MA: Professores da Rede Municipal vão paralisar as atividades no dia 30 de Abril

Publicado em Segunda, 15 Abril 2019 11:34

2019 04 15 giro sindeducacao

Os educadores da Rede Pública Municipal de São Luís decidiram paralisar as atividades no próximo dia 30 de Abril, contra a política de arrocho salarial implementada pelo Governo Edivaldo Holanda Júnior, que não dialoga com a categoria, e não repassa os 4.17% de reajuste do Piso Nacional da categoria. Os educadores exigem, também, a reestruturação das escolas municipais, com espaços adequados para desenvolvimento do ensino-aprendizagem; material didático para todas as escolas; e a convocação de todos os aprovados no último concurso público. A decisão foi aprovada em Assembleia Geral, realizada pelo Sindeducação no auditório da Associação Comercial do Maranhão, no dia 6 de abril.

Os educadores estão há três anos sem reajuste salarial, e acumulam perdas de 17,46% no período de 2013 à 2018. A presidente do Sindeducação, professora Elisabeth Castelo Branco, iniciou a assembleia com uma análise da conjuntura política nacional e local. Falou dos perigos da proposta de Reforma da Previdência apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro, e dos projetos de lei que tramitam na Câmara dos Deputados, em Brasília, contra a Educação Pública e seus profissionais.

Em seguida a professora Nathália Karoline, dirigente sindical, fez leitura do documento enviado pelo Comitê Gestor Financeiro da Prefeitura de São Luís, que nega a possibilidade de reajuste para os professores. “Na verdade, o Comitê acessou a pasta de Ofícios 2018, e retirou de lá o modelo da resposta dada aos educadores da Capital no ano passado, para justificar que não vai negociar qualquer tipo de pauta financeira com os professores da Rede Pública municipal”, complementou a sindicalista após leitura do documento.

“Assim, o cenário econômico nacional ainda se configura de forma negativa, evidenciando uma crise que tem como resultado um baixo índice de arrecadação, por parte das administrações públicas federais, estaduais e municipais, o que limita os gastos e força uma administração muito mais contida e direcionada com seus recursos escassos”, alega José Cursino, secretário de Planejamento do município.

A Prefeitura ainda sustenta, que gasta todo o recurso do FUNDEB (60%), sendo esse recurso já comprometido, onde os itens principais são despesa com pessoal e encargos do Magistério. “O Brasil passa por um período de incertezas econômicas, as quais são noticiadas diariamente nos veículos de comunicação, e isso pesa fortemente nas relações da arrecadação do Município, e nas transferências legais feitas pelo Estado e pela União, e podem afetar o resultado da realização da receita municipal”, afirmou.

Para a diretoria do Sindeducação, os argumentos da prefeitura são contraditórios, pois a Lei Orçamentária Anual – LOA prevê um percentual mínimo de reajuste para os servidores municipais, fato ignorado pelo Comitê Gestor Financeiro. “A LOA é bem clara nesse ponto, até porque há que se prever que o município tenha capacidade de uma projeção econômica e uma melhora na sua capacidade financeira”, frisa a presidente do Sindeducação, professora Elisabeth Castelo Branco.

CRÍTICA – Para os educadores presentes à assembleia, a resposta/desculpa da Prefeitura por meio do Comitê Gestor, reflete o descompromisso do prefeito da Capital com a Educação. O sindicato ressalta que, apesar do discurso oficial, é notório que a arrecadação do município cresceu entre os anos de 2017 e 2018, mas a administração trabalha com o discurso de “terra arrasada”.

“O repasse do FUNDEB, por exemplo, também cresceu 7,3% no 1º Trimestre de 2019, se comparados ao mesmo período de 2018”, comenta a presidente do sindicato.

“A postura do Comitê Gestor Financeiro, um tanto desrespeitosa com a categoria, é sem dúvida nossa maior crítica, pois não se deram ao trabalho de, pelo menos, marcar uma única reunião para apresentar as planilhas orçamentárias e ouvir a defesa do reajuste pelos educadores”, comentou a dirigente Nathália Karoline.

