Igualdade: O Cromossomo X do Algoritmo

A palavra Cunhantã vem do Tupi Guarani e é a forma como costuma-se chamar  s  meninas  na  Região  Norte  do  país. O oposto, Curumim, é usado para referir-se aos meninos. E foi justamente essa forma local e carinhosa de se dirigir às meninas, que batizou um dos projetos de empoderamento das mulheres no Amazonas.

“O projeto começou com o nome Cunhantã Digital,  em  2015,  com  o  objetivo  de  estimular maior  participação  das  mulheres  da  região amazônica  na  área  de  Ciência  e  Tecnologia, além de promover a interação entre mulheres profissionais e meninas em formação, estimulando o ingresso delas em cursos de graduação e carreiras nesses campos do conhecimento”, explica  Tanara  Lauschner,  diretora  do  Instituto de Computação da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e conselheira do Comitê Gestor da Internet.

Uma iniciativa que tem significado um salto na participação e no envolvimento de mulheres com a área de Tecnologia da Informação (TI) e Ciência da Computação, um mundo dominado por homens. O Amazonas é um dos poucos estados brasileiros onde a população masculina supera a feminina. Ao lado dele, estão Rondônia, Roraima e Pará. Em todo o país, o percentual de mulheres é de 51,48% contra 48,52% de homens, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Não bastasse o fato de estar em um estado numericamente  dominado  por  homens,  o Cunhantã  Digital  se  arvorou,  também,  em  
ambiente de predominância masculina, no qual apenas 20% dos profissionais são mulheres,  dos  mais  de  580  mil profissionais de TI que atuam no Brasil, segundo levantamento da Pesquisa  Nacional  por  Amostra  de Domicílios (PNAD). Em termos globais,  o  cenário  se  repete.  Nos  Estados Unidos, estima-se que elas ocupem apenas 25% dos empregos em Tecnologia da Informação. E a
Google revelou que 30% de todos os seus colaboradores são do sexo feminino.

De acordo Tanara,  já havia outras iniciativas de desenvolvimento de aplicativos com meninas - Projetos de programação da Microsoft. Após o Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, “nos aproximamos de um programa, o Meninas Digitais, que já existe desde 2011 com a proposta de replicar a ação em vários estados. Então, criamos o Cunhantã Digital  com  a  referência  do  nome,  
bem local”, disse.

A  partir  daí,  outras  iniciativas do Meninas Digitais, voltadas ao  ensino  do  pensamento com putacional  nos  ensinos  médio  e  
fundamental, foram agregadas. “A meta foi sempre trazer mais mulheres  para  a  TI,  onde  ainda  temos pouquíssimas profissionais”, relata.

Esclarecimento

O projeto trabalha, também, com a formação das meninas que já estão na  universidade,  na  divulgação  de cursos como oficinas de programação e lógica. Cem escolas, nos níveis médio e fundamental, já foram alcançadas pelo Cunhantã Digital.

Entre os adolescentes, o trabalho é feito de forma a esclarecer o que é a TI,“porque muitos estudantes nem sabem o que uma pessoa de Ciência da Computação faz. Então, vamos lá para ensinar o que é e dizer para as meninas que é um campo para elas também”, destaca Tanara.

O  resultado  é  que  as  meninas “acabam gostando bastante”, embora ainda haja muita resistência  por parte dos pais que,“via de  regra”,  dizem para as filhas que elas têm que ser  médicas,  advogadas  ou  seguir alguma profissão que eles identificam mais voltadas para mulheres”.

A influência da família é muito forte quando, segundo Tanara, a proposta é falar de áreas de exatas, Matemática e Química, por exemplo. “Elas dizem que não se identificam ou não são capazes”, lamenta.

Avanços
A realidade entre as estudantes inclui relatos de meninas com facilidade para a área e raciocínio lógico bem desenvolvido, mas que optam por  fazer  Direito.“O  projeto  tem conquistado  avanços”,  comemora Tanara. Acompanhamento feito pela Universidade Federal do Amazonas  (UFAM)  revela  que,  no  ano  de 2017, o número de meninas que ingressaram no curso da Ciência da Computação mais que dobrou. Saiu de apenas sete para 16 no ingresso de calouras, num total de 56 vagas disponíveis.

