Superação: Contra o racismo, coragem

Políticas afirmativas como a Lei de Cotas (Lei nº 17.711/2012) e a Lei contra o racismo (Lei nº 7.716/1989), têm significado mais espaço para uma população que hoje soma 95,9 milhões de pardos e 16,8 milhões de negros, ou 54,9% dos brasileiros

Em um país onde a maioria é tratada como minoria, os obstáculos de pardos e negros, numericamente majoritários nas estatísticas  populacionais, se mostram recorrentes. No entanto, as mulheres negras enfrentam as barreiras com militância ativa e ocupam lugar de destaque na sociedade. A Lei nº.7.716/1989, que estabelece o racismo como crime e a de Cotas, Lei nº. 17711/2012, têm contribuído para o aumento do número de denúncias e o empoderamento feminino.

“A  grande questão que se põe hoje é que o  racismo  no  Brasil  é  tão cruel, que estabelece um lugar de  minoria  aos  negros.  E  nós não somos minoria, quantitativamente, mas minoria do ponto de vista econômico”, lamenta Cristiane Sobral, atriz, escritora e poeta.

Cristiane  foi  a  primeira  atriz negra graduada em Interpretação Teatral, pela Universidade de Brasília (UnB), em 1998. “Numa época em que não existiam as cotas”, lembra. Filha de pais adotivos, nasceu no Rio de Janeiro e mudou-se para a capital do país aos onze anos de idade.

Vinte anos depois, a UnB é a  universidade com mais estudantes negros do que brancos. O número de alunos que se declararam negros e pardos, de acordo com levantamento  feito  pelo Observatório da Vida Estudantil  da própria UnB, responde por 50,6% dos matriculados no segundo semestre de 2017. Desde 2003, a universidade adota o sistema. Foi a primeira instituição pública de ensino superior do país a reservar vagas para negros. Em contrapartida, o número de professores negros na UnB ainda é minoria, não ultrapassa os 2% do corpo docente.

As  populações  parda  e  negra têm participação nas várias esferas sociais  e  econômicas,  e  alcançam espaços mais altos a passos lentos. Apesar da morosidade que a sociedade impõe, os avanços acontecem. “Se  hoje  colhemos  alguns  frutos,  somos  o resultado  do  movimento  negro, de 1978. Frutos de uma militância que plantou tudo que colhemos hoje”, reconhece Cristiane.

Basília  Rodrigues,  repórter  há  dez  anos  da  rádio  CBN,  concorda  que há espaços conquistados pelos negros e relembra a época em que entrou para a profissão. Na ocasião, conta,  o  pai  a  aconselhou  a  fazer concurso público para que tivesse espaço garantido e protegido contra ações  preconceituosas.  “Eu  não poderia, na concepção de vida dele, investir em sonhos mais altos. Sonhe,
moderadamente,  porque  você  é  negra”, recorda-se do que dizia.

Hoje, com a carreira consolidada – a jornalista é também editora da Revista Evoke e colabora para o Congresso em Foco e Jota, de notícias jurídicas, – ela não se diz imune ao racismo. “Agora, de certa forma, avalio  que  eles  me  engolem.  Ou,  melhor,  eu  engoli  a  todos”,  diz. Ao longo de carreira, a jornalista enfrentou episódios surreais de assédio e racismo.

Explica  que,  no  início  da  profissão, foi surpreendida pela chefe, que a abordou no meio da redação com uma proposta que classificava como  “irrecusável”.  “Falou  que  a  empregada  que  cuidava  da  filha dela  não  podia  dormir no trabalho  e  me  propôs  que  eu  fosse  ser  babá”,  relata.  Na  época, com 19 anos, “não acreditei no que estava ouvindo, até porque a minha chefe dizia que a proposta se encaixava certinho no meu perfil. Por que? Porque eu sou negra?”, se pergunta.

Segundo Basília Rodrigues, a profissional sequer percebeu que estava sendo racista. “Na concepção dela, eu estava tendo uma oportunidade”, lamenta. As mulheres negras no Brasil são 55,6 milhões, chefiam 41,1% das famílias negras e recebem, em média, 58,2% da renda das mulheres brancas, de acordo com os dados de 2015 extraídos do Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça.

Em  agosto  de  2017,  a  repórter  enfrentou  nova  situação  em  que se sentiu constrangida e assediada. Desta  vez,  pelo  parlamentar  Wladimir Costa (SD-PA), conhecido como o deputado da tatuagem, por ter  escrito o nome do presidente golpista, Michel Temer, no ombro direito.

Basília,  na  cobertura  de  um  evento, questionou se a imagem era verdadeira e se ele poderia mostrar para  simples  conferência.  Ele  respondeu  com  uma  frase  machista,  misógina e antiética: “para você, só se for de corpo inteiro”.

“Cheguei  em  casa  com a frase latejando em  minha  cabeça  e  não  aguentei. Escrevi um texto sobre a idiotice”. O  texto,  publicado no  perfil do Facebook da jornalista, fala da idiotice de um deputado e de uma imprensa que precisa rir para manter a fonte.

