Nota Pública: O feminicídio continua tipificado em nosso Código Penal

Publicado em Sexta, 15 Dezembro 2017 13:30

banners nota publica 2

Em tempos de golpe, o Brasil deve ficar sempre atento e vigilante com os ataques incessantes aos direitos sociais conquistados com muita luta ao longo dos anos. O debate legislativo no país deve ser acompanhado de forma permanente porque é protagonizado exatamente por aqueles representantes políticos que destituíram da Presidência da República uma mulher legitimamente eleita e reconhecidamente honesta.

Tramitava no âmbito da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa – CDH do Senado Federal, no mesmo espaço em que ontem foi derrotada a proposição que pretendia retirar o título de Paulo Freire como patrono da educação brasileira, outra proposta de sugestão legislativa que pretendia acabar com agravante no Código Penal para qualquer crime passional, sugerindo a extinção do termo feminicídio.

A sugestão era de iniciativa popular e pedia a revogação da lei que prevê o feminicídio como um tipo de homicídio qualificado. A Lei do Feminicídio, de autoria da CPMI da Violência contra a Mulher, concluída em junho de 2013, e que foi sancionada em 2015 pela primeira mulher eleita Presidenta do Brasil, tipifica e qualifica o homicídio contra mulheres motivado pela “condição de sexo feminino”, quando o crime envolve violência doméstica e familiar, ou menosprezo e discriminação contra a condição de mulher. Representou um enorme avanço em um país marcado por uma cultura de violência contra a mulher e possuidor de índices estratosféricos de morte de mulheres em decorrência de uma cultura que se arvora ao direito de tirar vidas. Isso porque o projeto prevê, entre outras questões, o aumento da pena em um terço se o crime ocorrer (1) durante a gestação ou nos três meses posteriores ao parto; (2) contra menor de 14 anos, maior de 60 anos ou pessoa com deficiência; e (3) na presença de descendente ou ascendente da vítima.

O dia de ontem (14/12), além de manter Paulo Freire como patrono da educação brasileira, também foi marcado pela derrota desse projeto que pretendia retirar o termo feminicídio de nosso Código Penal. O parecer da Senadora Regina Sousa (PT-PI) pela rejeição ao projeto foi aprovado por unanimidade no âmbito daquela comissão. A coincidência fica para a data: o mesmo dia em que se manteve o feminicídio tipificado em nossa legislação penal, em função da derrota desse projeto no âmbito da CDH do Senado Federal, foi o dia em que se comemorou o aniversário da Presidenta Dilma Rousseff, que propôs e sancionou a Lei do Feminicídio ainda em 2015.

Os/as educadores/as brasileiros/as parabenizam o parecer da Senadora Regina Sousa, sempre atenta à causa das mulheres, e saúda o aniversário de nossa primeira mulher Presidenta, que propôs a tipificação desse crime. Não por acaso, a CNTE encampa e promove a Campanha “Saber Amar é Saber Respeitar”, que preconiza o lema que “homem que é homem combate a cultura do estupro”.

Brasília, 15 de dezembro de 2017

Diretoria Executiva da CNTE

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Carta aberta aos(às) trabalhadores(as) em educação e à sociedade sobre os retrocessos na agenda social do país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os membros do Conselho Geral do Sinte-PI realizaram a primeira reunião de 2019 na última terça-feira (15) para discutir pontos importantes para organização da categoria neste início de ano, como o reajuste dos...
Decisão foi votada em assembleia nesta quarta, 16, em protesto pelo cumprimento das reivindicações dos profissionais da Educação Os trabalhadores em educação da rede municipal de Guaraí decidiram...
Com o tema “Uma construção coletiva: a resistência do magistério público à BNCC e padronização curricular” o SINTESE realiza dia 01 de fevereiro, das 8h às 16h, no auditório...
Desde o dia 1º de janeiro, o piso salarial do Magistério válido para todos os docentes do país é de R$ 2.557,74. Isso representa um reajuste de 4,17% frente aos R$ 2.455,00 em 2018. O valor corresponde ao vencimento...
Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar...
Além de toda a luta coletiva que a rede estadual tem feito, o Sind-UTE/MG tem travado uma luta para que o Judiciário cumpra seu papel na garantia de direitos para os servidores e servidoras da educação. Até o mês...
O ano letivo na rede estadual de ensino de São Paulo se iniciará sob a égide de um novo governo, com problemas acumulados ao longo de anos e uma nova situação que poderá agravar ainda mais a falta de professores...
Como parte da Campanha Mundial contra a Privatização e o Comércio da Educação, a CNTE convida sindicatos filitados a participarem da apresentação do estudo sobre este tema realizado pela Internacional da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), ao repercutir a escala de pagamento anunciada pelo governo do Estado, nesta terça-feira (8/1/19) faz as seguintes considerações: O...
Nesta sexta-feira, 11 de janeiro, acontece a primeira Assembleia Geral da Educação de 2019. O encontro será realizado às 15h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da...
Desde que algumas redes começaram a anunciar o adiamento do início do ano letivo de 2019, e que essa possibilidade foi aventada no município de Betim, diante da publicação do Decreto de Estado de Emergência...
Na tarde desta segunda-feira (07/01/19), a direção estadual do Sind-UTE/MG solicitou ao Governador Romeu Zema que abra processo de negociação com a entidade. A solicitação foi feita com urgência,...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.