Paridade: Elas estão ocupando mais

O movimento pela paridade nos sindicatos de educação não para de crescer

As mulheres só vão parar de debater a paridade quando elas alcançarem, pelo menos, metade dos cargos de direção dos sindicatos de educação. Essa é a sensação que fica quando conversamos com Gisele Vargas, secretária de defesa de direitos de gênero e LGBT da Confederação Nacional dos Trabalhadores  em  Estabelecimentos de Ensino (Contee), e Luciene Fernandes, secretária da Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Proifes).

A  CNTE  foi  a  que  primeiro avançou nesse campo. Desde 2014, a metade dos membros da diretoria é formada  por  mulheres.  A  novidade  da  gestão,  eleita  em  2017,  é  que  elas ocupam  cargos  de  destaque, como a  vice-presidência e a  secretaria de  finanças,  além  de  dividirem,  igualmente,  os  cargos  com  os  homens.  

Desde  a  gestão  anterior,  a  secretaria geral já estava sob o comando de uma mulher. Dos 50 sindicatos filiados à entidade, 21  têm  mulheres à frente, e aqueles nos quais a direção é colegiada, 11, quatro já alcançaram a paridade na direção. No Sindicato
dos  Professores  do  Distrito  Federal (Sinpro-DF)  e  no Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindiUTE-MG) a participação  de  mulheres  na  direção supera os homens, são 19 contra 17, e  cinc0 e dois, respectivamente. As  
mulheres  são  maioria,  também,  no  Sindicato de Trabalhadores em Educação de Rio Grande (RS). Dos cinco cargos,  somente  um  é  ocupado  por  homem.

Na Contee são seis mulheres e 13  homens  na  diretoria.  “Apesar da nossa diretoria ser bem diversificada, não foi uma medida que a gente pode chamar de planejada”, explica Gisele. A secretária da Contee avalia que isso acontece porque “os sindicatos são filiados à CTB e à CUT, e eles já têm a pauta da equidade discutida em suas bases. Aí a nossa diretoria apenas reflete isso.” No  Proifes, a situação é um pouco diferente.  Na diretoria executiva,  são  três mulheres e sete homens. Luciene Fernandes explica que o tema da paridade foi discutido no  último  encontro  nacional  da  entidade. “Foi criada uma comissão para poder tratar desses assuntos. O movimento das mulheres, ainda, é bem incipiente dentro da Federação, e começou a tomar mais corpo agora”.

Segundo Luciene, a baixa presença de mulheres pode ser explicada pelo perfil da antiga  base  da  categoria. “O movimento docente, no caso universitário federal, era composto por homens mais velhos. Hoje, estamos com uma transição. Temos participação  de  professores  mais  novos, que entendem as questões não só de mulheres, como de direitos humanos, negros, indígenas e LGBTs”.

Outra   questão   que   impede o maior acesso das mulheres é a dinâmica de escolha da diretoria. “A grande dificuldade para a gente
ter  paridade  é  porque  a  executiva do Proifes é indicada pelos seus sindicatos federados. E  é preciso que eles indiquem nomes de mulheres também. Vamos debater se isso é possível dentro do atual regimento ou se será preciso modificar o documento para fomentar a participação feminina”, esclarece Luciene.

Luciene Fernandes tomou posse, em fevereiro, como vice-presidente da Proifes. “Já existe um movimento bastante acolhedor dessa proposta dentro da nossa diretoria. A expectativa é que as mulheres possam ter um protagonismo a esse respeito.”

Paridade na CUT

Foi em 2012 que o movimento de mulheres da CUT entrou para a história por ter conquistado a paridade de gênero na direção da Executiva Nacional e nas estaduais. Resultado de muita mobilização, a nova regra foi aprovada por um auditório completamente tomado por bandeiras na cor lilás empunhadas por mulheres que não deixariam o plenário sem a vitória. A medida passou a valer a partir das eleições de 2015.