Costa, após o ocorrido, publicou nas redes sociais fotos da jornalista com  um  texto  no  qual  dizia  estar sendo acusado de assédio. Escreveu: "pelo que eu  entendi,  um suposto assédio moral,  porque me acusar de assédio sexual, vocês podem ver pelas fotos que não tem a menor condição, já que ela está a mil por cento fora dos padrões estéticos idealiza - dos, desejados por um homem e uma mulher".

O fato a fez refletir sobre o que o pai dela lhe disse no início de carreira: “era desse tipo de gente e de situação que ele tentava me proteger. Hoje, eu entendo”, reconhece.

Pioneirismo

“Diretamente por conta da pirâmide social, a mulher negra, desde a época da escravidão, foi obrigada a cuidar dos filhos da branca”, avalia Kenia Maria, a primeira defensora dos Direitos das Mulheres Negras no mundo, pela ONU Mulheres Brasil.

A  organização  foi  criada,  em  2010, para unir, fortalecer e ampliar os esforços mundiais em defesa dos direitos  humanos  das  mulheres e abriu a frente  Mulheres  Negras  Rumo a um Planeta 50-50 em 2030, para priorizar e atender a urgência de defesa e visibilidade das mulheres negras. “No Brasil, não conseguimos reconhecer o racismo”, avalia.

Figuras  como  Lázaro  Ramos,  Taís  Araújo  e,  mais  recentemente,  Erica  Januza,  que  interpreta  uma  juíza em uma novela da TV Globo, e Gabriela Dias, atriz, são exemplos de atores negros que ocupam a mídia.

Gabriela Dias é filha de Kenia Maria e possui em canal do Youtube, o Tá bom pra você, uma websérie da família do ator Érico Brás, seu padrasto”.

O programa comemorou cinco anos, com campanha contra o racismo, além de reivindicar, por meio de jornais e revistas, maior representatividade de negros na publicidade.“Somos mais da metade da população do país e consumimos mais de R$ 1,5 trilhão por ano. Mas estamos representados em apenas 4% da produção audiovisual brasileira, inclusive, na publicidade. E se a gente parar de comprar?”, questiona Kenia.

A questão é quebrar os estereótipos e estes estão sendo derrubados por  figuras  como  Kenia,  Basília  e  Cristiane. “Eu sou uma negra fracassada. Não sou prostituta, não casei e tive cinco filhos. Não cumpri o que estava programado para mim”, ironiza Cristiane.

Segundo  a  atriz,  os  avanços  existem, mas ainda há muito na sociedade a ser superado.  “Hoje em  dia, o racismo  está  saindo  do  armário.  Estamos  vivendo  outra  etapa, porque enquanto a negra era a  empregada  estava  tudo  bem,  no  quarto dos fundos. Agora, quando a  negrinha  é  amiga  da  filha  e  faz  faculdade de Direito também, você não entende isso. Quando ela passa num  concurso  e  o  seu  filho  não,  o  racismo  aparece  nitidamente.  

Quando seu filho traz a namorada, que você podia dizer que não tem nível, e agora ela é médica, você vai falar o quê? “, provoca.

> > Acesse a Revista Mátria 2018 completa em PDF

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Parlamentares, educadores/as, estudantes e sociedade derrotam o projeto da Lei da Mordaça na Câmara dos Deputados: uma vitória da resistência!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Vivemos uma conjuntura de retrocessos em escala mundial. No Brasil, este processo foi acelerado com a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro, pois durante o processo eleitoral houve abuso do poder econômico, que não foi nem...
O Sinteal abriu suas portas, na tarde desta quinta-feira (13/12), para receber centenas de crianças (e familiares) do bairro do Mutange (e entorno), que participaram do já tradicional “Auto de Natal”, que teve...
A prefeita de Guaraí, Lires Ferneda (PSDB) se nega a responder onde foi parar o saldo dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), referente ao ano de 2017. Segundo...
Eleita, nesta quarta-feira (12.12), a nova gestão do Conselho Estadual Alimentação Escolar para mandato 2018 a 2022. Ao todo 28 membros, entre titulares e suplentes, representando quatro segmentos da sociedade (Poder Executivo,...
O Sind-UTE/MG – Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, vem a público, repudiar a decisão do Governo do Estado, em dar tratamento diferenciado para o pagamento de salários a...
Em contato que manteve nesta quarta-feira, 12/12, com o Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual da Educação, a Presidenta da APEOESP, Maria Izabel Azevedo Noronha - Professora Bebel*, obteve a realização de uma...
Professora BebelPresidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de SP)Deputada Estadual eleita O arquivamento da tramitação do projeto da “escola sem partido” na comissão especial da Câmara dos...
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado A Comissão de Educação do Senado Federal iniciou hoje a discussão do PLC 88/2018 (oriundo do PL 1.287/11, da Câmara dos Deputados), que estabelece diretrizes para a...
“Eu sou aquela mulher  a quem o tempo muito ensinou. Ensinou a amar a vida E não desistir da luta, recomeçar na derrota, renunciar a palavras e pensamentos negativos. Acreditar nos valores humanos e ser otimista.” Cora...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais da educação básica pública brasileira, vem a público exigir...
A defesa dos direitos dos trabalhadores deverá enfrentar muitas dificuldades no cenário político que se aproxima, em 2019. A análise é da Secretária de Finanças da CNTE - Confederação...
Nesta segunda-feira (10/12), a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) promoveu um debate em comemoração aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, instituída...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.