Internacional Shanti Bhavan: uma escola comprometida com as meninas

É em Tamil Nadu, no sudeste de Bangalore, Índia, que há 21  anos  uma  experiência singular na área de educação vem acontecendo:  é  a  escola  Shanti Bhavan. A maior parte dos alunos atendidos gratuitamente nessa instituição (95%) pertence à casta “dalit” (conhecidos como intocáveis). As crianças estudam em regime de internato (têm comida, abrigo e estudos) e só saem após terminar na 12ª série. Isto é, prontos para ingressarem em um curso superior. Apenas uma criança por família pode frequentar essa escola.

É um projeto que atua em diversas questões sociais: um dos critérios de seleção é a família estar baixo da linha da pobreza; outro, é
que a família precisa concordar que a criança não seja retirada de Shanti Bhavan antecipadamente para se casar ou trabalhar. Além disso, traz um forte comprometimento com a vida das meninas, que são tratadas com equidade e preparadas para lidar com os desafios que a sociedade patriarcal impõe.

Shanti Bhavan é um projeto idealizado pelo professor e empresário indiano-americano Dr. Abraham George. Ele começou a construir  
a escola com recursos próprios e, depois de um tempo, passou a buscar parcerias e doações para que a escola continuasse atendendo mais famílias. A intenção dele é fazer com que os jovens formados nesse projeto atuem como multiplicadores e que,
após  se  estabelecerem  profissionalmente, eles possam ajudar suas famílias e comunidades.

A  escola foi tema do documentário  “Filhas do Destino”,  que  acompanhou  por  alguns anos a vida de cinco meninas que frequentaram a escola. Também foi tema de reportagem  em  diversos  veículos internacionais.

Para saber um pouco mais sobre o trabalho da escola com as meninas, a Revista Mátria entrou em contato com a escola e conversou, por  e-mail, com o diretor  de operações, Ajit George. Confira a entrevista.

MÁTRIA: O documentário “Filhas do Destino” (Daughters of Destiny) foca nas alunas. É fácil para as jovens encontrarem trabalho bem remunerado na Índia? Como a escola as ajuda a lidarem com situações de desemprego ou baixo salário?

Ajit George: Nós sempre pensamos que pobreza é o oposto de riqueza, e achamos que a solução é simples. Mas pobreza é profundamente interseccional, tanto quanto social  e  financeira.  A sociedade patriarcal, profundamente enraizada na Índia, considera as mulheres menores, em casa e no trabalho. Isso afeta  drasticamente  a  saúde  das mulheres, situação financeira, educação  e  envolvimento  político.  As  mulheres costumam se casar jovens, rapidamente se tornam mães e estão sobrecarregadas por responsabilidades domésticas e financeiras. Na Shanti Bhavan, nós estimulamos todos os nossos alunos para que eles assumam o controle de suas vidas e tragam mudanças positivas para suas famílias e comunidades. Com 17 anos de intervenção educacional,  nivelamos o campo de jogo, permitindo que nossas crianças entrem no mercado global por mérito próprio. Isso inclui reconhecer os desafios específicos que as nossas alunas enfrentam e proporcionar-lhes oportunidades para superar esses obstáculos. Por  exemplo,  antes de selecionar estudantes do sexo feminino, nós sentamos com suas famílias para explicar a importância de permitir que sua filha complete sua educação e não a retire da escola cedo para o casamento.

Além disso, para garantir que nossas estudantes tenham as habilidades que precisam para competir na força de trabalho, nós dirigimos um Clube de Liderança Feminina (Girls  Leadership  Club).  O clube inclui as estudantes do sexo feminino da 9ª a 12ª série e é um espaço seguro para desenvolver e praticar suas habilidades de liderança, bem como se conectar com mentores, que as apoiam com orientação ao longo da vida e conexões com oportunidades de trabalho.

Sempre que nossos formados enfrentam  obstáculos ou desafios, eles sabem que sempre podem chegar a Shanti Bhavan para obter  ajuda. Podemos aproveitar a rede global da organização para conectá-los com contatos que podem  ajudá-los a garantir um emprego. Esperamos que todos os alunos trabalhem duro, mas estão sempre dispostos a prestar assistência, quando possível.

M: A escola ensina equidade de gênero aos alunos? De que forma?

A: Shanti  Bhavan criou uma comunidade de igualdade de gênero desde o início. Isso é estabelecido quando  as crianças chegam  pela primeira vez à escola aos 4  anos. Em todas as interações, professores, funcionários e crianças mais velhas modelam o comportamento positivo de ambos os sexos. Nós garantimos que as meninas e os meninos sejam tratados como iguais dentro e fora da sala de aula e sempre atribuir a eles papéis de liderança e oportunidades de forma equitativa. Na assembleia, discutimos as notícias e abordamos assuntos atuais sobre questões de igualdade de gênero. Para  combater os valores patriarcais tradicionais reforçados nas casas dos nossos alunos, comecei um Workshop de Feminismo para Meninos, que oferece aos nossos estudantes masculinos de 15 a 18 anos a oportunidade de aprender sobre os problemas que as suas mulheres enfrentam e desafiá-los a  simpatizar e a tornarem-se aliados na luta contra a discriminação baseada no gênero. Simultaneamente, nossas educadoras aplicam
o “Girls Leadership Club” que ensina nossas jovens mulheres a se defenderem, a capacitá-las como líderes e permitir-lhes um espaço para discutir questões complexas com o apoio de seus pares.

