Artigo: Saúde! À resiliência das educadoras

Juçara Dutra Vieira
Doutora em educação, professora aposentada da rede de ensino público do RS, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (2002-2008)

A ideia de saúde é autoexplicativa e vale para todas as idades, gêneros e raças. É o contraponto da finitude da vida, a expectativa de sua fruição da forma mais  intensa  e  plena  possível.  Por  isso,  os cuidados com ela são, ao mesmo tempo, um direito individual e uma responsabilidade a ser compartilhada.

Este texto aborda a saúde das trabalhadoras em educação como área de interesse acadêmico, educacional e sindical da CNTE.
Baseia-se em pesquisa realizada pela autora em 2017 [1], cujo foco foi “saúde e condições de trabalho”, mas que também investigou outros aspectos relacionados à identidade, ao profissionalismo e às experiências profissionais e sociais de educadores(as) de redes públicas da educação básica.

A pesquisa dá continuidade a outras investigações realizadas pela Confederação, a partir dos anos 1990. Desde então, ocorreram mudanças no contexto socioeconômico e no mundo do trabalho. No Brasil, as políticas neoliberais da década de 1990 estimularam a
privatização da educação superior, técnica e tecnológica, além de reduzirem o conceito de educação básica – por meio de ações focalizadas no ensino fundamental – e promoverem a desvalorização dos profissionais da educação.

Os efeitos das políticas nacionais impactam nos estados e municípios, sejam os que reproduzem a lógica da submissão do Estado
aos interesses do capitalismo neoliberal, sejam os que têm pouca participação na distribuição dos tributos. A realidade se reflete nos orçamentos, no descumprimento de leis – como a do Piso Salarial Profissional Nacional –, na precarização das relações de trabalho e nas condições físicas, materiais e funcionais das escolas públicas.

Por  isso,  ao  serem  perguntadas  sobre as condições relacionadas ao ambiente de trabalho, as profissionais da educação identificaram várias deficiências, sendo as cinco mais citadas, em percentuais decrescentes: falta de laboratório de ciências – 63,6%; falta de laboratório de informática – 55,3%; inexistência de CIPA [2] – 53,1%; falta de sala de recursos (inclusão) – 53,0%; e falta de segurança no trabalho – 52,2%. Embora as respostas reflitam preocupação com a segurança, as educadoras, incluindo as funcionárias da educação, enfatizam as condições relacionadas à aprendizagem  de  todos(as)  os(as)  estudantes  e,  particularmente, dos(as) destinatários(as) das políticas de inclusão.

Professoras, especialistas em educação/pedagogas e funcionárias da educação citaram  cerca  de  40  (quarenta)  situações  que  
produzem impacto sobre sua saúde. As seis que receberam maior número de menções seguem a seguinte ordem: acúmulo de cargos, funções ou atividades – 66,2%; dificuldade de aprendizagem dos estudantes – 56,1%; assédio moral por questões ideológicas – 54,6%; falta ou  precariedade de material pedagógico  –  53,5%; jornada de trabalho excessiva – 51,8%; excessivo número de alunos por turma – 51,8%. Subjacentes a essas situações encontram-se outras, tais como: baixos salários, indutores de  múltiplas  jornadas;  insuficientes  investimentos  na  educação;  descompasso  entre as  expectativas e necessidades das novas gerações,  as  políticas  de  formação  dos(as) profissionais  da  educação e o projeto  político pedagógico das escolas; reacionarismo e desrespeito à liberdade de expressão dos(as) educadores(as) de que é exemplo o Projeto Escola Sem Partido. [3]

As pressões sofridas, cotidianamente, pelos profissionais da educação são, portanto, de ordem material, mental e psicológica. A  
investigação comprova a persistência da síndrome de Burnout, identificada pela CNTE em  pesquisa  realizada  em  conjunto  com  a  
Universidade de Brasília (UnB), que resultou em publicação [4] de referência para estudiosos do tema. Destacam-se, também, a síndrome do pânico e a síndrome do pensamento acelerado, ambas geradoras de ansiedade, estresse e desgaste mental. A ansiedade, aliás, é o principal sintoma de mal-estar e/ou adoecimento identificado pelas profissionais de educação, com 72,7% de menções. Na sequência, aparecem: cansaço  e  fadiga  (68,4%),  problemas  de  voz (67,7%), dor nos braços (61,7%) e dor de cabeça
(59,3%). Os sintomas são percepções de como elas se sentem para enfrentar as atividades cotidianas.