Para  chegar  nesse  resultado, as mulheres travaram diversas batalhas. Em 1986, no 2º Congresso Nacional  da  CUT,  foi  criada  a  
Comissão da Questão da Mulher Trabalhadora, que começou a fortalecer as mulheres no movimento. Em 1991, teve início o processo de discussão de  ações  afirmativas  para  corrigir as desigualdades entre os gêneros, que culminou na 6ª Plenária Nacional da CUT, em 1993. Na ocasião, foi aprovada a cota mínima de 30% e máxima de 70% de cada gênero nas instâncias da Central.

Em  artigo,  a  vice-presidenta da CUT, Carmen Foro, explica que “a paridade sustenta o princípio de justiça democrática de modo que o sexo não seja critério para discriminar as mulheres no acesso ao poder político, uma vez que não é natural nas direções políticas e nas instâncias de poder e decisão, onde existe predominância  de  homens”.  Ela  ressalta que “aplicar o princípio da paridade  significa  garantir  que  as mulheres tenham o mesmo acesso ao poder político em todos os níveis, a começar pela própria organização sindical, garantindo que elas estejam representadas da mesma maneira que os homens em todos os âmbitos da vida social, econômica e cultural.”

América Latina

A Internacional da Educação para América Latina (IEAL) realizou, em 2017, o encontro “Mulheres em posições de poder”, da Rede Trabalhadores de Educação para a Região Andina e do Cone Sul, em Assunção, no Paraguai. Lá, as afiliadas à IEAL discutiram os principais obstáculos para maior participação das mulheres e a necessidade de uma política de igualdade de gênero em suas estruturas internas.

Combertty Rodríguez, coordenador da IEAL, adverte que, embora existam organizações onde há posições de liderança ocupadas por mulheres, isso não é garantido por uma política, de forma estrutural.

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Parlamentares, educadores/as, estudantes e sociedade derrotam o projeto da Lei da Mordaça na Câmara dos Deputados: uma vitória da resistência!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Vivemos uma conjuntura de retrocessos em escala mundial. No Brasil, este processo foi acelerado com a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro, pois durante o processo eleitoral houve abuso do poder econômico, que não foi nem...
O Sinteal abriu suas portas, na tarde desta quinta-feira (13/12), para receber centenas de crianças (e familiares) do bairro do Mutange (e entorno), que participaram do já tradicional “Auto de Natal”, que teve...
A prefeita de Guaraí, Lires Ferneda (PSDB) se nega a responder onde foi parar o saldo dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), referente ao ano de 2017. Segundo...
Eleita, nesta quarta-feira (12.12), a nova gestão do Conselho Estadual Alimentação Escolar para mandato 2018 a 2022. Ao todo 28 membros, entre titulares e suplentes, representando quatro segmentos da sociedade (Poder Executivo,...
O Sind-UTE/MG – Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, vem a público, repudiar a decisão do Governo do Estado, em dar tratamento diferenciado para o pagamento de salários a...
Em contato que manteve nesta quarta-feira, 12/12, com o Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual da Educação, a Presidenta da APEOESP, Maria Izabel Azevedo Noronha - Professora Bebel*, obteve a realização de uma...
Professora BebelPresidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de SP)Deputada Estadual eleita O arquivamento da tramitação do projeto da “escola sem partido” na comissão especial da Câmara dos...
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado A Comissão de Educação do Senado Federal iniciou hoje a discussão do PLC 88/2018 (oriundo do PL 1.287/11, da Câmara dos Deputados), que estabelece diretrizes para a...
“Eu sou aquela mulher  a quem o tempo muito ensinou. Ensinou a amar a vida E não desistir da luta, recomeçar na derrota, renunciar a palavras e pensamentos negativos. Acreditar nos valores humanos e ser otimista.” Cora...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais da educação básica pública brasileira, vem a público exigir...
A defesa dos direitos dos trabalhadores deverá enfrentar muitas dificuldades no cenário político que se aproxima, em 2019. A análise é da Secretária de Finanças da CNTE - Confederação...
Nesta segunda-feira (10/12), a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) promoveu um debate em comemoração aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, instituída...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.