Escola militarizada é modelo de exclusão

Publicado em Sexta, 10 Maio 2019 18:24

Militarizao nas escolas

A CNTE marcou posição contrária ao modelo escolas cívico-militares fomentado pelo governo Bolsonaro na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (9), durante o seminário “Militarização de escolas e os desafios da gestão democrática e da educação de qualidade para todos”, coordenado pelas deputadas Professora Rosa Neide (PT-MG) e Paula Belmonte (PPS-DF). As escolas cívico-militares são escolas da rede pública de ensino que possuem gestão e modelo pedagógico baseados nos colégios militares do Exército, das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros.


Hoje existem cerca de 240 escolas desse modelo no País e segundo a representante do MEC, Cristiane Antunes, o modelo não será imposto aos estados e municípios, e sim será por adesão voluntária. “Tem que haver uma vontade da comunidade escolar”, ressaltou. O fomento do governo às escolas cívico-militares inclui apoio à gestão administrativa e à infraestrutura; e apoio à formação dos profissionais que atuarão nessas escolas.

Para a deputada Professora Rosa Neide (PT-MG), que pediu a audiência, o governo não pode dar mais recursos ou estrutura para escolas que optarem por esse projeto. A educação básica pública responde pelo ensino de 84% das crianças e adolescentes brasileiros. Cerca de 54 milhões de estudantes. Ela destacou que o custo de um aluno na escola militar é quase três vezes superior ao da rede pública. “São escolas para poucos”, afirmou. A deputada relatou a experiência dela como Secretaria de Educação do Mato Grosso, durante a qual atuou em parceria com a Secretaria de Segurança Pública. Em que cada área tinha o seu papel definido. “O Comandante da pasta era o primeiro a dizer: quando a polícia entra na escola, o professor perde a autoridade”.

EXCLUSÃO - Segundo a doutora em Educação Míriam Alves, professora da Universidade Federal de Goiás (UFG) e diretora da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), a militarização das escolas no estado, promovida desde a década de 90, tem criado cisão dentro da escola pública, deixando a escola não militarizada abandonada pela Secretaria de Educação.

2019 0510 Rosilene camara A escola não militarizada está, de acordo com a professora da UFG, relegada  aos alunos mais pobres, cujos pais não podem promover o transporte para as escolas militarizadas e não podem pagar a contribuição voluntária pedida pelas instituições militarizadas. Hoje há 60 escolas militarizadas no estado. “Nós vamos  garantir a segurança apenas nas escolas cívico-militares? Vamos garantir   qualidade apenas para essas escolas, a minoria? Os policiais militares deixarão a segurança pública para fazer educação?”, questionou.

A Secretária de Finanças da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Rosilene Corrêa, lembrou que a justificativa do governo para a militarização é que o modelo atual não deu certo, é falido. "Como pode ser falido se não foi experimentado?" Ela acrescentou que  a CNTE defende um modelo de investimento, de boas escolas para todos e todas. A proposta de militarização destina-se para "uma minoria da minoria. Não é possível aceitar esse modelo como solução".

 

A dirigente da CNTE acrescentou que não há disputa com a Polícia Militar. “A polícia tem um papel importantíssimo. O Estado tem obrigação que prover o tripé: educação, segurança e saúde. Estão distorcendo papéis e o que está previsto na Constituição para privilegiar uma parcela da sociedade. Sabem que é preciso investimento, promover mudanças para ter um bom resultado. Esse é o ponto central da nossa discordância, porque queremos discutir uma educação para todos e todas”.

MEDO - Rosilene reflete que é natural que as famílias, professores inclusive, estejam divididos sobre o tema. “Isso é fácil de explicar: nós vivemos num mundo violento, todo mundo anda com medo. Quando se apresenta uma possibilidade que passa uma sensação de mais segurança, é natural que as pessoas aceitem. O professor que anda tão desrespeitado, com tantos episódios de agressão, está com medo, e acha que pode estar protegido com a presença de militares na escola. De fato, querem desmoralizar o professor no país. Nós não podemos permitir que desqualifiquem o papel do professor. Nós queremos sim, o batalhão escolar em todas as escolas”.

Já a coordenadora do Comitê DF da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Catarina Santos, observou que os dados do INEP revelam que 50% dos alunos das escolas militarizadas foram expulsos ou evadiram. “Essa escola embranqueceu. Os alunos negros não permanecem nessa escola”, disse.

>> Acesse o vídeo com a participação da secretária de finanças da CNTE, Rosilene Corrêa, na audiência

Com informações da Agência Câmara

 
 
  13/05/2019
Boletim CNTE 835
Rumo à greve geral da classe trabalhadora em 14 de junho!
INFORMATIVO CNTE 835  
 
 
Presidente da CNTE Heleno Araújo fala sobre a Greve Nacional da Educação
 
 

Programa 611 - Lançamento da 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública

 
 

Nota de apoio à greve dos servidores administrativos do Mato Grosso do Sul

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Milhares de profissionais da Educação da rede estadual, que aprovaram a deflagração de greve, votada em Assembleia da categoria, nesta segunda-feira (20/5), ocuparam as ruas do centro de Cuiabá, numa caminhada...
O Sindeducação participou, no último dia 14, de uma reunião com professores e pais de alunos da UEB Camélia Viveiros, localizada no Bairro Coroado, em São Luís (MA). A unidade escolar está...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) convoca os profissionais da educação da rede estadual para a Assembleia Geral da categoria nesta segunda-feira (20.05), a partir das 14horas, na Escola...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca todas as entidades filiadas a participarem da "Semana de Calcular Sua Aposentadoria", de 20 a 24 de maio, em todo país. Neste período a CNTE...
Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) | A Agência Sindical segue debatendo a reforma da Previdência. Desta vez, entrevistamos Antônio Augusto de Queiroz, jornalista, assessor político e diretor...
Cerca de 5 mil manifestantes participaram da Greve Nacional da Educação em Divinópolis (MG), que envolveu muitos segmentos sociais, sindicalistas, todas as redes de ensino, e muitos estudantes e principalmente a Comunidade escolar.A...
O Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Maceió realizou assembleia geral com as categorias, na manhã desta sexta-feira (17), na Praça Dois Leões, em Jaraguá, oportunidade para as lideranças...
Dia 15 de maio foi um dia histórico, o Sinproesemma junto com trabalhadores em educação, centrais sindicais, estudantes e movimentos sociais saíram às ruas para protestar contra as medidas do governo Jair Bolsonaro e...
Além de indicar retomada do movimento de massas no Brasil, a mobilização inspira a necessária resistência aos tempos sombriosA Greve Nacional da Educação do último dia 15 de maio mobilizou...
"Ninguém solta a mão de ninguém" é o tema da campanha da CNTE pelo Dia Nacional e Internacional de Luta Contra a LGBTfobia. A data comemorativa foi instituída quando a Organização das...
Aproximadamente cinco mil pessoas participaram das manifestações em frente a Assembleia Legislativa, em Palmas O Dia 15 de maio foi marcado por “aulas nas ruas”, milhares de trabalhadores e trabalhadoras em...
Entidades sindicais que defendem os trabalhadores da Educação, centrais sindicais, movimentos estudantis, movimentos sociais e trabalhadores foram às ruas nesta quarta-feira (15), defender o financiamento permanente...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.