O ato, que deixou ao todo dez mortos, promoveu comoção nacional e discussões a respeito da violência em escolas no país.

Grades, câmeras de seguranças, policiamento e até armamento de funcionários e professores são apontadas como soluções para reforçar a segurança em unidades educacionais. O senador Major Olímpio (PSL-SP) afirmou que a tragédia teria sido evitada se os funcionários da escola estivessem armados. No entanto, na avaliação de especialistas em segurança e educação ouvidos pelo Brasil de Fato, ideias como essa – assim como a flexibilização do porte de armas, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) – estão na contramão de medidas que visam combater o problema da violência na raiz.

Segundo Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, a escola precisa trabalhar a cultura da paz e da justiça social no seu cotidiano. Ele explica que medidas repressoras não combatem as diferentes formas de discriminação e a marginalização de jovens que são considerados “problemáticos” na escola.

"Tem que enfrentar as discriminações, desencorajar a postura dos alunos que acabam embarcando na onda de grupos que disseminam o ódio e que infelizmente encontram respaldo inclusive nos atores políticos. Qual problema desse caso? Quando o ódio encontra a arma, ele encontra um veículo de execução, e resulta nesse caso como de Suzano, como foi a tragédia de Realengo e Goiânia”, diz.

Durante o tiroteio, a merendeira da Escola Estadual Professor Raul Brasil fez uma barricada com freezer para salvar os alunos. Pediu para que todos os estudantes ficassem em silêncio e deitados no chão para que os atiradores não soubessem que eles estavam ali. Daniel Cara acredita que, se os funcionários e professores estivesse armados, a tragédia seria maior.

A coordenadora pedagógica Marilena Ferreira, morta dentro da escola durante o ataque, defendia o porte de livros. “A militarização das escolas e o discurso pró-armamento transformaria essa tragédia maior que Columbine (EUA). Acredito que a coordenadora pedagógica da escola que foi assassinada continua nos ensinando que o melhor caminho para o país é a resolução pacífica de conflitos de escola democrática, dominada pela educação e não militarização”, comenta cientista político.

O caso de Suzano mostra a complexidade da discussão sobre violência nas escolas. Familiares revelaram a imprensa que os atiradores Luiz Henrique de Castro, 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, 17, eram ex-alunos da escola, sofreram bullying, tiveram uma criação sem estrutura familiar e vinham participando de grupos neonazistas.

Para Ariel de Castro Alves, especialista em infância e juventude e segurança pública, e membro do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), o combate ao bullying e às discriminações deve ser algo central nas escolas.

“A exclusão social e a marginalização dos alunos devem gerar preocupação. Muitas vezes na escola pública, quando o aluno problemático deixa de comparecer, [o fato] é comemorado. [É preciso] saber por que a escola não tem sido atrativa, se esse aluno está com problemas familiares, ou envolvido com drogas e com atos infracionais. Tudo isso está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente“, completa.

Alves também chama atenção pra necessidade de se pensar em medidas preventivas para reforçar a proteção das escolas que não seja pela via do policiamento, como profissionais de segurança preparados para lidar com o ambiente escolar, controle de entrada e saída nas unidades e ronda no entorno. Segundo ele, o corte de recursos públicos destinados à educação e a ampliação do acesso às armas defendida pelo governo de Bolsonaro pode tornar crimes como Suzano mais recorrentes nas escolas.

“O próprio presidente da República se manifestou que se gasta demais com educação no Brasil, na sequência o ministro da Fazenda defendeu o corte dos recursos conforme a previsão constitucional e prevê a facilidade do acesso as armas com o decreto. Casos como esse de Suzano poderão se multiplicar, se em casa tiver uma ou quatro armas. Pequenos conflitos entre estudantes e professores podem gerar novas tragédias”, ressalta.

Já ocorreram no Brasil ao menos sete casos semelhantes ao de Suzano. A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informou que os procedimentos de segurança em todas as 5 mil e trezentas escolas serão revisados e que está em estudo um projeto para reforço à segurança nas escolas mais vulneráveis.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, afirmou nesta quinta-feira (14) que vai reforçar a segurança não só na Escola Estadual Prof. Raul Brasil, como nos demais colégios do município. Será instalado um departamento destinado à ronda escolar, programa anti-drogas e visita da Polícia Militar às unidades.

(Brasil de Fato, 14/03/2019)

 
 
  15/03/2019
Boletim CNTE 828
Dia 22 de março barraremos o ataque do Governo Bolsonaro aos nossos direitos
INFORMATIVO CNTE 828  
 
 
Heleno Araújo participa de palestra sobre a reforma da Previdência em Pernambuco
 
 

Programa 610 - CNTE participa de lançamento de frente contra a Reforma da Previdência

 
 

Toda solidariedade ao Sindserum e a sua presidenta

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
O SINTEPP participou nesta sexta-feira, 22, da PARALISAÇÃO NACIONAL convocada pelas centrais sindicais. A data, aprovada na assembleia geral de 12.03, representou o Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência, contra a MP 873...
Diante do desmonte da Previdência proposto pelo Governo Bolsonaro, através da PEC 06/2019, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município de Correntina – SINDTEC, em parceria com o Sindicato dos...
Tocantins também terá manifestações a Favor da Aposentadoria e da Previdência Social nesta sexta (22). Em Palmas, Centrais Sindicais organizam ato às 8h, em frente ao INSS. Confira agenda com locais e...
O líder indígena costarriquenho Sergio Rojas Ortiz, coordenador Frente Nacional de Povos Indígenas (Frenapi) da Costa Rica foi assassinado alvejado a tiros em sua casa na comunidade indígena de Salitre, um dos...
Os sindicatos de Rondônia promoverão no dia 22 de março, sexta-feira, o Dia de Luta em Defesa da Previdência, conforme convocação nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em...
Reunidos nesta quarta-feira (20/3), deputados e senadores de oposição lançaram a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social, na Câmara dos Deputados. Representantes de centrais sindicais,...
O Sintero reuniu milhares de pessoas durante ato público contra o feminicídio e em defesa dos direitos das mulheres, nesta terça-feira (19/03). Na ocasião, houve uma caminhada pelas ruas do centro de Porto Velho e foi...
O SINTE-PI realizou nesta segunda-feira (18) uma manifestação no Pátio da Secretária de Educação e Cultura do Estado (SEDUC-PI). Os servidores da educação reivindicam a valorização...
No aniversário de 40 anos do Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF), completados na última quinta-feira (14), a entidade não poderia ter ganho presente melhor: o reconhecimento da luta sindical. A sessão...
Nesta terça-feira (19/3), o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, participou de audiência sobre Proposta de Emenda à Constituição...
A Direção do Sintero, representada pela presidente Lionilda Simão e pelo secretário de Finanças, Manoel Rodrigues da Silva, participou de audiências em Brasília, na terça-feira (12/03), com o...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca todos os trabalhadores em educação para integrarem as mobilizações contra a reforma da previdência, marcada para o dia 22...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.