As doenças ou distúrbios, por sua vez, só são consideradas como tal a partir de diagnóstico de profissional da área da saúde. Embora
o problema de voz continue a ser uma doença característica  da  profissão,  situando-se  –  junto com a depressão – em segundo lugar, é o estresse a principal doença das educadoras pesquisadas.  Elas  também  convivem  com  alergia a pó, que pode advir da poluição do ar, porém está associada ao uso de quadro e giz, ainda um dos principais recursos didáticos disponíveis nas escolas básicas. Enxaqueca e hipertensão arterial aparecem empatadas em quarto lugar. De acordo com a literatura médica, os índices de hipertensão aumentam com a idade; nesse sentido, é importante destacar que as duas faixas etárias predominantes entre as entrevistadas são de 51 a 60 anos e de 41 a 50 anos, respectivamente. Em quinto lugar, as lesões por efeitos repetitivos (LER) e as varizes são doenças que acometem as mulheres, ambas físicas e associadas ao trabalho.

O adoecimento pode ser uma contingência da natureza humana e de seus limites. Entretanto, as doenças laborais representam falta
de políticas preventivas, omissões ou ações deliberadamente voltadas para a exploração do  trabalho,  características  do  capitalismo  de orientação neoliberal. Por isso, é preciso saudar a resiliência das educadoras brasileiras e seu papel na formação de gerações de
mulheres e de homens para uma sociedade de iguais em direitos, ainda que diversos(as) nos talentos, vivências e realizações.

[1] O questionário  foi  respondido  por  762  delegados(as),  participantes do 33º Congresso Nacional da Confederação Nacional  dos  Trabalhadores  em  Educação  (CNTE),  realizado  em  janeiro  de  2017,  465  dos  quais  mulheres  de  todos  os segmentos  profissionais:  professoras,  funcionárias  da  educação  e  especialistas  em  educação/pedagogas.  Profissionais pertencentes  a  dois  ou  mais  segmentos  receberam  a  denominação de “multiprofissionais”.

[2]  CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

[3] Projeto de Lei do Senado nº 193/2016: Inclui entre as diretrizes e bases da educação nacional, de que trata a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, o "Programa Escola sem Partido".

[4] CODO,  Wanderley  (coordenador).  Educação:  carinho  e  trabalho – burnout, a síndrome da desistência do educador, que
pode  levar  à  falência  da  educação.  4  ed.  São  Paulo:  Saraiva,  2004.

>> Acesse a Revista Mátria 2018 completa em PDF

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Parlamentares, educadores/as, estudantes e sociedade derrotam o projeto da Lei da Mordaça na Câmara dos Deputados: uma vitória da resistência!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Vivemos uma conjuntura de retrocessos em escala mundial. No Brasil, este processo foi acelerado com a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro, pois durante o processo eleitoral houve abuso do poder econômico, que não foi nem...
O Sinteal abriu suas portas, na tarde desta quinta-feira (13/12), para receber centenas de crianças (e familiares) do bairro do Mutange (e entorno), que participaram do já tradicional “Auto de Natal”, que teve...
A prefeita de Guaraí, Lires Ferneda (PSDB) se nega a responder onde foi parar o saldo dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), referente ao ano de 2017. Segundo...
Eleita, nesta quarta-feira (12.12), a nova gestão do Conselho Estadual Alimentação Escolar para mandato 2018 a 2022. Ao todo 28 membros, entre titulares e suplentes, representando quatro segmentos da sociedade (Poder Executivo,...
O Sind-UTE/MG – Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, vem a público, repudiar a decisão do Governo do Estado, em dar tratamento diferenciado para o pagamento de salários a...
Em contato que manteve nesta quarta-feira, 12/12, com o Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual da Educação, a Presidenta da APEOESP, Maria Izabel Azevedo Noronha - Professora Bebel*, obteve a realização de uma...
Professora BebelPresidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de SP)Deputada Estadual eleita O arquivamento da tramitação do projeto da “escola sem partido” na comissão especial da Câmara dos...
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado A Comissão de Educação do Senado Federal iniciou hoje a discussão do PLC 88/2018 (oriundo do PL 1.287/11, da Câmara dos Deputados), que estabelece diretrizes para a...
“Eu sou aquela mulher  a quem o tempo muito ensinou. Ensinou a amar a vida E não desistir da luta, recomeçar na derrota, renunciar a palavras e pensamentos negativos. Acreditar nos valores humanos e ser otimista.” Cora...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais da educação básica pública brasileira, vem a público exigir...
A defesa dos direitos dos trabalhadores deverá enfrentar muitas dificuldades no cenário político que se aproxima, em 2019. A análise é da Secretária de Finanças da CNTE - Confederação...
Nesta segunda-feira (10/12), a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) promoveu um debate em comemoração aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, instituída...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.