A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet) esteve reunida na tarde desta segunda-feira (17), de forma online para tratar do Decreto n° 5.846, do Governador Mauro Carlesse, que autoriza o retorno imediato das aulas presenciais na rede estadual de ensino.

Para o Sintet, “essencial é a vida, essa uma vez perdida não há como recuperar, vemos com muita preocupação o decreto do governo estadual”, disse o presidente do Sintet José Roque Santiago.

O Sintet defende o retorno das aulas presenciais apenas com a vacinação dos profissionais da educação e da comunidade escolar contra a COVID -19. “O Sindicato tem reivindicado tanto do governo estadual quanto das prefeituras para que incluam os profissionais da educação nos grupos prioritários de imunização, porém sem resposta. “O mesmo governo que fala que a educação é essencial e determina a volta às aulas presenciais não a vê como essencial para a sua inclusão no grupo de vacinação, que forma essencial é essa? Queremos saber”, completou.

Na reunião ficou encaminhado que o sindicato mantém o posicionamento contrário do retorno das aulas presenciais sem vacina, e pela manutenção do ensino remoto.

Um canal de denúncia será criado no site do Sintet, onde os profissionais vão poder falar, de forma anônima, qual a realidade das escolas, se tem equipamento de proteção individual, se tem álcool em gel, porque foi anunciado desde o ano passado que as escolas receberiam esses kits, e tem escola que nunca recebeu uma máscara se quer.

“Vamos formalizar essas denúncias junto aos órgãos competentes. Havendo aumento de casos, vamos responsabilizar o Governador Mauro Carlesse e a Secretária de Educação, Adriana Aguiar”, disse o presidente.

O Sintet também vai monitorar os boletins da pandemia em todos os municípios. Ainda será cobrado audiências com os executivos municipais para discutir a imunização dos profissionais e sobre o retorno das aulas com segurança sanitária e com responsabilidade.

A assessoria jurídica do Sintet entrará com ações regionalizadas em cada comarca, zelando pela vida dos profissionais da educação e cobrando a inclusão da categoria nos grupos prioritários de imunização.

Na próxima sexta-feira (21) será realizado uma nova reunião da diretoria para fazer um balanço dos encaminhamentos levantados hoje e tomar novas decisões acerca do retorno das aulas.

(Sintet, 18/05/2021)