Bolívia revoluciona a educação para o desenvolvimento do país

Publicado em Sábado, 30 Setembro 2017 12:20

WhatsApp Image 2017 09 30 at 10.09.59

A educação como direito fundamental, como função suprema e a primeira responsabilidade financeira do Estado. É assim que o governo de Evo Morales está promovendo a revolução educacional na Bolívia, desde que assumiu o país em 2006. Essa priorização já é responsável pela erradicação do analfabetismo no país e um índice de abandono escolar na casa dos 2% no último ano, resistindo à política privativista do ensino que invade a América Latina.

O modelo educacional de sucesso boliviano foi apresentado pelo o coordenador nacional do Profocom (Programa de Formação Complementar para Atores do Sistema Educativo Plurinacional do Ministério da Educação da Bolívia), Armando Terrazaz Calderón, na tarde dessa sexta-feira, 29, no Encontro do Movimento Pedagógico Latino-Americano Paulo Freire, que acontece no auditório do Sintero, em Porto Velho (RO).

Com o tema “Educação Pública: Democracia e Resistência e o modelo Educacional Boliviano”, Armando Terrazaz fez um brilhante relato histórico sobre seu país e a revolução ocorrida após a posse do presidente Evo Morales, que tem como finalidade o desenvolvimento social e econômico da Bolívia, respeitando todos os povos e sua diversidade.

Por mais de duas horas, a plenária ficou atenta à palestra do representante do Ministério da Educação do país vizinho, que teve tradução simultânea para facilitar o entendimento e possibilitar a participação de todos. Armando Terrazaz expôs detalhadamente as medidas implantadas que levou a Bolívia a erradicar o analfabetismo, dentre outras melhorias substanciais no quadro da educação pública.

A grande virada nas políticas da educação na Bolívia, conforme Terrazaz, aconteceu em razão da vontade de o presidente Evo Morales em dar prioridade ao ensino no país. “O presidente sempre expressou que a educação é um direito dos povos. A ordem é onde houver uma criança haverá uma escola”, explicou ele.
Segundo o coordenador boliviano, a educação é um direito de todos sem discriminação e sem exclusão; é intracultural, intercultural, plurilíngue, produtiva, descolonizadora, científica técnica e tecnológica, além de ser obrigatória, pública e gratuita até o nível superior. “A educação deve ser igual para todos e ser integradora, permitindo que o país se desenvolva como um todo”, destacou.

A revolução iniciou a partir da aprovação da Lei 070, Avelino Siñani – Elizardo Pérez, no Parlamento, em 2010. Ele enfatizou que a lei não teve dificuldade de ser aprovada na Casa Legislativa, uma vez que o governo promoveu o debate com toda a sociedade, todos os sindicatos dos trabalhadores da educação e o movimento dos estudantes. “Um governo que saiu das organizações sociais não pode deixar de reconhecer um sindicato e a organização sindical tem de atuar para que a educação melhore”, acrescentou o representante boliviano.

Conforme Terrazaz, Morales teve a preocupação de construir um novo Estado Plurinacional, respeitando a memória, a história, a ciência, os saberes e os conhecimentos dos povos e nações, considerando as diversas realidades de sua população de pouco mais de 10 milhões de habitantes, que somam 36 povos e nações indígenas originários do campo e as diversas línguas.

A construção da nova educação transformou o modelo singular para o plural. O Estado-Nação passou ao Estado Plurinacional, que deixou de pensar na economia para as economias; da Justiça para a pluralidade jurídica; de uma língua oficial para a pluralidade linguística do Estado; de uma educação para as educações, que atendessem a todos e todas. Passou de um currículo único para os currículos; da qualidade para as diversas formas de qualidade educacional. “É uma construção continua, participativa, coletiva, democrática, comunitária e social, acumulando resistências sociais e populares contra a colônia, o império e o neoliberalismo”, afirmou Terrazaz.

WhatsApp Image 2017 09 30 at 10.09.50Dentre os desafios, o coordenador da Profocom destacou as políticas do Estado para o acesso, a permanência e a qualidade do ensino com igualdade de condições e oportunidades. Dessa forma, a preocupação foi atrair desde a educação infantil às diversas formas educacionais alternativas para os adultos e a educação popular permanente para os trabalhadores.

Foi dessa forma que a Bolívia conseguiu erradicar o analfabetismo no país, reduzindo em 16 anos a taxa de 13,3%, em 2001, para 2,7%, neste ano. A partir de 2006 foram construídos, ampliados, reformados e equipados mais de 3 mil estabelecimentos educativos e atualmente já somam 16.077 escolas, com condições de oferecer uma educação produtiva, técnica, tecnológica e científica.

