SP: Uma vitória importante contra a farsa da “escola sem partido”

Publicado em Quarta, 12 Dezembro 2018 14:32

banners giro pelos estados 2

Professora Bebel
Presidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de SP)
Deputada Estadual eleita

O arquivamento da tramitação do projeto da “escola sem partido” na comissão especial da Câmara dos Deputados na terça-feira, 11 de dezembro, representa uma vitória importantíssima do movimento em defesa da liberdade de ensinar e aprender, a pluralidade de ideias e concepções pedagógicas e qualidade da educação no Brasil, mas não podemos baixar a guarda.

Em 2019, com uma nova composição na Câmara dos Deputados, ainda mais conservadora, e com apoio do próprio governo de Jair Bolsonaro, esse projeto voltará à pauta, mas terá que iniciar novamente sua tramitação. Isto significa que nossa mobilização não pode parar e que devemos continuar nos estruturando para enfrentar esse ataque, dialogando com as comunidades escolares e com toda a sociedade.

A APEOESP está nessa luta

A APEOESP foi uma das primeiras entidades a se manifestar contra a farsa da “escola sem partido”, tão logo esse movimento ganhou maior espaço na mídia e nas casas legislativas, a partir do golpe que tirou do governo a presidente Dilma Rousseff, em 2016.

Nosso Sindicato convidou outras entidades e movimentos para a realização de um debate sobre o tema e em seguida realizamos um ato público na Praça da República contra os diversos projetos que então tramitavam no Congresso Nacional, em Assembleias Legislativas (como em São Paulo) e Câmaras Municipais. Lançamos de imediato um adesivo “pela pluralidade de ideias e concepções pedagógicas – Cala a boca, não!” e materiais para que a categoria pudesse conversar com os estudantes e suas famílias.

Em 2017, realizamos uma webconferência sobre o tema e, em todas as cidades nas quais foi apresentado esse tipo de projeto, entre elas Campinas, São Paulo, Tatuí, Ribeirão Preto, Santos, Suzano, Araraquara, São José do Rio Preto e outras, as subsedes da APEOESP lideraram mobilizações contrárias, em conjunto com outras entidades e movimentos.

Na maioria delas conseguimos o arquivamento ou congelamento da tramitação, pois esses projetos são totalmente inconsistentes e nada tem a ver com a educação que a sociedade deseja.

No dia 7 de dezembro, a APEOESP lançou o manual de defesa contra a censura e o assédio nas escolas e vem participando de outras iniciativas no mesmo sentido.

Não ao pensamento único

Por trás do senso comum de que uma escola não deve ser liderada ou voltada à defesa de partidos políticos, com o que todos concordamos, o que se quer, na verdade, é impedir que professores possam ministrar suas aulas com liberdade, debatendo com seus estudantes os diferentes aspectos dos conteúdos e fatos a serem ensinados. O que se quer, afinal, é que prevaleça apenas o ponto de vista de quem comanda o sistema educacional e isso é a imposição de uma visão única da realidade. Portanto, é a imposição de uma escola de um único partido.

Nossos estudantes não são todos ingênuos e suscetíveis a uma pretensa “doutrinação”. Hoje, os jovens têm acesso a muita informação, discutem e contestam a visão dos professores. Isto faz parte da sua formação. Eles têm suas próprias visões de mundo e se absorvem e seguem ensinamentos de seus professores, o fazem porque assim desejam.

Quando fazem seus movimentos, como as ocupações das escolas contra a “reorganização escolar” de Alckmin ou a reforma do ensino médio de Temer, o fazem de forma consciente para defender suas escolas contra políticas das quais discordam. Deveriam ser valorizados por essa atitude e jamais perseguidos e calados, como pretendem os partidários da “escola sem partido”.

Nós da APEOESP continuamos atentos e não nos desmobilizaremos até que esse movimento autoritário e estapafúrdio, que pretende calar a voz dos professores e dos estudantes, esteja totalmente derrotado. A vitória desta terça na Câmara dos Deputados foi um importante passo neste sentido.

Ante-projeto de lei

Ao mesmo tempo, na qualidade de Deputada Estadual eleita, já divulguei o texto de um anteprojeto de lei que pretendo apresentar tão logo assuma a cadeira na Assembleia Legislativa de São Paulo para garantir “o direito à liberdade de expressão e de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber a todos os professores, estudantes e servidores da Educação da rede pública estadual paulista” e também “a pluralidade de ideias e concepções pedagógicas” nas escolas do estado de São Paulo”, coibindo-se o cerceamento de opiniões mediante coação ou violência, bem como o assédio aos profissionais da Educação e estudantes em virtude de opinião.
Vamos continuar juntos nessa luta em defesa da liberdade.

(APEOESP, 12/12/2018)

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Carta aberta aos(às) trabalhadores(as) em educação e à sociedade sobre os retrocessos na agenda social do país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Evento é voltado para a diversão dos(as) profissionais em educação, que estejam aposentados(as), filiados aos Sindicatos Um dia de lazer e descontração é o que promete ser o 1º Encontro Estadual de...
A campanha salarial da rede municipal de Maceió já começou. Com data base em janeiro, o Movimento Unificado de Servidores Públicos Municipais manteve a unidade iniciada em 2017, realizou a 1ª assembleia do ano, nesta...
Professoras e professores buscaram a direção do SINTESE para denunciar que a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC quer fechar seis escolas estaduais localizadas em Aracaju. São elas:...
Os membros do Conselho Geral do Sinte-PI realizaram a primeira reunião de 2019 na última terça-feira (15) para discutir pontos importantes para organização da categoria neste início de ano, como o reajuste dos...
Decisão foi votada em assembleia nesta quarta, 16, em protesto pelo cumprimento das reivindicações dos profissionais da Educação Os trabalhadores em educação da rede municipal de Guaraí decidiram...
Com o tema “Uma construção coletiva: a resistência do magistério público à BNCC e padronização curricular” o SINTESE realiza dia 01 de fevereiro, das 8h às 16h, no auditório...
Desde o dia 1º de janeiro, o piso salarial do Magistério válido para todos os docentes do país é de R$ 2.557,74. Isso representa um reajuste de 4,17% frente aos R$ 2.455,00 em 2018. O valor corresponde ao vencimento...
Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar...
Além de toda a luta coletiva que a rede estadual tem feito, o Sind-UTE/MG tem travado uma luta para que o Judiciário cumpra seu papel na garantia de direitos para os servidores e servidoras da educação. Até o mês...
O ano letivo na rede estadual de ensino de São Paulo se iniciará sob a égide de um novo governo, com problemas acumulados ao longo de anos e uma nova situação que poderá agravar ainda mais a falta de professores...
Como parte da Campanha Mundial contra a Privatização e o Comércio da Educação, a CNTE convida sindicatos filitados a participarem da apresentação do estudo sobre este tema realizado pela Internacional da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), ao repercutir a escala de pagamento anunciada pelo governo do Estado, nesta terça-feira (8/1/19) faz as seguintes considerações: O...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.