Apoio à Greve Geral Unificada dos servidores públicos de São Paulo, dentre os quais os seus trabalhadores em educação representados pelo SINPEEM

Publicado em Quarta, 06 Fevereiro 2019 14:20

banners mocao de apoio 2

No apagar das luzes do ano de 2018, a Câmara Municipal da cidade de São Paulo aprovou uma proposta de reforma da previdência que, a mando da prefeitura tucana de João Dória e Bruno Covas, ataca mais uma vez os direitos de seus servidores públicos municipais. Sob o argumento de que a previdência pública não suporta o déficit cada vez maior, todos sabemos que, sob esse alarde, esses governos neoliberais só têm um objetivo: entregar o montante desses recursos que pertencem aos servidores para ser gerido pelos bancos, os verdadeiros mandantes desse crime.

O falso argumento do déficit crescente da Previdência é o mesmo usado há anos por esses governantes inescrupulosos, tanto na cidade de São Paulo como em outras cidades e Estados. E, claro, é esse também o argumento utilizado pela equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro. Inúmeras reformas já foram feitas e esse “poço” parece não ter fundo: o próprio município de São Paulo já aprovou um aumento da contribuição dos seus servidores públicos, ainda no ano de 2005, de 5% para 11%. Agora, com essa nova proposta, aumenta a contribuição para 14%. Esses aumentos vêm acompanhados sempre do mesmo falso argumento de déficit. Ora, perguntam todos: e esse aumento do montante de recursos foi para onde?

Em resposta a mais esse confisco de salários dos seus servidores públicos de São Paulo, a Prefeitura conseguiu unificar o movimento de trabalhadores municipais em uma greve geral unificada de mais de 20 entidades de trabalhadores do município. Parados desde o dia de ontem, quando realizaram uma grande Assembleia em frente à Prefeitura e decretaram a continuidade do movimento, com a definição de 14 atos regionais por todo o município, os trabalhadores municipais, que representam um contingente de mais de 121 mil servidores na ativa e outros mais de 100 mil aposentados e pensionistas, estão firme e unidos nessa luta. O objetivo não poderia ser outro se não a imediata revogação da Lei nº 17.020/2018, que criou esse malfadado Sampaprev, um regime de previdência complementar feito sob medida para os bancos. Os trabalhadores em educação, ainda, reivindicam em campanha salarial a valorização dos servidores públicos e do serviço público como um todo, além de uma revisão geral salarial de 10% para todos os servidores ativos, pensionistas e aposentados do município.

Sob o mote de nenhum direito a menos, e por mais educação, saúde, transporte e moradia para todos, o movimento grevista nasce forte e com potencial de derrotar esse projeto. Isso porque os nossos atuais governantes, em São Paulo e no Brasil, não são afetos a escutar o povo. Eles só entendem a linguagem das ruas que, com muita pressão, e só assim, o povo consegue se fazer ouvir. Os/as educadores/as brasileiros/as da educação básica pública exigem a revogação da supra citada lei e apoiam, com todo entusiasmo, o movimento grevista unificado, do qual fazem parte os inúmeros trabalhadores em educação do município, representados pelo Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo – SINPEEM.

Brasília, 5 de fevereiro de 2019

Direção Executiva da CNTE

 
 
  12/04/2019
Boletim CNTE 832
Início dos encontros dos coletivos da CNTE
INFORMATIVO CNTE 832  
 
 
Heleno Araújo participa de palestra sobre a reforma da Previdência em Pernambuco
 
 

Programa 611 - Lançamento da 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública

 
 

Novo ministro da Educação, Abrahan Weintraub, indica o aprofundamento das políticas de mercantilização e privatização da educação no país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Preocupado com a saúde dos profissionais da educação, o Sinteal esteve na secretaria municipal de saúde de Maceió, no dia 11 de abril, para falar sobre a campanha de vacinação contra o vírus...
Os professores da rede municipal de Educação de Riachinho estão em greve por tempo indeterminado desde o dia 8 de abril. A decisão foi tomada pela categoria em assembleia geral, no dia 28 de março. O movimento...
O dia 15 de abril de 2019 marcou o início da greve da Educação no Estado do Amazonas. Os/as trabalhadores/as em educação do Estado, representados pelo SINTEAM, deflagraram o movimento grevista da categoria com uma...
O Sintero recebeu respostas de diversas reivindicações dos trabalhadores em educação, através do ofício nº4533/2019, expedido pela Secretaria de Educação do Estado de Rondônia (Seduc),...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos/as profissionais da educação básica do setor público brasileiro, repudia a atitude da...
Presidente da CNTE, Heleno Araújo, contribui com o ensaio “A Educação Cidadão ao golpe de 2016”, no livro A Constituição Traída que terá lançamento nacional em Recife -...
O Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Maceió obteve importante vitória na última sexta-feira (12), após a inédita reunião com a presença do prefeito da capital, Rui Palmeira, e que...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso renova a representação dentro do Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso (CEE-MT) para a gestão 2019-2023. A nova composição,...
O governo de Jair Bolsonaro (PSL) enviou ao Congresso Nacional um Projeto de Lei (PL) que regulamenta o ensino domiciliar. O PL faz parte das metas dos 100 dias de governo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos...
As atividades de mobilização do Dia em Defesa dos Precatórios do FUNDEF para os profissionais do Magistério prosseguiram na tarde de quinta-feira (11). O Sindeducação e o Sinproesemma promoveram um debate, com...
Após uma longa e tensa audiência com o secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, a direção central do CPERS saiu do Piratini no final da tarde de sexta-feira (12/4) com o compromisso de uma mesa de...
Os educadores da Rede Pública Municipal de São Luís decidiram paralisar as atividades no próximo dia 30 de Abril, contra a política de arrocho salarial implementada pelo Governo Edivaldo Holanda Júnior, que...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.