PANORAMA

2019 06 14 campogrande

Cidades brasileiras registraram diversos protestos e paralisações em serviços públicos na manhã desta sexta-feira (14). Trabalhadores cruzaram os braços contra os cortes do governo na educação e a reforma da Previdência. Pela manhã, o menos 25 estados e o DF realizaram atos públicos.

Confira as mobilizações dos educadores:

ACRE

No Acre, um grupo de estudantes e sindicalistas fechou um trecho da BR-364, impedindo a passagem de ônibus do transporte coletivo e de mercadorias nas primeiras horas do dia. O ato se concentrou em frente a uma das garagens de ônibus de Rio Branco.

ALAGOAS

Em Maceió, os trabalhadores bloquearam as ruas, realizaram uma caminhada no centro da cidade e finalizaram com ato público em frente ao Banco do Brasil.

AMAPÁ

Em Macapá, professores, técnicos e um grupo de estudantes da universidade federal (Unifap) fizeram ato a partir das 9h. As aulas na instituição foram suspensas, segundo o sindicato dos docentes.

AMAZONAS

Em Manaus, alunos e professores fecharam parcialmente a entrada da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) para um protesto que iniciou às 8h30, o que afetou o trânsito na Zona Sul da cidade. No Centro Histórico de Manaus, bancários se reuniram às 7h na Praça da Polícia. trabalhadores de refinarias da Petrobras também se juntaram aos atos.

BAHIA

Trabalhadores de diversos segmentos e movimentos estudantis de Lauro de Freitas realizaram desde às 7h, na altura do Posto Menor Preço na Estrada do Coco, uma grande manifestação em defesa da educação pública de qualidade, contra os cortes de verbas da educação, pela aposentadoria e por mais empregos. Em Camaçari, os trabalhadores fecharam o comércio da cidade.

CEARÁ

Em Fortaleza, trabalhadores se reuniram no blocão da Educação, com concentração na Praça da Bandeira, às 8h.

DISTRITO FEDERAL

Em Brasília, os profissionais da educação se reuniram em frente à Praça do Buriti. Além da pauta nacional, os educadores debateram sobre vários temas, como: PDE – Meta 17; Cumprimento das 21 metas; Regularidade nos repasses do PDAF; Construção e reforma de escolas; Gozo da licença-prêmio; Concurso público; Construção de creches; Reajuste salarial – 37%; Pagamento da última parcela do Plano de Carreira; Reajuste do auxílio alimentação; Plano de saúde; Pagamento da pecúnia da licença-prêmio; Militarização; Nomeação de professores; e reforma da Previdência.

ESPÍRITO SANTO

Professores/as, funcionários/as de escola, bancários, motoristas e outras categorias, além de dirigentes do SINDIUPES e estudantes estão juntos em Defesa de Empregos, da Educação e de Aposentadoria. Desde as primeiras horas dessa sexta-feira (14), houve manifestação em diversas vias de acesso à capital: Segunda e Terceira Ponte, Segunda Ponte e BR 262- Cariacica, BR-101-Serra e Região da Vila Rubim, no centro de Vitória, foram tomadas pelos trabalhadores/as que seguem em passeata por várias regiões da Região Metropolitana. de Vitória.

Às 13h, haverá Ato Unificado em frente à Findes-Federação das Indústrias, na Reta da Penha, em Vitória, organizado pelas centrais sindicais e movimentos sociais.

MATO GROSSO DO SUL

Os trabalhadores de Campo Grande se concentraram às 9h, na Praça do Rádio Clube. Eles realizaram um grande ato público contra os cortes do governo na educação e a reforma da Previdência.

MARANHÃO

Desde as primeiras horas desta sexta-feira, trabalhadores de São Luiz realizam manifestação pela garantia da aposentadoria do trabalhador brasileiro e contra os cortes na educação, na Greve Geral Nacional da Classe Trabalhadora. Os profissionais se concentraram em dois pontos: Barragem do Bacanga e quilômetro um da BR 135, onde bloquearam os acessos. A Greve Geral conta ainda com a paralisação do transporte coletivo, através do Sindicato dos Rodoviários, Agências Bancárias e serviço público. À tarde, está marcado um grande ato público na Praça Deodoro, às 13h.

MINAS GERAIS

Em Uberlândia, parte das escolas municipais e estaduais, além da universidade federal (UFU), ficaram sem aula. Em Juiz de Fora, também houve adesão à paralisação em parte das escolas da rede estadual e na universidade federal (UFJF).

PARANÁ

Nesta sexta-feira (14), trabalhadores e estudantes paralisam as atividades contra o desmonte da previdência, os ataques à educação pública e a falta de empregos. Em Foz do Iguaçu teve uma passeata pelas ruas da cidade. Mais atividades em todo o estado acontecerão no período da tarde. Em Curitiba, servidores se manifestam no Centro Cívico em defesa da data-base e contra a Reforma da Previdência. Em Cascavel e Colombo, os educadores também se reuniram contra a reforma da Previdência.

RIO GRANDE DO SUL

Em Caxias do Sul, educadores realizaram piquetes e o fechamento do trânsito na Rota do Sol. Em Ijuí, os trabalhadores montaram piquetes na madrugada em frente às garagens e realizaram Ato Público em repúdio à Reforma da Previdência. Em Bagé, educadores estaduais, municipais e bancários realizaram panfletagem na Praça Silveira Martins. À tarde os trabalhadores farão Ato Público. Em Porto Alegre, desde a madrugada, educadores e demais trabalhadores fizeram a resistência em frente a garagem da Sopal. Em Pelotas, educadores fizeram piquete em frente à garagem Santa Silvana.

RONDONIA

Em Rondônia, quatro escolas municipais e quatro escolas estaduais tiveram as aulas totalmente paralisadas em Vilhena. Em Porto Velho, manifestantes se reuniram na praça das Três Caixas D'água.

RORAIMA

Em Roraima, houve bloqueio de trecho da BR-174 no município de Mucajaí, no Sul do estado. Em Boa Vista, as duas entradas da Universidade Federal de Roraima (UFRR) também foram trancados. Escolas também aderira à paralisação.

SÃO PAULO

Em Ribeirão Preto, os educadores se reuniram às 9h, em frente a Câmara Municipal, e sairam em caminhada até a prefeitura.  

TOCANTINS

O Sintet convocou toda a categoria para protestar contra a reforma da Previdência nesta sexta-feira (14). A concentração do ato público em Palmas começou às 8h, próximo ao Colégio São Francisco, na Avenida JK. No Araguaína, os trabalhadores se concentraram no antigo Posto Goiás- INSS/Câmara, às 7h30, e realizaram caminhada da Educação até a Praça das Bandeiras. Para o período da tarde, há previsão de mais mobilizações. Em Tocantinópolis, teve ato público na Praça Darcy Marinho às 8h, em conjunto com técnicos e docentes da UFT. Em Novo Acordo, os profissionais da educação se reuniram às 7h30, na rotatória da entrada da cidade e fizeram uma caminhada pelas principais ruas. O encerramento ocorreu com Ato Público na Praça Salmon do Amaral. Em Augustinópolis, teve manifestação pública, na Praça Ary Valadão. Em Porto Nacional, a mobilização ocorreu às 8h, na Praça do Centenário.

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS: