2021 06 22 giro cpers

Tomaram posse, na noite desta segunda-feira (21), as direções que conduzirão os rumos do CPERS e da luta da categoria no período de 2021 a 2024.

A solenidade, realizada de forma digital, foi transmitida ao vivo pelo Facebook do Sindicato e contou com a participação dos dirigentes eleitos para a Direção Central e dos 42 Núcleos, parlamentares convidados e representantes de centrais sindicais e da CNTE.

Reeleita para o terceiro mandato consecutivo, a presidente Helenir Aguiar Schürer fez um chamado à unidade e apontou para a necessidade de cerrar fileiras em defesa da valorização salarial da categoria.

“Faremos todos os esforços para avançar no que a nossa categoria mais precisa, que é um salário digno para sobreviver.”

Seu discurso também lançou luz sobre os principais desafios enfrentados pelos trabalhadores(as) da educação, sob intenso ataque dos governos Leite (PSDB) e Bolsonaro.

“Temos que nos levantar e dizer basta a esta política que levou 500 mil vidas embora”, afirmou.
 
Fazer recuar a militarização das escolas, derrotar a Reforma Administrativa, frear a mercantilização da educação pública e incidir sobre o processo eleitoral para derrotar projetos neoliberais e de extrema-direita serão, de acordo com Helenir, as prioridades da gestão.

“Quero continuar resgatando o orgulho de ser professor, de ser funcionário público, de ser CPERS. Precisamos da unidade massiva da categoria. Estamos assumindo com toda garra e seriedade e tenho certeza que juntos seremos bem mais fortes”, concluiu.

Em suas casas e sedes regionais, os dirigentes eleitos para os 42 Núcleos do CPERS também foram empossados ao som de sinetas e empunhando bandeiras da entidade.

Valentia e luta

Fátima Silva, secretária geral da CNTE, saudou a nova gestão e trouxe a preocupação com o futuro da educação no contexto do avanço do ensino remoto e de soluções tecnocráticas.

“Nossa profissão foi bruscamente modificada com a virtualidade que chegou sem nos avisar, sem nos pedir permissão. Foi uma emergência, necessária enquanto estávamos preservando vias. Mas a virtualidade não vem para nos substituir, não vem para ficar, e é contra isso que vamos lutar”, ponderou.

Para Amarildo Pedro Cenci, presidente da CUT/RS, estar à frente do CPERS é uma tarefa que exige coragem e resiliência. “Ser sindicalista em um momento tão duro para a educação como é muito difícil. Quero saudar essa direção e essa categoria valente que sempre está à frente da luta social no Rio Grande do Sul”, observou.

A vice-presidente da CTB/RS, Silvana Conti, também aludiu aos desafios enfrentados no âmbito federal. “É muito importante a gente lembrar as mais de 500 mil mortes por opção política e ideológica de nosso presidente Jair Bolsonaro. Estamos construindo uma unidade ampla contra o nosso inimigo comum. Venceremos.”

A primeira reunião da nova composição da Direção Central ocorre na tarde desta terça-feira (22).

Clique aqui e confira a nominata eleita