Resistência: Mulheres denunciam ataques aos direitos da classe trabalhadora

O governo golpista de Michel Temer ataca, diariamente, a classe trabalhadora, seja por meio de reformas como a trabalhista e a da previdência, seja no enfraquecimento da legislação que visa combater o trabalho escravo e das políticas públicas de saúde, educação e assistência social.

O Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais (FNMT-CS) se organiza para enfrentar o desmonte ao lado de outras organizações nacionais e internacionais. Um exemplo exitoso foi a pressão para
revogar a portaria nº 1.129, que dificultava o combate ao trabalho escravo. A mobilização popular dos sindicatos
frente a diversas autoridades e à Organização Internacional do Trabalho (OIT) fez com que o governo, no último dia útil de 2017, publicasse nova portaria, desfazendo a anterior. A medida acompanhou a exoneração do ministro
Ronaldo Nogueira (PTB).

Reforma Trabalhista
As mulheres das centrais têm realizado atividades de mobilização e denúncias sobre a retirada de direitos com a (de)forma trabalhista. Dentre os absurdos provocados pela lei, estão: contrato intermitente; a tempo parcial; temporário; terceirização; jornadas flexíveis; assédio moral e sexual no trabalho; trabalho da gestante
e lactante em locais insalubres, limitação do acesso à justiça do trabalho, além da redução do tempo de descanso intra-jornada; promoções que passam a ser por “merecimento”, dentre outros.

A luta contra os ataques esteve presente na agenda do Fórum, em 2017, para os 16 dias de Ativismo pelo Fim
da Violência Contra a Mulher, que ocorre, anualmente, em todo o mundo, pela defesa da vida das mulheres.
Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT), é fundamental a “anulação” da Lei da Reforma Trabalhista
imposta pelo governo golpista e um congresso de maioria corrupta e compromissada com o grande capital, para
voltar a gerar emprego e restabelecer os direitos garantidos na Constituição.

Além disso, o governo golpista tem investido alto na destruição das políticas públicas, dentre elas, as voltadas
aos direitos sexuais e reprodutivos, as ações de combate à violência contra as mulheres, as políticas de saúde, educação e assistência, com o congelamento por 20 anos dos investimentos nessas áreas.

Tal ação de governo impactará, de forma direta a vida das mulheres, em especial as pobres, que dependem de políticas públicas, e trará grandes prejuízos à sociedade em geral.

Trabalho análogo à escravidão

A CUT tem denunciado aos organismos internacionais de direitos humanos, bem como, à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e à Organização Mundial do Comércio (OMC), inclusive com dados sobre os impactos promovidos pela nefasta reforma trabalhista que potencializa o trabalho precário e o aumento do trabalho escravo.

As perdas de direitos, somadas às mudanças estabelecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, que limita as ações de fiscalização do trabalho e tenta mudar o conceito de trabalho escravo, vêm ao encontro das exigências de setores do empresariado.

Eles veem nas nefastas formas de contrato mais espaço para exploração dos trabalhadores/as e aumento dos lucros. Sabe-se que a maioria dos empresários só visa maior lucro, mesmo que isso provoque a morte de
trabalhadores/as por exaustão.

Como forma de resistência, tanto os sindicatos do ramo do vestuário como dos trabalhadores rurais têm desenvolvido ações de denúncia das empresas onde são encontradas más condições de trabalho. O ramo do vestuário, além das ações de resistência e denúncia, participa de projeto coordenado pela OIT e MPT que busca
sensibilizar as empresas de grandes marcas para a garantia do trabalho decente e o combate ao trabalho
degradante na cadeia produtiva.

8 de março
O Fórum das Mulheres das Centrais Sindicais realizará mobilizações em torno do 8 de março, Dia Internacional da Mulher, que se somarão aos demais protestos em defesa dos direitos e da democracia. Também denunciará as irregularidades praticadas pelo executivo e legislativo, com a complacência de parte da justiça, em conluio com a elite que quer aumentar, ainda mais, os lucros em detrimento dos mais pobres. Para as mulheres do Fórum,
é fundamental que aqueles que venderam ou pretendem vender direitos não voltem ao parlamento e ao executivo.

>> Acesse a Revista Mátria completa em PDF

 
 
  19/06/2018
Boletim CNTE 815
Instituto divulga relatório sobre o PNE e os resultados tendem a piorar
INFORMATIVO CNTE 815  
 
 
Heleno Araújo conclama categoria para apoiar greve dos eletricitários
 
 

Programa 602: Heleno Araújo participa de audiência pública no senado sobre violência nas escolas

 
 

Lula é um preso político! A ditadura escancarada de Temer só sucumbirá com o povo nas ruas!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Piauí (ALEPI) se reuniram à portas fechadas com seus membros a mando governador Wellington Dias para aprovar o reajuste de...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais do setor público da educação básica brasileira, declara o seu APOIO aos/às...
Os trabalhadores em Educação da rede municipal de Goiânia realizaram novo Ato Unificado, com Assembleia da categoria, na manhã desta quinta-feira (21), na Câmara de Vereadores. Durante a Assembleia foi informado...
Uma decisão liminar determinou que a prefeitura de Guaraí (TO) assegure a professora da rede municipal, Iolanda Bastos, o direito de licença para mandato classista, inclusive com reconhecimento como hora trabalhada na...
A juíza Fabiana Oliveira de Castro julgou procedentes as ações judiciais impetradas pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial de Sergipe (Sintese) e decidiu que os educadores que se...
A assessoria jurídica do Sintero concluiu o estudo acerca da Medida Provisória 817 sancionada com vetos e convertida na Lei nº 13.681, confirmando que as emendas propostas pelo Sintero e apresentadas pelo senador Valdir Raupp foram...
O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e coordenador do Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), Heleno Araújo, participou, hoje (20), do Seminário...
A subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Várzea Grande conseguiu ganho de causa em uma ação civil pública para o pagamento de 1/3 de hora-atividade para os/as...
Trabalhadores em educação do município de Ponte Alta (TO) realizaram nesta quarta-feira, 20 de junho, manifestação contra as atrocidades cometidas pelo prefeito contra os profissionais. De acordo com a categoria, a...
Professores aposentados de várias regionais do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma) participaram do 5º Encontro Estadual de Professores Aposentados, realizado na...
A presidente do Sintet Regional de Guaraí (TO), Iolanda Bastos e o Secretário de Saúde do Trabalhador do Sintet Reg. Guaraí, professor João Machado cobraram o cumprimento das progressões e PCCR em Colmeia,...
A mobilização por valorização dos/as servidores/as públicos/as de Maceió continua forte. Com paralisação marcada para esta quarta e quinta-feira (20 e 21/06), o movimento unificado realizou, na...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.