O empoderamento das mulheres pautou os discursos na abertura da Conferência das Mulheres da IE, no Marrocos

Publicado em Terça, 06 Fevereiro 2018 15:30

2018 02 06 mulheres marrocos dia1

"Nós não nos callaremos mais." Esse é o grito de união das mulheres, de acordo com Ulrike Lunacek, ex-vice-presidente do Parlamento Europeu. Ela participou da abertura da Conferência das Mulheres da Internacional da Educação, que se realiza em Marraquexe, Marrocos, de 5 a 7 de fevereiro. A conferência, que tem como tema "Encontrando um caminho através do labirinto: mulheres, educação, sindicatos e liderança", conta com mais de 300 participantes.

"As mulheres precisam de um empoderamento econômico, porque a pobreza os exclui de uma carreira", enfatizou.

Lunacek acrescentou que as mulheres são necessárias nos parlamentos e como líderes políticos. Ela detalhou que, no mundo, as mulheres representam apenas 20% dos parlamentares e em dez ministros. Curiosamente, 47% dos chefes de Estado são mulheres, porém isso se deve ao número de monarcas.

Coragem

De acordo com Lunacek, as mulheres precisam de homens como aliados, mas as mulheres também precisam de seu próprio espaço para fortalecer-se, elaborar estratégias e avançar. Mas "reivindicar espaço requer coragem", disse ela.

A sociedade e os sindicatos também precisam de estruturas para apoiar as mulheres - e as quotas também são necessárias, disse ela. "Para as mulheres que dizem que não querem ser uma mulher de cota, eu digo: "Quantos homens estão em suas posições só porque são homens, não porque sejam os melhores"? Precisamos de quotas para colocar as mulheres em posições de liderança e mantê-las lá, e assim as meninas podem ver modelos e podemos mudar as coisas".

Ela foi inflexível que ser um líder é algo que as mulheres podem desfrutar, como "você pode fazer as coisas com o poder que você tem; mesmo se você arriscar a derrota; mas se você não tentar, você nunca saberá o que você poderia conseguir".

Encontrando o caminho pelo "labirinto"

A presidente da Internacional da Educação (IE) Susan Hopgood também se dirigiu aos participantes. "Que hora de ter a nossa terceira Conferência Mundial da Mulher da IE, quando acabamos de deixar um ano que muitos estão chamando de "um ano de revolta para os direitos das mulheres em todo o mundo", disse ela. "2017 nos mostrou que, em todo o mundo, as mulheres se recusam a permanecerem silenciosas".

Alcançando a igualdade de gênero no local de trabalho, ela observou, significa que as mulheres e os homens terão oportunidades iguais para o progresso profissional, para a realização de seus direitos humanos, para contribuir e para se beneficiar do desenvolvimento econômico, social, cultural e político.

A conferência incidirá sobre a questão vexada de por que, em 2018, continua a haver tão poucas mulheres nas mais altas posições de liderança e tomada de decisão em todos os setores?

Teto de vidro

O "teto de vidro" é uma metáfora familiar usada para se referir às barreiras que impedem as mulheres de superar um certo ponto em sua progressão na carreira, disse ela. "Na verdade, muitas mulheres não são retidas por causa de um teto de vidro, mas por causa do efeito cumulativo de problemas pequenos ou micro que elas enfrentam diariamente, o que as desacelera em seu progresso profissional, ou apenas as impede de atingir os principais cargos de liderança e tomada de decisão ".

Complexidades

É por isso que o tema da conferência refere-se ao "labirinto": "Porque quando pensamos no caminho da liderança como um labirinto que as mulheres têm que trabalhar (em vez de um teto de vidro que eles têm que esmagar), podemos ver mais claramente as complexidades e desafios que as mulheres enfrentam ao tentar progredir em suas carreiras".

O fato de que as mulheres ocupam posições de liderança mostra que não existe uma barreira absoluta para o avanço profissional das mulheres, ressaltou. No entanto, existem várias barreiras institucionais e sociais que formam o labirinto que as mulheres enfrentam ao longo de suas carreiras e são obrigadas a negociar se quiserem progredir.

No entanto, "este é o momento de garantir que os ventos das mudanças continuem a varrer em todo o mundo e que as mulheres estão plenamente representadas nas posições de liderança e tomada de decisão nos sindicatos, na educação e na sociedade".

