PR: Dívida do Banestado prejudica servidores(as) estaduais pela segunda vez

Publicado em Segunda, 09 Outubro 2017 11:05

banners giro pelos estados 2

Em outubro de 2017 completam 17 anos que o Banco Banestado foi privatizado. O Banestado, que era público e foi vendido ao Banco Itaú durante a gestão Lerner, deixou uma dívida bilionária que prejudica os(as) servidores(as) públicos(as) até hoje.

Para compreender como essa dívida afeta o funcionalismo público, o economista Cid Cordeiro explica como ela foi gerada. “Em 1994, com a implantação do Plano Real, houve uma queda na inflação e também uma diminuição da rentabilidade dos bancos. Por grandes problemas de gestão, os bancos estaduais tiveram maiores dificuldades diante do novo cenário econômico do período. A inflação, antes do Plano Real, era de 84% ao mês e os bancos lucravam muito com os juros. Com a queda da inflação, veio a redução dos ganhos”, explica.

O economista explica que a má gestão do Banestado implicou em uma série de problemas. “Os bancos faziam empréstimos não com critérios técnicos e garantias reais, mas com critérios políticos. Com o banco em crise – assim como outros, em diferentes Estados brasileiros – o governo federal se propôs a assumir as dívidas do Banestado desde fosse privatizado”, conta.

Neste momento, o Banestado tinha uma dívida de R$5 bilhões gerados por empréstimos. “O governo federal emprestou o dinheiro que cobria esse furo e, então, constituiu-se uma dívida do Estado com o tesouro nacional. Essa dívida era calculada pelo Índice Geral de Preços do Mercado, o IGPM, e mais 6%. Na época, pareceu um acordo interessante por apresentar um valor menor do que financiar uma dívida no mercado financeiro. Mas, com o tempo, se tornou um custo alto por causa do seu indexador, juros e correção monetária”, avalia Cid.

Graças à condições em que o Banestado foi vendido, o Paraná se tornou protagonista de uma grande dívida. Durante o período Lerner (1995 – 2003), os(as) servidores(as) ficaram 8 anos sem reajuste salarial. “Os servidores estão sendo penalizados pela segunda vez. No momento atual, a penalização vem do governo federal que, para amenizar os caixas dos estados e dar 6 meses de carência das dívidas em 2016, exige um teto de gastos. Ou seja, no orçamento de 2018 e 2019, as despesas não podem subir acima da inflação, do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). O Estado devia 5 bilhões, já pagou 13 e ainda deve 9 bilhões por causa dos juros”, calcula.

Diante de um cenário de ataques aos(às) servidores(as) públicos(as), o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão, avalia que a má gestão pública não pode afetar a classe trabalhadora. “É inadmissível que uma dívida de quase 20 anos continue afetando os trabalhadores que movimentam o Estado. Privatizar o Banestado estava dentro de um pacote neoliberal do governo de Fernando Henrique Cardoso e isso gerou milhares de desempregos com o passar do tempo. E, além dos trabalhadores que foram demitidos pelo Banco Itaú que comprou o Banestado, hoje os servidores se vêem diante de um cenário de perda real de salários. A dívida do governo com os educadores só aumenta e isso só gera mais desgaste e sucateamento da educação pública”, destaca Hermes.

A APP-Sindicato e o Fórum das Entidades Sindicais (FES) fazem pressão na Assembleia Legislativa do Paraná para que o Projeto de Lei 556/2017 – que estabelece teto de gastos para os próximos dois anos – não seja aprovado. “O governo do Estado já deve 8,53% aos servidores(as) e, com a limitação dos gastos, essa dívida deve aumentar e chegar a um patamar de 14%”, explica Cid. “Nós estamos lutando contra uma série de ataques do governo que quer reduzir o tamanho do Estado. Privatizações, reformas trabalhista e da previdência, ataques diretos aos trabalhadores fazem parte desse cenário. Nossa luta é ampla e a categoria precisa estar unida para resistir aos ataques”, finaliza Hermes.

(APP-Sindicato, 9/10/2017)

 
 
  02/02/2018
Boletim CNTE 811
Preparação e a realização das Conferências Populares de Educação
INFORMATIVO CNTE 811  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 597: CNTE faz balanço das lutas de 2017

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
O valor que havia sido descontado pelo governo em função da paralisação de luta em março de 2017 finalmente será devolvido aos trabalhadores e trabalhadoras junto com o salário de fevereiro. Após...
Intervenção federal no Rio de Janeiro é cortina de fumaça para derrota iminente da Reforma da Previdência e se presta para, além de avançar com o golpe no Brasil, escamotear a rejeição...
O Sindicato APEOC, juntamente com a CUT e demais centrais sindicais, convoca os profissionais da Educação do Ceará para lutar contra a Reforma da Previdência proposta pelo golpista Michel Temer. Os trabalhadores de todo o...
Aumenta a adesão à greve nacional contra a reforma da Previdência que o ilegítimo e golpista Michel Temer (MDB-SP) quer aprovar a qualquer custo ainda este mês. Se for aprovada, a reforma acaba com a aposentadoria de...
O ano letivo iniciou hoje (15/2), mas a merenda não chegou nas escolas. Professores de Fonte Boa, Urucurituba, Nova Olinda, Manaquiri, Humaitá, Lábrea e Eirunepé informaram que não tem merenda nas escolas onde...
Iniciando o ano de lutas contra a retirada de direitos da classe trabalhadora, Centrais, Entidades Sindicais e Movimentos Sociais estão convocando trabalhadores e trabalhadoras para cruzarem os braços contra a Reforma da Previdência...
No dia 9 de fevereiro, a direção do SINTEGO protocolou representação no Ministério Público Estadual-MP, para solicitar que seja cobrado a realização de concurso público na rede Estadual de...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais do setor público da educação básica brasileira, torna público o seu mais...
Cerca de 670 alunos ficaram sem merenda por falta de profissionais merendeiras e também um clima de insegurança devido ao número insuficiente de vigilantes. Esta é a grave situação da Escola Estadual Profº...
Seguindo na luta em defesa de uma educação pública, gratuita e de qualidade, a APLB Sindicato participou na última terça-feira (6/2), da Jornada Pedagógica 2018, em Cruz das Almas. O evento teve como tema...
Após receber provas documentais dando conta de alunos que não foram alocados em nenhuma escola da rede pública municipal de Maceió, mesmo com os pais tendo seguido integralmente as orientações passadas pela...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) publicou, nesta semana, nota avaliando os resultados do Censo Escolar de 2017, divulgados em 31 de janeiro pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais do...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.