M: No Brasil, a CNTE lançou uma campanha de combate à Cultura do Estupro, que visa erradicar comportamentos violentos em relação às mulheres desde cedo, entre crianças e jovens. A Shanti Bhavan desenvolve alguma campanha ou aula sobre isso? Como funciona?

A: Nossos meninos estão constantemente expostos ao comportamento positivo e às interações com as meninas por meio de
interações variadas com seus professores, administradores e alunos mais velhos. Eles também discutem questões que surgiram nas notícias, como o caso de violação de Deli, e compreendem  suas  implicações e discutem  ativamente sobre como elas gostariam de mudar a sociedade para melhor.

Ensinar os meninos a serem feministas por meio do Workshop de Feminismo para Meninos dá-lhes um senso de consciência e empatia e ajuda-os a evitar cair na cultura masculina tóxica que trata as mulheres como objetos. Minha esperança é que, iniciando essa conversa em uma idade jovem, capacitará nossos estudantes do sexo masculino a serem promotores de mudanças e ajudar a
combater o sexismo dentro de suas comunidades.

M: Em todos esses anos de atuação, como o senhor consegue mensurar as mudanças culturais e econômicas na comunidade onde a escola funciona?

A: Medimos nosso impacto com base nos resultados dos nossos alunos, após cinco anos de conclusão no programa Shanti Bhavan. Nossos graduados são autores, cientistas da computação, engenheiros, empresários, professores e muito mais. Eles estão  trabalhando  para  empresas multinacionais como Amazon, Goldman Sachs e Mercedes Benz. Eles fazem mais nos primeiros cinco anos de suas carreiras do que os pais em toda a vida.Todos os graduados de Shanti Bhavan devolvem 20 a 50% de seus salários para suas famílias, comunidades e outras crianças necessitadas, criando um efeito de ondulação que afeta milhares. As crianças de Shanti Bhavan elevam suas comunidades pagando a dívida geracional, financiando oportunidades de educação para irmãos mais novos, cobrindo os custos médicos e movendo sua família para uma melhor habitação.

Saiba mais: www.shantibhavanchildren.org

>> Acesse a Revista Mátria completa em PDF

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Parlamentares, educadores/as, estudantes e sociedade derrotam o projeto da Lei da Mordaça na Câmara dos Deputados: uma vitória da resistência!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Vivemos uma conjuntura de retrocessos em escala mundial. No Brasil, este processo foi acelerado com a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro, pois durante o processo eleitoral houve abuso do poder econômico, que não foi nem...
O Sinteal abriu suas portas, na tarde desta quinta-feira (13/12), para receber centenas de crianças (e familiares) do bairro do Mutange (e entorno), que participaram do já tradicional “Auto de Natal”, que teve...
A prefeita de Guaraí, Lires Ferneda (PSDB) se nega a responder onde foi parar o saldo dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), referente ao ano de 2017. Segundo...
Eleita, nesta quarta-feira (12.12), a nova gestão do Conselho Estadual Alimentação Escolar para mandato 2018 a 2022. Ao todo 28 membros, entre titulares e suplentes, representando quatro segmentos da sociedade (Poder Executivo,...
O Sind-UTE/MG – Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, vem a público, repudiar a decisão do Governo do Estado, em dar tratamento diferenciado para o pagamento de salários a...
Em contato que manteve nesta quarta-feira, 12/12, com o Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual da Educação, a Presidenta da APEOESP, Maria Izabel Azevedo Noronha - Professora Bebel*, obteve a realização de uma...
Professora BebelPresidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de SP)Deputada Estadual eleita O arquivamento da tramitação do projeto da “escola sem partido” na comissão especial da Câmara dos...
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado A Comissão de Educação do Senado Federal iniciou hoje a discussão do PLC 88/2018 (oriundo do PL 1.287/11, da Câmara dos Deputados), que estabelece diretrizes para a...
“Eu sou aquela mulher  a quem o tempo muito ensinou. Ensinou a amar a vida E não desistir da luta, recomeçar na derrota, renunciar a palavras e pensamentos negativos. Acreditar nos valores humanos e ser otimista.” Cora...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais da educação básica pública brasileira, vem a público exigir...
A defesa dos direitos dos trabalhadores deverá enfrentar muitas dificuldades no cenário político que se aproxima, em 2019. A análise é da Secretária de Finanças da CNTE - Confederação...
Nesta segunda-feira (10/12), a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) promoveu um debate em comemoração aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, instituída...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.