MT: Sintep/MT repudia atraso de salários, calote da RGA e parcelamento do 13º

Publicado em Segunda, 07 Janeiro 2019 17:25

O Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) expressa de forma veemente o REPÚDIO, ao governo do estado de Mato Grosso, que tomou posse no dia 01 de janeiro de 2019, Mauro Mendes. Já nos primeiros dias demonstra qual será a MARCA DO SEU GOVERNO.

Dá indícios que as marcas serão focadas nas retiradas de direitos dos/as servidores/as público do estado. Evidenciando, que o juramento de cumprir a Constituição Federal e do Estado de Mato Grosso é um engodo porque já anunciou aos meios de comunicação as políticas de atrasos de salários, parcelamento do 13º salário e antes mesmo de ser governador o CALOTE DA RGA dos servidores.

A LEGISLAÇÃO determina que o 13º deve ser pago até o dia 20 de dezembro. No entanto, em 2018, os servidores amargaram mais um duro golpe do ex-governador Pedro Taques que não pagou o funcionalismo público e deixou essa dívida para o novo governador. A notícia de pagamento parcelado do que está atrasado e ainda de que o 13º de 2019, só será pago em dezembro traz o questionamento: Poderemos aguardar e nos preparar para o calote do décimo em dezembro de 2019?

Ao assumir o Estado todo governo também deve assumir as responsabilidades de seu antecessor. Vale ressaltar, que o grupo que esteve no palanque de Mauro Mendes, a maioria, esteve na base de sustentação de Pedro Taques. Portanto, não estamos falando de um grupo novo. Mas, de um grupo que já esteve direto e indiretamente no comando desse estado nos últimos quatro anos.

A falta de pagamento do 13º salário atinge os/as Profissionais da Educação contratados/as, que tiveram o vínculo encerrado em dezembro/2018 e os aniversariantes de novembro e dezembro. Isso sem falar do residual devido do vergonhoso parcelamento da RGA (Revisão Geral Anual) dos/as servidores/as do Executivo, já que os demais poderes tiveram esse direito cumprido.

O desmonte do Estado continua com a negação da RGA de 2017 e que o governador Mauro Mendes, antes mesmo de tomar posse bateu às portas do TCE/MT para que órgão autorizasse o calote de 2018 e demais anos consecutivos.

Nós não temos dúvidas que as posições do TCE-MT são políticas e com claro desvio de finalidade do órgão. Não é a primeira vez que o TCE-MT faz lambança para “autorizar” os gestores a não cumprirem preceitos legais e constitucionais.

A Educação já sofreu as consequências das lambanças do TCE-MT a exemplo do IRRF que por muitos anos não foi aplicado na manutenção e desenvolvimento do ensino. Há subversão dos preceitos constitucionais pelo órgão que é exclusivamente de contas e que, em Mato Grosso, assume papel de executivo, legislativo e judiciário numa afronta total entre competência e atuação.

A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO, . e a qual Mauro Mendes jurou cumprir, não deve ter sido lida pelo atual chefe do poder Executivo, no que trata da remuneração do servidores, em especial:

Art. 147 A revisão geral da remuneração dos servidores públicos, sem distinção de índices, entre servidores públicos civis e militares, far-se-á sempre na mesma data.

§ 2º O pagamento da remuneração dos servidores públicos civis e militares dar--se-á até o dia dez do mês seguinte ao que se refere.

Portanto, a notícia veiculada pelo governo nos meios de comunicação não encontra respaldo na legislação e depõem contra as promessas de campanha a qual assegurava que estaria pagando os servidores dentro do mês.

Entretanto, e como medida imediata, resolve atrasar os salários dos servidores. Além do mais, o meio eleito para comunicar-se com o servidores são as mídias ligadas ao executivo e não o diálogo com os sindicatos representantes dos servidores, como fazia o governo anterior.

Recentemente, o SINTEP/MT solicitou audiência com a secretária de Educação, para tratar das questões relativas à Educação, como a garantia do início do ano letivo de 2019, garantia da manutenção da política da dobra do poder de compra (LC 510/2013), entre outras pautas e apesar da insistência, até o presente momento, não se tem uma resposta do governo.

Desta forma REPUDIAMOS o anúncio, pelos meios de comunicação, em não pagar o 13º salários, do atraso de salários de dezembro/2018, não pagamento da RGA de 2017 e o prenúncio de calote dos anos seguintes.

Afirmamos que a ação do governo em não dialogar com os sindicatos é um prenúncio de que não tem compromisso algum com o serviço público. Ao deixar de ouvir os/as servidores/as, através de seus sindicatos ou associações compromete a continuidade e qualidade dos e nos serviços público que a população de Mato Grosso tanto necessita.

