Bolívia revoluciona a educação para o desenvolvimento do país

Publicado em Sábado, 30 Setembro 2017 12:20

WhatsApp Image 2017 09 30 at 10.09.59

A educação como direito fundamental, como função suprema e a primeira responsabilidade financeira do Estado. É assim que o governo de Evo Morales está promovendo a revolução educacional na Bolívia, desde que assumiu o país em 2006. Essa priorização já é responsável pela erradicação do analfabetismo no país e um índice de abandono escolar na casa dos 2% no último ano, resistindo à política privativista do ensino que invade a América Latina.

O modelo educacional de sucesso boliviano foi apresentado pelo o coordenador nacional do Profocom (Programa de Formação Complementar para Atores do Sistema Educativo Plurinacional do Ministério da Educação da Bolívia), Armando Terrazaz Calderón, na tarde dessa sexta-feira, 29, no Encontro do Movimento Pedagógico Latino-Americano Paulo Freire, que acontece no auditório do Sintero, em Porto Velho (RO).

Com o tema “Educação Pública: Democracia e Resistência e o modelo Educacional Boliviano”, Armando Terrazaz fez um brilhante relato histórico sobre seu país e a revolução ocorrida após a posse do presidente Evo Morales, que tem como finalidade o desenvolvimento social e econômico da Bolívia, respeitando todos os povos e sua diversidade.

Por mais de duas horas, a plenária ficou atenta à palestra do representante do Ministério da Educação do país vizinho, que teve tradução simultânea para facilitar o entendimento e possibilitar a participação de todos. Armando Terrazaz expôs detalhadamente as medidas implantadas que levou a Bolívia a erradicar o analfabetismo, dentre outras melhorias substanciais no quadro da educação pública.

A grande virada nas políticas da educação na Bolívia, conforme Terrazaz, aconteceu em razão da vontade de o presidente Evo Morales em dar prioridade ao ensino no país. “O presidente sempre expressou que a educação é um direito dos povos. A ordem é onde houver uma criança haverá uma escola”, explicou ele.
Segundo o coordenador boliviano, a educação é um direito de todos sem discriminação e sem exclusão; é intracultural, intercultural, plurilíngue, produtiva, descolonizadora, científica técnica e tecnológica, além de ser obrigatória, pública e gratuita até o nível superior. “A educação deve ser igual para todos e ser integradora, permitindo que o país se desenvolva como um todo”, destacou.

A revolução iniciou a partir da aprovação da Lei 070, Avelino Siñani – Elizardo Pérez, no Parlamento, em 2010. Ele enfatizou que a lei não teve dificuldade de ser aprovada na Casa Legislativa, uma vez que o governo promoveu o debate com toda a sociedade, todos os sindicatos dos trabalhadores da educação e o movimento dos estudantes. “Um governo que saiu das organizações sociais não pode deixar de reconhecer um sindicato e a organização sindical tem de atuar para que a educação melhore”, acrescentou o representante boliviano.

Conforme Terrazaz, Morales teve a preocupação de construir um novo Estado Plurinacional, respeitando a memória, a história, a ciência, os saberes e os conhecimentos dos povos e nações, considerando as diversas realidades de sua população de pouco mais de 10 milhões de habitantes, que somam 36 povos e nações indígenas originários do campo e as diversas línguas.

A construção da nova educação transformou o modelo singular para o plural. O Estado-Nação passou ao Estado Plurinacional, que deixou de pensar na economia para as economias; da Justiça para a pluralidade jurídica; de uma língua oficial para a pluralidade linguística do Estado; de uma educação para as educações, que atendessem a todos e todas. Passou de um currículo único para os currículos; da qualidade para as diversas formas de qualidade educacional. “É uma construção continua, participativa, coletiva, democrática, comunitária e social, acumulando resistências sociais e populares contra a colônia, o império e o neoliberalismo”, afirmou Terrazaz.

WhatsApp Image 2017 09 30 at 10.09.50Dentre os desafios, o coordenador da Profocom destacou as políticas do Estado para o acesso, a permanência e a qualidade do ensino com igualdade de condições e oportunidades. Dessa forma, a preocupação foi atrair desde a educação infantil às diversas formas educacionais alternativas para os adultos e a educação popular permanente para os trabalhadores.

Foi dessa forma que a Bolívia conseguiu erradicar o analfabetismo no país, reduzindo em 16 anos a taxa de 13,3%, em 2001, para 2,7%, neste ano. A partir de 2006 foram construídos, ampliados, reformados e equipados mais de 3 mil estabelecimentos educativos e atualmente já somam 16.077 escolas, com condições de oferecer uma educação produtiva, técnica, tecnológica e científica.