Algum sucesso em Marrocos

O representante do Ministério da Educação do Marrocos, Cadi Ayyad, insistiu que as mulheres merecem organizações sistêmicas, para que elas possam chegar ao poder.

Ele observou que, em Marrocos, 54% das meninas são registradas em universidades e 60% delas conseguem obter um diploma.

No entanto, ele citou três elementos que impedem as mulheres de alcançar: acesso a línguas; alfabetização digital; e sua situação econômica.

Mais líderes femininas

"Devemos ter sucesso em transcender as situações financeiras e sociais das meninas", disse ele. Observando que 60% dos empregos mudarão em sua natureza até 2030, proporcionando uma boa oportunidade para melhorar a posição das mulheres na sociedade, no entanto, menos de 20% dos cargos de liderança nas universidades são ocupados por mulheres. Das 12 universidades públicas do Marrocos, nenhuma delas tem uma diretora feminina, disse ele.

"Ou impormos a paridade, ou criamos os meios para permitir que as mulheres alcancem essas posições de liderança, para que nosso país possa avançar", disse ele.

Deverão ser implementadas leis positivas

Fatima Echaabi, representante das afiliadas da IE em Marrocos, enfatizou que os direitos das mulheres são direitos humanos. A igualdade de gênero é um projeto para toda a sociedade, na educação ou em outras áreas, como a política, ela acrescentou. "Quantas garotas conseguem seus sonhos? Quantas mulheres estão em posições de liderança? "

Marrocos, ela reconheceu, fez esforços para que as meninas possam estar matriculadas nas escolas, mesmo em áreas remotas. Mas os obstáculos à igualdade de gênero são múltiplos, e há um "muro de concreto", uma mentalidade machista, ancorado em comportamentos culturais e religiosos em Marrocos.

O país possui leis modernas e liberais relativas à igualdade de gênero, lutando contra a discriminação em relação às mulheres, disse Echaabi aos participantes, mas estas precisam ser implementadas.

"Somente um projeto de sociedade fundamentado na igualdade de gênero, na visibilidade das competências masculinas e femininas levará essa sociedade ao desenvolvimento e à justiça social", disse ela.

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 605: Vidas Negras Importam - Dia da Consciência Negra

 
 

Parlamentares, educadores/as, estudantes e sociedade derrotam o projeto da Lei da Mordaça na Câmara dos Deputados: uma vitória da resistência!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Professora BebelPresidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de SP)Deputada Estadual eleita O arquivamento da tramitação do projeto da “escola sem partido” na comissão especial da Câmara dos...
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado A Comissão de Educação do Senado Federal iniciou hoje a discussão do PLC 88/2018 (oriundo do PL 1.287/11, da Câmara dos Deputados), que estabelece diretrizes para a...
“Eu sou aquela mulher  a quem o tempo muito ensinou. Ensinou a amar a vida E não desistir da luta, recomeçar na derrota, renunciar a palavras e pensamentos negativos. Acreditar nos valores humanos e ser otimista.” Cora...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais da educação básica pública brasileira, vem a público exigir...
A defesa dos direitos dos trabalhadores deverá enfrentar muitas dificuldades no cenário político que se aproxima, em 2019. A análise é da Secretária de Finanças da CNTE - Confederação...
Nesta segunda-feira (10/12), a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) promoveu um debate em comemoração aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, instituída...
Texto e fotos: Jordana Mercado Após dois dias (06 e 07) de debates e reflexão, encerrou-se hoje, em Curitiba-PR, o encontro do Coletivo de Mulheres da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação...
Os representantes do Fórum Sindical, entidade a qual o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) faz parte, compareceram a Casa Civil, na manhã desta sexta-feira (07/12), para cobrar esclarecimento...
TCU rejeita subvincular parcela dos precatórios do FUNDEF ao magistério e demais trabalhadores em educação No dia 5 de dezembro de 2018, o Tribunal de Contas da União – TCU decidiu por unanimidade manter...
A comissão especial que analisa a proposta da Escola sem Partido (PL 7180/14) adiou para a próxima terça-feira (11), às 9h, a sessão para votar o relatório do deputado Flavinho (PSC-SP) na Câmara dos...
O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet) se posiciona contra os professores refazer o trabalho de inserção de dados no Sistema de Gerenciamento Educacional (SGE), da Secretaria Estadual de...
Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, Subsede Betim cobra transparência e diálogo sobre projeto que tramita na Câmara Municipal daquela cidade. No último dia 21 de novembro de...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.