CNTE articula estratégias contra a privatização da Educação

Publicado em Terça, 07 Maio 2019 17:37

2019 05 07 seminario principal
Jordana Mercado | A Internacional da Educação (IE) lidera mundialmente uma resposta global à privatização e ao comércio educativo. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituição Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (PROIFES), entidades brasileiras afiliadas à Internacional da Educação para a América Latina (IEAL), com apoio da Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil (FES Brasil), estão engajadas na campanha internacional da IE “Educar, não lucrar”, um dos instrumentos para combater as várias formas de privatização da educação, através de estudos, pesquisas e estratégias.

Assim, entre hoje e amanhã (07 e 08), acontece em São Paulo-SP, o seminário “Processo de Privatização e Mercantilização dos Ensinos Básicos e Superior no Brasil”.

Dando início aos trabalhos a Secretária Geral da CNTE, professora Fátima Silva, convidou as entidades locais para trazerem sua saudação aos participantes do Seminário. Pelo Sindicato dos Funcionários e Servidores (AFUSE), falou o Presidente da entidade João Marcos de Lima, e pelo Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (SINPEEM), o Secretário Geral da entidade, Cleiton Gomes, que é também o Secretário de Assuntos Municipais da CNTE. Juntamente com o professor Nilton Brandão, Presidente do PROIFES, a professora Fátima conduziu a dinâmica de apresentação dos participantes.

O painel “Políticas de Privatização e Mercantilização da Educação”, reuniu Waldeli Melleiro, Diretora de Programas para Gênero e Cooperação Sindical FES Brasil, Combertty Rodriguez, Coordenador da Internacional da IEAL, Heleno Araújo, Presidente da CNTE, Nilton Brandão e Gil Vicente Reis de Figueiredo, Presidente e Secretário de Relações Internacionais do PROIFES, respectivamente.

Waldeli falou sobre a parceria da FES e IE na campanha contra a privatização e a importância de, além de produzir diagnósticos sobre o tema, conseguirmos construir uma contra narrativa ao que está sendo colocado pela lógica perversa do lucro que os investidores do capital tentam impor aos países, fortalecendo a organização sindical. “A privatização tem aumentado na agenda global, especialmente no formato de parcerias público-privadas, com atores como a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e o Banco Mundial promovendo esse avanço. A FES é parceira da IE nesse projeto global de enfrentamento às investidas neoliberais, para ampliação da proteção social e para a organização e fortalecimento das estruturas sindicais”, disse. Ela ainda comentou as investidas do atual governo brasileiro para cercear a liberdade de cátedra na tentativa de acabar com o pensamento crítico: “Eles reeditam discursos superados que remontam à Guerra Fria. É a narrativa desse governo para disputar o que é ideológico”, criticou Melleiro.

A contribuição de Combertty Rodriguez reforçou o entendimento de que há um grande esforço dos agentes do capital de desqualificar o movimento sindical e desresponsabilizar o Estado de qualquer garantia dos direitos sociais. Nesse sentido, lembrou que ao incentivar o “empreendedorismo”, os governos visam eliminar direitos da população.

“O governo brasileiro está criando um bordão que é uma tendência ‘quanto mais direitos menos postos de trabalho’, e usa desse discurso para ganhar adesão popular aos seus projetos precarizantes”, disse. E explicou porque esses governos precisam se livrar dos trabalhadores organizados: “O setor da educação e os sindicatos são os agentes capazes de fazer a mobilização no enfrentamento ideológico do público frente ao privado”, concluiu Combertty.

Para Heleno Araújo que analisou as políticas educacionais do atual governo, não há como comparar o que foi feito no âmbito de políticas públicas nos governos que antecederam o atual, especialmente nos governos Lula e Dilma, em que as instâncias de participação popular e da sociedade civil foram envolvidas na formulação e implementação das políticas. O cenário de total desgoverno na pasta da Educação, demonstra a clara intenção de esvaziar os serviços públicos através de cortes sucessivos nos investimentos, abrindo caminho para a privatização de serviços. Ele lembrou que a CNTE nunca deixou de fazer a defesa intransigente dos recursos públicos para a educação pública, em mais um exercício da autonomia sindical da entidade. “A pesquisa da CNTE analisou o período de 2009 a 2013 e, mesmo compreendendo um período de governos do campo democrático popular, apontou que houve um crescimento no processo de privatização à época. De posse desses dados fomos para o debate defender nossa visão. Ao contrário do que temos hoje, o diálogo estava aberto”, alertou o Presidente da CNTE.