RESPOSTA SUPERFICIAL – Na análise sindical, a resposta do Comitê é vazia, sem argumentos sustentáveis. Ao contrário desse ano, em 2018 apresentaram dados descritivos da própria Secretaria de Administração – SEMAD, em relação ao pagamento de direitos e vantagens (Direitos Estatutários); da projeção da inclusão dos novos concursados; entretanto, o Ministério Público Estadual (MPE) precisou mover ação para os concursados fossem chamados (o que ainda não aconteceu em sua totalidade), e o pagamento dos direitos estatutários, prometidos à época, estão em atraso desde julho do ano passado (Progressões Horizontais).

“Querem utilizar a mesma justifica de 2017 e 2018 para não cumprir o pagamento do reajuste da categoria, ou seja, prometer novamente os pagamentos de direitos e vantagens e encargos. Essa novela a categoria já viu e não quer “Vale a Pena Ver de Novo”, por isso, vai às ruas cobrar do Prefeito que cumpra seu dever”, finalizou a presidente do Sindeducação.

– AGENDA DE MOBILIZAÇÃO:

30 de Abril: Dia de Luta em defesa da Educação Pública Municipal e de Valorização e direitos da Categoria;

15 de Maio: Assembleia e Paralisação Nacional de acordo com a agenda nacional.

(Sindeducação, 15/04/2019)

 
 
  12/04/2019
Boletim CNTE 832
Início dos encontros dos coletivos da CNTE
INFORMATIVO CNTE 832  
 
 
Heleno Araújo participa de palestra sobre a reforma da Previdência em Pernambuco
 
 

Programa 611 - Lançamento da 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública

 
 

Novo ministro da Educação, Abrahan Weintraub, indica o aprofundamento das políticas de mercantilização e privatização da educação no país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Preocupado com a saúde dos profissionais da educação, o Sinteal esteve na secretaria municipal de saúde de Maceió, no dia 11 de abril, para falar sobre a campanha de vacinação contra o vírus...
Os professores da rede municipal de Educação de Riachinho estão em greve por tempo indeterminado desde o dia 8 de abril. A decisão foi tomada pela categoria em assembleia geral, no dia 28 de março. O movimento...
O dia 15 de abril de 2019 marcou o início da greve da Educação no Estado do Amazonas. Os/as trabalhadores/as em educação do Estado, representados pelo SINTEAM, deflagraram o movimento grevista da categoria com uma...
O Sintero recebeu respostas de diversas reivindicações dos trabalhadores em educação, através do ofício nº4533/2019, expedido pela Secretaria de Educação do Estado de Rondônia (Seduc),...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos/as profissionais da educação básica do setor público brasileiro, repudia a atitude da...
Presidente da CNTE, Heleno Araújo, contribui com o ensaio “A Educação Cidadão ao golpe de 2016”, no livro A Constituição Traída que terá lançamento nacional em Recife -...
O Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Maceió obteve importante vitória na última sexta-feira (12), após a inédita reunião com a presença do prefeito da capital, Rui Palmeira, e que...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso renova a representação dentro do Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso (CEE-MT) para a gestão 2019-2023. A nova composição,...
O governo de Jair Bolsonaro (PSL) enviou ao Congresso Nacional um Projeto de Lei (PL) que regulamenta o ensino domiciliar. O PL faz parte das metas dos 100 dias de governo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos...
As atividades de mobilização do Dia em Defesa dos Precatórios do FUNDEF para os profissionais do Magistério prosseguiram na tarde de quinta-feira (11). O Sindeducação e o Sinproesemma promoveram um debate, com...
Após uma longa e tensa audiência com o secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, a direção central do CPERS saiu do Piratini no final da tarde de sexta-feira (12/4) com o compromisso de uma mesa de...
Os educadores da Rede Pública Municipal de São Luís decidiram paralisar as atividades no próximo dia 30 de Abril, contra a política de arrocho salarial implementada pelo Governo Edivaldo Holanda Júnior, que...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.