Para esse sucesso, o governo dobrou os investimentos na educação pública nos últimos dez anos. O percentual do PIB passou de 4,5%, em 2005, para 9%, no ano passado. Conforme os dados apresentados por Armando Terrazaz, isso significou um crescimento de mais de 236% nos investimentos na educação em dez anos. Em 2006, eram aplicados o equivalente a R$ 3 bilhões, e em 2016, esse valor passou para R$ 10,3 bilhões no ensino público. No Brasil, a luta do movimento é para chegar a 7% do PIB. O PNE (Plano Nacional da Educação), determina que os investimentos na educação cheguem a 10% do Produto Interno Bruto até 2024.

Neste modelo educacional, a valorização dos professores e a formação profissional também receberam prioridades. Terrazaz destacou que a participação dos sindicatos é essencial neste processo. Em 2000, 25% dos professores eram temporários, em 2016, este índice chegou a 1,7%. O governo investiu na carreira dos trabalhadores em educação.

Outro diferencial do modelo boliviano está exatamente na criação de um projeto político de Estado, que não segue a padrões determinados pelos organismos internacionais dos Estados Unidos e Europa. Terrazaz comentou ainda que antes de Morales, para dar um aumento aos professores, o governo tinha de ir aos EUA saber se haveria condições financeiras para assegurar a melhoria. “Agora não acontece mais isso, o governo tem autonomia para oferecer melhor salário sem ter de pedir para outro país”, observou ele, acrescentando, “queremos que a educação seja o pilar fundamental para o desenvolvimento de nosso país.”

Veja mais fotos do evento na página oficial da CNTE no Facebook.

 
 
  13/10/2017
Boletim CNTE 803
15 de outubro - Dia de Luta pela Educação e pelo Brasil
INFORMATIVO CNTE 803  
 
 
Uma homenagem a todos/as que fazem da escola um local de dedicação e amor (15/10/2017)
 
 

Programa 594: Medida Provisória que trata do novo Fies dificulta o acesso ao ensino superior

 
 

CNTE avalia como retrocesso a decisão do STF em permitir o proselitismo religioso nas escolas públicas

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os diretores do Sinte-PI, João Correia e Filomena Cristina, juntamente com os dirigentes do Núcleo Regional de José de Freitas visitaram a Unidade Escolar Elon Machado Moita, no município de Lagoa Alegre do Piauí,...
Em resposta à truculência do prefeito de Matriz do Camaragibe com os trabalhadores e as trabalhadoras em educação, o Sinteal realizou, na manhã desta terça-feira (17/10), um ato público de protesto pelas...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) convoca os/as trabalhadores/as das rede municipais e estadual de educação para a mobilização contra a PEC 10/2017, que congelará os...
Mais do que o Dia do Professor, o 15 de outubro foi momento de relembrar as lutas da Educação e render homenagens aos educadores do país. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação/CNTE...
Presente em quase todos os municípios de Alagoas com seus núcleos regionais e municipais, o Sinteal dá início, a partir da próxima quinta-feira (19), à “Caravana do Sinteal: porque a luta não...
O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação/CNTE, Heleno Araújo, participará da conferência-debate “Depois de Lula: educação e sociedade no Brasil”, que...
Foto: Elza Fiuza A falta de reconhecimento e de condições de trabalho tem atraído cada vez menos alunos para uma profissão que já esteve entre as mais valorizadas no país: a de professor. A cada 100 jovens...
O Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE) lançou nota de repúdio sobre a ingerência do Sistema CREF/CONFEF no trabalho dos professores e professoras de Educação Física na escola de...
O Coordenador Geral do ASPROLF, Valdir Silva, participou na manhã desta terça-feira (11/10), de uma reunião de pais e/ou responsáveis na Escola Municipal Ipitanga no Centro de Lauro de Freitas (Região Metropolitana de...
O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (SINTET) vem a público manifestar repúdio ao pronunciamento do deputado estadual, Alan Barbiero, pelo seu desnecessário posicionamento a respeito da...
Neste mês de outubro, o Sinteal, através de suas diretoras e seus diretores, veste literalmente a camisa em apoio à Campanha “Outubro Rosa”, versão 2017. O “Outubro Rosa” é um movimento que...
Com caras pintadas, segurando bandeiras e faixas, estudantes de escolas estaduais participam nesta quarta-feira (11), do acampamento na Assembleia Legislativa contra a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 10/2017,...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.