Para esse sucesso, o governo dobrou os investimentos na educação pública nos últimos dez anos. O percentual do PIB passou de 4,5%, em 2005, para 9%, no ano passado. Conforme os dados apresentados por Armando Terrazaz, isso significou um crescimento de mais de 236% nos investimentos na educação em dez anos. Em 2006, eram aplicados o equivalente a R$ 3 bilhões, e em 2016, esse valor passou para R$ 10,3 bilhões no ensino público. No Brasil, a luta do movimento é para chegar a 7% do PIB. O PNE (Plano Nacional da Educação), determina que os investimentos na educação cheguem a 10% do Produto Interno Bruto até 2024.

Neste modelo educacional, a valorização dos professores e a formação profissional também receberam prioridades. Terrazaz destacou que a participação dos sindicatos é essencial neste processo. Em 2000, 25% dos professores eram temporários, em 2016, este índice chegou a 1,7%. O governo investiu na carreira dos trabalhadores em educação.

Outro diferencial do modelo boliviano está exatamente na criação de um projeto político de Estado, que não segue a padrões determinados pelos organismos internacionais dos Estados Unidos e Europa. Terrazaz comentou ainda que antes de Morales, para dar um aumento aos professores, o governo tinha de ir aos EUA saber se haveria condições financeiras para assegurar a melhoria. “Agora não acontece mais isso, o governo tem autonomia para oferecer melhor salário sem ter de pedir para outro país”, observou ele, acrescentando, “queremos que a educação seja o pilar fundamental para o desenvolvimento de nosso país.”

Veja mais fotos do evento na página oficial da CNTE no Facebook.

 
 
  19/06/2018
Boletim CNTE 815
Instituto divulga relatório sobre o PNE e os resultados tendem a piorar
INFORMATIVO CNTE 815  
 
 
Heleno Araújo conclama categoria para apoiar greve dos eletricitários
 
 

Programa 602: Heleno Araújo participa de audiência pública no senado sobre violência nas escolas

 
 

Nota Pública: Lei da Mordaça (“Escola Sem Partido”) é inconstitucional, antidemocrática e antipedagógica

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
A APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo), através de seu secretário-geral, professor Leandro de Oliveira, está no Japão, participando de um intercâmbio de sindicalistas da...
Por *Denor Ramos A ausência de placa no portão de entrada e duas faixas fixadas pelo grêmio estudantil nas grades sobre o muro trazendo as frases “Governador, reforma urgente! 10 anos de espera” e “O governo...
Por Helenir Aguiar Schürer (*) Nesta semana, São Lourenço do Sul se tornou a primeira cidade gaúcha a aprovar a Lei da Mordaça, com a roupagem de “Escola Sem Partido”. Caso o Executivo sancione a censura em...
Uma das principais bandeiras do governo Michel Temer, o novo teto para gastos públicos – instituído pela Emenda Constitucional 95, de dezembro de 2016 – é alvo de um “pacote” de sete ações de...
Em assembleia realizada pelo Sinteal nesta quarta-feira (18), trabalhadoras/es da educação da rede municipal de Maribondo decidiram recusar a proposta de reajuste apresentada pela prefeitura, a categoria reivindica que a proposta respeite...
O sétimo dia de greve dos trabalhadores em educação da rede municipal (17/07) começou vitorioso com uma assembleia bastante concorrida e participativa, onde a categoria avaliou a greve, dando destaque ao descaso do Executivo...
Em uma data histórica para a luta sindical em Alagoas, os/as servidores/as públicos/as municipais de Maceió, organizados por suas entidades (Sinteal, SindPrev, SindsPref, Saseal, entre outras; apoiadas pela CUT/AL), realizaram, na...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE, entidade representativa de mais de 4 milhões de trabalhadores das escolas públicas brasileiras, vem a público REPUDIAR a...
Representado por diretores/as da executiva estadual, o Sinteal participou, na manhã desta segunda-feira (16), de ato público em favor da garantia da destinação dos 60% (sessenta por cento) dos recursos dos precatórios...
A formatura de 74 novos professores do estado de Guerrero, no México, em 13 de julho, não estava completa. Faltavam os 43 estudantes da Escola Normal Rural Raul Isidro Burgos, desaparecidos em 26 de setembro de 2014. O nome de cada um foi...
Na última sexta, dia 13, comemoramos, em Assembleia festiva, uma série de avanços conquistados nas negociações da pauta reivindicatória 2018 (7% de aumento, a equiparação do auxiliar de classe com...
Nesta segunda-feira (16) completa o sexto dia da greve da Educação Municipal de Salvador que teve início na quarta-feira (11). A mobilização e disposição de luta continua firme e crescendo, apesar das...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.