MT: Reforma da Previdência afetará 1,3 milhão de trabalhadores em MT

Publicado em Sexta, 01 Dezembro 2017 11:05

banners giro pelos estados 2

Mais de 49 milhões de brasileiros* (cerca de 82% dos contribuintes) serão afetados imediatamente caso a “reforma” da Previdência seja aprovada pelo Congresso. Em Mato Grosso, cerca de 1,3 milhão** de trabalhadores terão de se adequar às novas regras. A medida anunciada para tirar o Sistema Previdenciário do vermelho custará aos cofres públicos R$ 99 milhões em propaganda no horário nobre da televisão brasileira. A “reforma” vendida como algo que irá acabar com os privilégios, atinge a maioria da classe trabalhadora, reduzindo os valores pagos e aumentando o tempo de contribuição.

Entre as mudanças apresentadas pelo Governo Federal estão a elevação do tempo mínimo de contribuição para os servidores públicos se aposentarem. Atualmente, quando o trabalhador já tem a idade exigida, pode pedir aposentadoria proporcional, com 15 anos de contribuição no funcionalismo público. Caso a “reforma” da Previdência seja aprovada, o tempo mínimo de contribuição sobe para 25 anos. Além disso, o valor pago para as aposentadorias por tempo de contribuição proporcional será menor do que é atualmente.

Outra questão que o informe publicitário deixa de abordar é que para ter direito à aposentadoria integral, ou seja, receber a média dos salários da ativa, os trabalhadores e trabalhadoras terão que contribuir com a Previdência por 40 anos, independentemente da idade. Ou seja, os/as professores/as perderão o direito conquistado de receber aposentadoria especial integral com 25 anos de contribuição, mesmo tendo atingido a idade exigida. Essa regra só não atingirá as mulheres e homens que estiverem acima dos 44 anos e 45 anos, respectivamente. Para esses existirá o pedágio, que obriga a ambos os sexos a trabalharem 30% a mais, do tempo que falta para a aposentadoria.

Os servidores públicos são culpabilizados pelo déficit criado pelo Governo Federal na Previdência. Devido a isso serão penalizados duplamente, em relação a paridade (reajuste da aposentadoria igual ao salário de quem está na ativa) e integralidade (receber aposentadoria com valor igual ao último salário). Tanto a paridade como a integralidade só estarão asseguradas àqueles servidores/as empossados até 31 de dezembro de 2003. Os que vieram depois disso, caem na regra geral (cálculo da média de todos os salários).

Porém a paridade e a integralidade só estarão asseguradas para aqueles que atingirem a idade mínima, que será flutuante. Pois, a que valerá em 2018, não será a mesma dois anos depois. Haverá uma elevação da idade mínima de dois em dois anos. Quem ingressou na carreira pública após essa data, ao se aposentar, só terá o reajuste anual da inflação e a aposentadoria será baseada na média das contribuições.

Em caso de aprovação do projeto, as novas regras só não serão aplicadas aos militares (Forças Armadas, policiais militares e bombeiros militares). Para os trabalhadores rurais a idade mínima continuará a mesma (55 anos mulheres e 60 homens), porém, será obrigatória a contribuição sobre o percentual da produção por 15 anos, o que não ocorre na legislação atual.

*Cálculo baseado nos dados do último boletim estatístico da Previdência Social divulgado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP).

**Estimativa baseada nas informações do último Anuário da Previdência Social e do Portal da Transparência de Mato Grosso.

(Sintep/MT, 01/12/2017)

 
 
  20/11/2017
Boletim CNTE 806
Dia 20 de novembro é Dia da Consciência Negra: por uma escola sem racismo!
INFORMATIVO CNTE 806  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 596: Campanha "Saber Amar é Saber Respeitar" estimula o combate à violência contra a mulher

 
 

Formação escolar cidadã, democrática e plural não pode reverberar ideologias reacionárias e fascistas

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Trabalhadores em Educação da rede municipal de Presidente Kennedy realizaram protestos durante sessão na Câmara de Vereadores, na segunda-feira (11/12), contra o projeto de lei (PL N° 009 de 06/11/2017) de autoria do...
Foi divulgado pelo Governo do Estado, nesta segunda-feira, 11/12, que será enviado projeto de lei para a Assembleia Legislativa em caráter de urgência para a redução da “duzentena” (180 dias) para 40...
Reunidos em São Paulo dias 9 e 10 de dezembro na II Conferência Nacional da Frente Brasil Popular, 350 militantes oriundos de diversos espaços organizativos debateram a crise brasileira e atualizaram as tarefas políticas das...
A terceira região de Alagoas a receber a Caravana do Sinteal é a de Delmiro Gouveia. Com o objetivo de correr Alagoas e visitar todas as cidades-sedes de seus núcleos regionais, o Sinteal está realizando, desde outubro de...
De 15 a 28 de março de 2017, as/os trabalhadoras/es da rede pública estadual em educação realizaram uma justa greve por seus direitos, no início da campanha salarial da categoria. O Governo do Estado decidiu descontar...
A Secretaria Municipal de Educação (SME) não abriu mão de atacar o dimensionamento dos professores de Educação Física que atuam nas escolas integrais. Apesar da mobilização das escolas ter...
Durante assembleia na manhã na última quinta-feira (07/12), os professores e professoras da rede pública municipal de Camaçari aprovaram a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2018. Após a...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca as entidades filiadas a intensificar a mobilização contra a Reforma da Previdência, junto aos parlamentares, nos estados,...
Em cerimônia prestigiada por trabalhadores em educação, lideranças dos movimentos sociais, sindicais e autoridades políticas, tomou posse, na noite desta quinta-feira (7/12), a nova diretoria do Sintero, para o mandato...
Ao final do ano letivo, no dia 20/12, cerca de 33 mil professores da categoria O da rede pública estadual poderão ser demitidos, tendo em vista que o governo do Estado se recusa a reduzir o período de afastamento obrigatório...
Mesmo com o alto nível de adoecimento de professoras e professores em sala de aula e do reconhecimento internacional de que a profissão é desgastante e penosa, o ilegítimo e golpista Michel Temer (PMDB-SP) jogou no lixo a...
Nesta quinta-feira (7/12), o Conselho Nacional de Educação (CNE) se reuniu para votar a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Representantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.