O lado bom é que também tem a influência da família para o ingresso das mulheres na carreira. Um estudo feito  pelo  projeto  para  saber o motivo pelo qual elas optaram pela Ciência da Computação revelou que muitas foram influenciadas pelo pai, que já era de TI. Portanto, já tinham contato  desde  pequenas  e  isso  as  incentivou para a escolha.

O  Cunhantã  Digital  promove palestras nas escolas numa maneira de disseminar, desmistificar e esclarecer o que realmente é a Ciência da Computação. Desde que foi criado, estima-se que, pelo menos, dois mil alunos  de escolas particulares e  públicas  de  Manaus  foram  alcançados   pelas   palestras, feiras e competições.

O  trabalho  não  se  encerra  ao conseguir   levar   mais   meninas para as universidades nas áreas de exatas. Dentro do ambiente acadêmico, é preciso também desenvolver ações junto aos professores e colegas.  “Às  vezes,  o  problema  é  com os  professores  que,  por  exemplo, colocam as alunas para fazerem a documentação e não a programação. Isso cria a noção entre os próprios
colegas  de  que  as  meninas  são melhores para a documentação, já que o trabalho difícil é o programa”, explica Tanara.

Outros comentários de alunos, segundo ela, beiram o assédio, como quando os discursos de alguns estudantes são de que o professor foi com a cara, ou gosta da estudante, simplesmente porque ela é mulher. “A gente tem combatido essa visão machista  dentro  do  curso.  Até porque muitas meninas, nem identificam  ou  veem  o  machismo em determinadas atitudes”, disse.

O ingresso de mais mulheres nas áreas de computação significa um salto de qualidade nos programas e nos produtos desenvolvidos. Isso porque a base das decisões em aplicativos e programas parte  da análise de algoritmos desenvolvidos, em sua maioria, por homens, “o que acaba refletindo  uma  visão  masculina”,  constata.

"Ingresso  feminino,  principalmente em Ciência da Computação e  Tecnologia  da  Informação,  permite  que  soluções  maravilhosas,
que poderiam ter o olhar feminino, não sejam ignoradas. Não podemos prescindir desses talentos”, conclui Tanara.

Meninas Digitais

O programa Meninas Digitais  foi  criado  em  2011  para incentivar estudantes de escolas públicas e de comunidades carentes a se  aproximarem dos cursos superiores de computação. O projeto é realizado pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC).

No   Brasil,   o   Meninas Digitais  está  em  quatorze estados.  Nas  aulas  de  programação, as estudantes das escolas  públicas  têm  oportunidade  de  perceber  um mercado de trabalho que até 2020 deve exigir 1,4 milhão de vagas  para  apenas  400.000  
programadores, segundo dados da Code.org, entidade norte-americana  que  estimula jovens a aprenderem a linguagem computacional.

Criptografia de uma jovem hacker

Desafio é com ela mesma. E se os obstáculos forem virtuais, melhor ainda. Aos 20 anos, a estudante de Ciência da Computação
da  Universidade  Federal  de  Minas Gerais  (UFMG),  Ingrid  Spangler, é uma das (ainda) poucas mulheres que se aventuraram em mundos massivamente dominados por homens, como o da computação, programação, tecnologia e segurança da informação.

Ingrid  conta  que  entrou  para  esse  meio  quando  começou  a  se interessar por programação. “Percebi que  envolvia  a  parte  da  Matemática  que  eu  mais  gostava,  além  de lógica, o meu passatempo favorito”, recorda-se.

“Escolhi a Ciência da Computação sem saber muito bem do que se tratava. No Ensino Médio, sempre tive  notas  boas  em Matemática e Física. Então, conheci  um  amigo que mexia com código, comecei a me interessar pela área e gostei”, conta.

Foi o suficiente para escolher a Ciência da Computação como curso universitário  em  2015  e,  menos de três anos depois, virar destaque na área ao se tornar a primeira mulher a vencer uma etapa do Hack a flag, no caso, a de Belo Horizonte (MG).

Hack a flag, ou Capture the Flag (CTF), para os desavisados que não são do meio, é uma modalidade de competição que reúne desafios de Segurança da Informação, envolve diferentes tipos de conhecimento e tecnologias, e pode transitar entre diversos temas.

“Entrei na faculdade sem conhecimento  prévio  sobre  programação  e  muito menos de hacking”,  relata  Spangler, que disputou a  categoria individual em Belo Horizonte, venceu e  ingressou  em  uma  equipe  100% feminina. Além do feito na etapa da capital mineira, conta que fez “o maior número de pontos de 2017”, orgulha-se.

Na avaliação da jovem, os espaços reforçam a presença feminina no meio, uma vez que as elas têm certo receio de participar de competições como  a  Hack  a  Flag. “No começo, acham que não vão acrescentar nada e desistem. Meu time tem ajudado as garotas a começarem sem muita vergonha.  A  gente descobriu que muitas querem entrar na área, mas não encontram pessoas iguais a elas.
Agora, já podem!”, garante.

De acordo com Ingrid, no curso de  Ciência  da  Computação,  os  homens ainda são maioria. As alunas ficam em torno de 20%, “sendo otimista”, lamenta ela, e complementa: “mas, isso não me incomoda muito. Não percebo muito machismo”.

Ela por ela

Ingrid,  na  verdade,  se  considera um ponto fora da curva, porque sempre teve a certeza de que dava conta e nunca duvidou da própria capacidade. Como referências, cita o filme Hacker, de 1995, dirigido por Iain Sof tley e estrelado por Angelina Jolie, Jonny Lee Miller e Matthew Lillard.

A produção retrata as aventuras de um grupo de hackers talentosos, do ensino médio, e o envolvimento deles em uma conspiração corporativa. A obra foi lançada nos anos 1990, quando a internet ainda era um instrumento desconhecido para o público em geral.

Idade – 20 anos
Curso – Ciência da Computação
Equipe – Pyladies
Interesse -  em pesquisa sobre Malwares, vírus de computador. “Para descobrir  vacinas  e  analisar  como  funcionam, já que são feitas a toda hora”.
Desafios  -  “Todo  eletrônico,  software, tem uma falha. Os desafios seguem. Pretendo participar de mais campeonatos”.

>> Acesse a Revista Mátria 2018 completa

 
 
  17/09/2018
Boletim CNTE 820
19ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública: um momento de reflexão para avançar no futuro!
INFORMATIVO CNTE 820  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 604: Em audiência pública, CNTE reitera posicionamento contrário à BNCC

 
 

Nota Pública: Lei da Mordaça (“Escola Sem Partido”) é inconstitucional, antidemocrática e antipedagógica

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa de mais de 4 milhões de trabalhadores/as das escolas públicas brasileiras, vem a público repudiar a proposição...
Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados Nessa quarta-feira (19/09), o secretário de Assuntos Jurídicos e Legislativos da CNTE, Gabriel Magno, participou de uma Comissão Geral para debater o uso de recursos de...
Desde de segunda-feira (17/09), ocorre em todo o Brasil a 19ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública. Conforme orientação da Confederação, o Sindicato dos...
Os recursos referentes à parcela de agosto do salário-educação estão disponíveis a partir desta sexta-feira (14), na conta corrente de estados, municípios e do Distrito Federal. Responsável pela...
Com a participação de mais de 450 profissionais da educação, aconteceu entre os dias 14 e 16 de setembro, o Encontro Extraordinário de Educação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de...
A CNTE esteve presente na audiência pública que debateu a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio na manhã desta sexta-feira (14), em Brasília. A secretária de finanças da CNTE, Rosilene...
“A Emenda Constitucional 95 aponta para um futuro sombrio aonde a Educação será cada vez mais mercantilizada e dominada pela iniciativa privada”, afirmou o secretário de assuntos municipais da...
O Sindicato do Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) realiza, a partir desta sexta-feira (14.09), no Hotel Fazenda Mato Grosso, em Cuiabá, três dias (14, 15 e 16) de Encontro Extraordinário de...
A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (FETEMS) realizou na quarta-feira (12/9), o Seminário Sobre a Conjuntura Educacional com o Presidente da CNTE (Confederação Nacional dos...
O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), através de Regional de Palmas, vem por meio dessa nota expressar repúdio contra a direção do CMEI Sementinhas do Saber, por viabilizar...
Jordana Mercado Reunido desde ontem (11) em Curitiba-PR, o Coletivo de Aposentados e Assuntos Previdenciáriosda CNTE está tendo as atividades numa dinâmica de debate, socialização das melhores práticas entre os...
El Grupo de Trabajo CLACSO Indígenas y espacio urbano Manifiesta su adhesión al comunicado: La dirección y los miembros investigadores del programa de investigación “Economía política y formaciones...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.