Resistência: Mulheres denunciam ataques aos direitos da classe trabalhadora

O governo golpista de Michel Temer ataca, diariamente, a classe trabalhadora, seja por meio de reformas como a trabalhista e a da previdência, seja no enfraquecimento da legislação que visa combater o trabalho escravo e das políticas públicas de saúde, educação e assistência social.

O Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais (FNMT-CS) se organiza para enfrentar o desmonte ao lado de outras organizações nacionais e internacionais. Um exemplo exitoso foi a pressão para
revogar a portaria nº 1.129, que dificultava o combate ao trabalho escravo. A mobilização popular dos sindicatos
frente a diversas autoridades e à Organização Internacional do Trabalho (OIT) fez com que o governo, no último dia útil de 2017, publicasse nova portaria, desfazendo a anterior. A medida acompanhou a exoneração do ministro
Ronaldo Nogueira (PTB).

Reforma Trabalhista
As mulheres das centrais têm realizado atividades de mobilização e denúncias sobre a retirada de direitos com a (de)forma trabalhista. Dentre os absurdos provocados pela lei, estão: contrato intermitente; a tempo parcial; temporário; terceirização; jornadas flexíveis; assédio moral e sexual no trabalho; trabalho da gestante
e lactante em locais insalubres, limitação do acesso à justiça do trabalho, além da redução do tempo de descanso intra-jornada; promoções que passam a ser por “merecimento”, dentre outros.

A luta contra os ataques esteve presente na agenda do Fórum, em 2017, para os 16 dias de Ativismo pelo Fim
da Violência Contra a Mulher, que ocorre, anualmente, em todo o mundo, pela defesa da vida das mulheres.
Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT), é fundamental a “anulação” da Lei da Reforma Trabalhista
imposta pelo governo golpista e um congresso de maioria corrupta e compromissada com o grande capital, para
voltar a gerar emprego e restabelecer os direitos garantidos na Constituição.

Além disso, o governo golpista tem investido alto na destruição das políticas públicas, dentre elas, as voltadas
aos direitos sexuais e reprodutivos, as ações de combate à violência contra as mulheres, as políticas de saúde, educação e assistência, com o congelamento por 20 anos dos investimentos nessas áreas.

Tal ação de governo impactará, de forma direta a vida das mulheres, em especial as pobres, que dependem de políticas públicas, e trará grandes prejuízos à sociedade em geral.

Trabalho análogo à escravidão

A CUT tem denunciado aos organismos internacionais de direitos humanos, bem como, à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e à Organização Mundial do Comércio (OMC), inclusive com dados sobre os impactos promovidos pela nefasta reforma trabalhista que potencializa o trabalho precário e o aumento do trabalho escravo.

As perdas de direitos, somadas às mudanças estabelecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, que limita as ações de fiscalização do trabalho e tenta mudar o conceito de trabalho escravo, vêm ao encontro das exigências de setores do empresariado.

Eles veem nas nefastas formas de contrato mais espaço para exploração dos trabalhadores/as e aumento dos lucros. Sabe-se que a maioria dos empresários só visa maior lucro, mesmo que isso provoque a morte de
trabalhadores/as por exaustão.

Como forma de resistência, tanto os sindicatos do ramo do vestuário como dos trabalhadores rurais têm desenvolvido ações de denúncia das empresas onde são encontradas más condições de trabalho. O ramo do vestuário, além das ações de resistência e denúncia, participa de projeto coordenado pela OIT e MPT que busca
sensibilizar as empresas de grandes marcas para a garantia do trabalho decente e o combate ao trabalho
degradante na cadeia produtiva.

8 de março
O Fórum das Mulheres das Centrais Sindicais realizará mobilizações em torno do 8 de março, Dia Internacional da Mulher, que se somarão aos demais protestos em defesa dos direitos e da democracia. Também denunciará as irregularidades praticadas pelo executivo e legislativo, com a complacência de parte da justiça, em conluio com a elite que quer aumentar, ainda mais, os lucros em detrimento dos mais pobres. Para as mulheres do Fórum,
é fundamental que aqueles que venderam ou pretendem vender direitos não voltem ao parlamento e ao executivo.

>> Acesse a Revista Mátria completa em PDF

 
 
  17/09/2018
Boletim CNTE 820
19ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública: um momento de reflexão para avançar no futuro!
INFORMATIVO CNTE 820  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 604: Em audiência pública, CNTE reitera posicionamento contrário à BNCC

 
 

Nota Pública: Lei da Mordaça (“Escola Sem Partido”) é inconstitucional, antidemocrática e antipedagógica

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa de mais de 4 milhões de trabalhadores/as das escolas públicas brasileiras, vem a público repudiar a proposição...
Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados Nessa quarta-feira (19/09), o secretário de Assuntos Jurídicos e Legislativos da CNTE, Gabriel Magno, participou de uma Comissão Geral para debater o uso de recursos de...
Desde de segunda-feira (17/09), ocorre em todo o Brasil a 19ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública. Conforme orientação da Confederação, o Sindicato dos...
Os recursos referentes à parcela de agosto do salário-educação estão disponíveis a partir desta sexta-feira (14), na conta corrente de estados, municípios e do Distrito Federal. Responsável pela...
Com a participação de mais de 450 profissionais da educação, aconteceu entre os dias 14 e 16 de setembro, o Encontro Extraordinário de Educação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de...
A CNTE esteve presente na audiência pública que debateu a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio na manhã desta sexta-feira (14), em Brasília. A secretária de finanças da CNTE, Rosilene...
“A Emenda Constitucional 95 aponta para um futuro sombrio aonde a Educação será cada vez mais mercantilizada e dominada pela iniciativa privada”, afirmou o secretário de assuntos municipais da...
O Sindicato do Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) realiza, a partir desta sexta-feira (14.09), no Hotel Fazenda Mato Grosso, em Cuiabá, três dias (14, 15 e 16) de Encontro Extraordinário de...
A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (FETEMS) realizou na quarta-feira (12/9), o Seminário Sobre a Conjuntura Educacional com o Presidente da CNTE (Confederação Nacional dos...
O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), através de Regional de Palmas, vem por meio dessa nota expressar repúdio contra a direção do CMEI Sementinhas do Saber, por viabilizar...
Jordana Mercado Reunido desde ontem (11) em Curitiba-PR, o Coletivo de Aposentados e Assuntos Previdenciáriosda CNTE está tendo as atividades numa dinâmica de debate, socialização das melhores práticas entre os...
El Grupo de Trabajo CLACSO Indígenas y espacio urbano Manifiesta su adhesión al comunicado: La dirección y los miembros investigadores del programa de investigación “Economía política y formaciones...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.