A atitude de Mauro Mendes é uma continuidade das ações de Pedro Taques, portanto, não se trata de um governo novo e administração nova. Será marca e prática desse grupo transferir a ingerência do Estado para os/as servidores público?

Por outro lado, se amplia as benesses para setores privilegiados do estado, como é o caso do agronegócio. Assim como políticas permanentes de renúncias e isenções fiscais, que não respeitam princípios estabelecidos no parágrafo 3.º do art. 245 da Constituição Estadual, de resguardar os recursos para investimento na educação;

Transferir para os/as servidores/as e penaliza-los pela politicagem nefasta e balcão de negócios que dominam os governos desse estado é irresponsabilidade.

O SINTEP/MT têm preocupação com o comprometimento do início do ano letivo de 2019 e faremos com toda tranquilidade o debate do modelo de desenvolvimento econômico de Mato Grosso que penaliza os/as servidores/as.

Mesmo tendo à Educação recursos exclusivos, essa tem sido penalizada com a falta de transparência dos recursos do estado devido a tal conta única que deixa a Educação à reboque das secretarias de GESTÃO e SEFAZ para tocar as políticas públicas de Educação.

REAFIRMAMOS que não aceitaremos atrasos de salários, parcelamento de 13º salários, calote RGA e descumprimento da LC 510/2013 (lei da dobra do poder de compras). Tais atitudes são traduzidas aos/as educadores/as (servidores/as públicos) como prejuízos irreparáveis, especialmente, se considerarmos as condições de contratos temporários que há na Educação. Negar os direitos dos servidores afeta as economias locais e coloca Mato Grosso nas condições de mais de 20 anos atrás na história superada dos retrocessos com governos marcados e conhecidos pelos atrasos de salários. Apesar que estes retornaram aos cargos e estão juntos com o governo de Mauro Mendes.

Esperamos que o governo de continuidade de Pedro Taques saiba que tal prenúncio no governo anterior resultou na maior greve da história de Mato Grosso e que encaminharemos as deliberações que forem da categoria que atentem contra os direitos históricos dos/as Educadores/as.

(Sintep/MT, 05/01/2019)

 
 
  22/03/2019
Boletim CNTE 829
 
INFORMATIVO CNTE 829  
 
 
Heleno Araújo participa de palestra sobre a reforma da Previdência em Pernambuco
 
 

Programa 610 - CNTE participa de lançamento de frente contra a Reforma da Previdência

 
 

Toda solidariedade ao Sindserum e a sua presidenta

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
O SINTEPP participou nesta sexta-feira, 22, da PARALISAÇÃO NACIONAL convocada pelas centrais sindicais. A data, aprovada na assembleia geral de 12.03, representou o Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência, contra a MP 873...
Diante do desmonte da Previdência proposto pelo Governo Bolsonaro, através da PEC 06/2019, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município de Correntina – SINDTEC, em parceria com o Sindicato dos...
Tocantins também terá manifestações a Favor da Aposentadoria e da Previdência Social nesta sexta (22). Em Palmas, Centrais Sindicais organizam ato às 8h, em frente ao INSS. Confira agenda com locais e...
O líder indígena costarriquenho Sergio Rojas Ortiz, coordenador Frente Nacional de Povos Indígenas (Frenapi) da Costa Rica foi assassinado alvejado a tiros em sua casa na comunidade indígena de Salitre, um dos...
Os sindicatos de Rondônia promoverão no dia 22 de março, sexta-feira, o Dia de Luta em Defesa da Previdência, conforme convocação nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em...
Reunidos nesta quarta-feira (20/3), deputados e senadores de oposição lançaram a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social, na Câmara dos Deputados. Representantes de centrais sindicais,...
O Sintero reuniu milhares de pessoas durante ato público contra o feminicídio e em defesa dos direitos das mulheres, nesta terça-feira (19/03). Na ocasião, houve uma caminhada pelas ruas do centro de Porto Velho e foi...
O SINTE-PI realizou nesta segunda-feira (18) uma manifestação no Pátio da Secretária de Educação e Cultura do Estado (SEDUC-PI). Os servidores da educação reivindicam a valorização...
No aniversário de 40 anos do Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF), completados na última quinta-feira (14), a entidade não poderia ter ganho presente melhor: o reconhecimento da luta sindical. A sessão...
Nesta terça-feira (19/3), o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, participou de audiência sobre Proposta de Emenda à Constituição...
A Direção do Sintero, representada pela presidente Lionilda Simão e pelo secretário de Finanças, Manoel Rodrigues da Silva, participou de audiências em Brasília, na terça-feira (12/03), com o...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca todos os trabalhadores em educação para integrarem as mobilizações contra a reforma da previdência, marcada para o dia 22...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.