MT: Governo Taques “corta” refeições nas escolas estaduais

Publicado em Terça, 03 Abril 2018 11:36

banners giro pelos estados 2

Educadores das escolas estaduais acusam o governo Taques de cortar a quantidade de merenda ofertada nas escolas públicas, colocando em risco a alimentação escolar dos mais de 350 mil estudantes matriculados no estado. A denúncia feita pela subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), em Várzea Grande, parte de gestores e dos técnicos da alimentação escolar (antigas merendeiras), que registram cortes na aquisição de produtos alimentares e redução dos recursos para o atendimento dos alunos matriculados, em 2018.

Para o Sintep esse é mais um golpe na gestão democrática das escolas. A secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) passa a definir unilateralmente quais os cardápios devem ser oferecidos e a quantidade de comida que pode ser comprada. O resultado são situações como a que relata uma técnica de alimentação escolar na Várzea Grande, que prefere não se identificar. “A escola que atuo tem cerca de 400 alunos por turno e a maioria faz as refeições. Dos oito quilos de arroz que comprávamos por semana, a Seduc cortou para cinco”.

Segundo a secretária de Formação Sindical da subsede de Várzea Grande, Vânia Maria Rodrigues Miranda, no Ceja Licínio Monteiro, também na VG, até o vinagre utilizado para a higienizar verduras foi cortado. “Das duas embalagens que usavam por semana, agora terão direito a cinco para o ano”, diz.

Vânia que acompanha a Câmara de Alimentação Escolar de Várzea Grande, destaca que o corte da merenda é resultado da falta de compromisso do governo Taques com a Educação. “O governo federal faz dez repasses anuais para a merenda, por volta do dia 5 de cada mês. A Seduc deveria fazer e não faz, o mesmo número de complementações. Além disso, demora cerca de 20 dias com o dinheiro em caixa, antes de repassar para escolas”, revela.

A vice-presidente do Sintep/VG, Leiliane Cristina Borges, que é professora da rede estadual, não se conforma com a falta de comunicação interna da Seduc. Todo os anos, segundo ela, as escolas são obrigadas a repassar o número de alunos para que ocorra a complementação dos recursos, já que o dinheiro federal chega com base nas matrículas do ano anterior. “Esses valores são atualizados só no segundo semestre, e não são retroativos, ou seja, o gasto anterior não é reposto, nem mesmo pela Seduc. E mais, se é Seduc que controla o número de matrículas de cada escola, como eles não têm a informação”, questiona a incoerência.

O descaso do governo exige que a gestão da escola faça malabarismos para garantir o direito dos estudantes. Quando não é possível, o aluno acaba prejudicado, ficam sem alimentos ou sem aula. A falta da comida faz com que os gestores dispense as turmas mais cedo, como ocorreu em Várzea Grande no início do ano. “Fevereiro iniciaram as aulas, mas os recursos chegam em março e o governo do Taques não faz complementação”, argumenta Leiliane.

Para Anadelma Borges, também da direção do Sintep/VG, que acompanha o Conselho de Alimentação Escolar, o atraso dos repasses vem provocando transtornos nas escolas, porque sem dinheiro os gestores são obrigados a comprar “fiado”, o que provoca um aumento de nos custos. "A situação se agravou no governo Pedro Taques quando se instalou na Seduc uma prática de não enviar o último repasse para as escolas. Com a história de enviar no outro ano, o governo tem “economizado” as custas dos estudantes", afirma.

(Sintep/MT, 03/04/2018)

 
 
  12/04/2019
Boletim CNTE 832
Início dos encontros dos coletivos da CNTE
INFORMATIVO CNTE 832  
 
 
Heleno Araújo participa de palestra sobre a reforma da Previdência em Pernambuco
 
 

Programa 611 - Lançamento da 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública

 
 

Novo ministro da Educação, Abrahan Weintraub, indica o aprofundamento das políticas de mercantilização e privatização da educação no país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Preocupado com a saúde dos profissionais da educação, o Sinteal esteve na secretaria municipal de saúde de Maceió, no dia 11 de abril, para falar sobre a campanha de vacinação contra o vírus...
Os professores da rede municipal de Educação de Riachinho estão em greve por tempo indeterminado desde o dia 8 de abril. A decisão foi tomada pela categoria em assembleia geral, no dia 28 de março. O movimento...
O dia 15 de abril de 2019 marcou o início da greve da Educação no Estado do Amazonas. Os/as trabalhadores/as em educação do Estado, representados pelo SINTEAM, deflagraram o movimento grevista da categoria com uma...
O Sintero recebeu respostas de diversas reivindicações dos trabalhadores em educação, através do ofício nº4533/2019, expedido pela Secretaria de Educação do Estado de Rondônia (Seduc),...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos/as profissionais da educação básica do setor público brasileiro, repudia a atitude da...
Presidente da CNTE, Heleno Araújo, contribui com o ensaio “A Educação Cidadão ao golpe de 2016”, no livro A Constituição Traída que terá lançamento nacional em Recife -...
O Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Maceió obteve importante vitória na última sexta-feira (12), após a inédita reunião com a presença do prefeito da capital, Rui Palmeira, e que...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso renova a representação dentro do Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso (CEE-MT) para a gestão 2019-2023. A nova composição,...
O governo de Jair Bolsonaro (PSL) enviou ao Congresso Nacional um Projeto de Lei (PL) que regulamenta o ensino domiciliar. O PL faz parte das metas dos 100 dias de governo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos...
As atividades de mobilização do Dia em Defesa dos Precatórios do FUNDEF para os profissionais do Magistério prosseguiram na tarde de quinta-feira (11). O Sindeducação e o Sinproesemma promoveram um debate, com...
Após uma longa e tensa audiência com o secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, a direção central do CPERS saiu do Piratini no final da tarde de sexta-feira (12/4) com o compromisso de uma mesa de...
Os educadores da Rede Pública Municipal de São Luís decidiram paralisar as atividades no próximo dia 30 de Abril, contra a política de arrocho salarial implementada pelo Governo Edivaldo Holanda Júnior, que...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.