O PROIFES fez a análise das políticas do Ministério da Educação, sob o atual governo, para a Educação Superior, para isso utilizou dados da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP) e da Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (FENAFISCO), no âmbito do projeto “Reforma Tributária Solidária”, que conta com apoio de entidades como o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e Fundação Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil (FES Brasil), entre outras. A conclusão alarmante é que a asfixia gerada pela Emenda Constitucional 95 está criando, com muita velocidade, as condições necessárias para que não haja alternativa à privatização do Ensino Superior no Brasil.

Em painel coordenado pelo professor Roberto Leão, Secretário de Relações Internacionais da CNTE e Vice-Presidente da Internacional da Educação, a pesquisadora e professora da Universidade de Campinas (UNICAMP), Theresa Adrião, que coordena o Grupo de Estudo e Pesquisa em Políticas Educacionais (GREPPE), falou sobre como o setor privado tem acessado as redes estaduais de educação e dos impactos que as políticas e programas educacionais têm sofrido com esse processo. “Hoje é possível identificar a privatização da educação de três formas: através da oferta educacional, pela via da gestão da educação pública e com a elaboração de currículos”, pontuou. Em sua visão, essa lógica empresarial já tem aprofundado as desigualdades educacionais, especialmente para os mais pobres. “Os sindicatos e demais entidades da sociedade civil organizada precisam estar articuladas para o enfrentamento aos processos de privatização. Em unidade, a defesa do direito à educação será potencializada”, concluiu.

>> Clique aqui para ver o álbum de fotos no Facebook

2019 05 07 seminario02

 
 
  13/05/2019
Boletim CNTE 835
Rumo à greve geral da classe trabalhadora em 14 de junho!
INFORMATIVO CNTE 835  
 
 
Presidente da CNTE Heleno Araújo fala sobre a Greve Nacional da Educação
 
 

Programa 611 - Lançamento da 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública

 
 

Nota de apoio à greve dos servidores administrativos do Mato Grosso do Sul

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Milhares de profissionais da Educação da rede estadual, que aprovaram a deflagração de greve, votada em Assembleia da categoria, nesta segunda-feira (20/5), ocuparam as ruas do centro de Cuiabá, numa caminhada...
O Sindeducação participou, no último dia 14, de uma reunião com professores e pais de alunos da UEB Camélia Viveiros, localizada no Bairro Coroado, em São Luís (MA). A unidade escolar está...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) convoca os profissionais da educação da rede estadual para a Assembleia Geral da categoria nesta segunda-feira (20.05), a partir das 14horas, na Escola...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca todas as entidades filiadas a participarem da "Semana de Calcular Sua Aposentadoria", de 20 a 24 de maio, em todo país. Neste período a CNTE...
Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) | A Agência Sindical segue debatendo a reforma da Previdência. Desta vez, entrevistamos Antônio Augusto de Queiroz, jornalista, assessor político e diretor...
Cerca de 5 mil manifestantes participaram da Greve Nacional da Educação em Divinópolis (MG), que envolveu muitos segmentos sociais, sindicalistas, todas as redes de ensino, e muitos estudantes e principalmente a Comunidade escolar.A...
O Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Maceió realizou assembleia geral com as categorias, na manhã desta sexta-feira (17), na Praça Dois Leões, em Jaraguá, oportunidade para as lideranças...
Dia 15 de maio foi um dia histórico, o Sinproesemma junto com trabalhadores em educação, centrais sindicais, estudantes e movimentos sociais saíram às ruas para protestar contra as medidas do governo Jair Bolsonaro e...
Além de indicar retomada do movimento de massas no Brasil, a mobilização inspira a necessária resistência aos tempos sombriosA Greve Nacional da Educação do último dia 15 de maio mobilizou...
"Ninguém solta a mão de ninguém" é o tema da campanha da CNTE pelo Dia Nacional e Internacional de Luta Contra a LGBTfobia. A data comemorativa foi instituída quando a Organização das...
Aproximadamente cinco mil pessoas participaram das manifestações em frente a Assembleia Legislativa, em Palmas O Dia 15 de maio foi marcado por “aulas nas ruas”, milhares de trabalhadores e trabalhadoras em...
Entidades sindicais que defendem os trabalhadores da Educação, centrais sindicais, movimentos estudantis, movimentos sociais e trabalhadores foram às ruas nesta quarta-feira (15), defender o financiamento permanente...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.