#MPDOAPAGÃO

2021 05 07 destaque cntenamidia

Nesta quinta-feira (06 de maio), parlamentares e entidades contrários à privatização da Eletrobras realizaram um novo “tuitaço”, contra a medida do governo. Desta forma, foram postadas as razões contra a venda da empresa e levantando a suspeição do processo nas redes sociais com a “hashtag” #MPdoApagão. A mobilização em torno da defesa da estatal está crescendo e alcançou nesta última quinta-feira, algo em torno de 43 mil tuítes, com o apoio de entidades e parlamentares.

Indignação
Em uma das manifestações, o deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ) e líder da minoria na Câmara, tuitou que o apagão no Amapá é a prova de que a privatização do setor elétrico significa contas mais caras e serviço ruim. Freixo ressaltou que a empresa estatal socorreu o problema causado pela empresa privada no caso do apagão do Amapá.

O deputado federal Glauber Braga (Psol-RJ), destacou que a “energia é vital e proporciona serviços essenciais. Por esta razão, é um direito de TODOS”. Não privatizem a Eletrobras!

O deputado João Daniel (PT-SE), levantou que há algo de mais suspeito no processo. Existe declaração do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia apontando suspeição da privatização da Eletrobras por beneficiar os atuais acionistas minoritários. A suspeição ocorre ao incluir Tucuruí na MP1031/21 e os órgãos competentes deverão apurar esta suspeição.

A deputada Marilia Arraes (PT-PE), alertou que a privatização da maior empresa de energia elétrica da América Latina pode criar oligopólio privado e manipular as tarifas do mercado de energia. A ANEEL estimou que o aumento chegaria a 17% em iniciativas passadas.

Já a deputada Jandira Feghali manifestou que a casa mais vigiada do Brasil devia ser o Congresso Nacional! “Estamos de olho dia e noite na obstrução da MP do Apagão! Não à privatização! Energia é essencial!” Jandira referiu-se à maneira como o Governo pretende pautar a votação, sem discussão na casa e com a sociedade que será impactada.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), que apoiou o movimento, alertou que Paulo Guedes quer usar a privatização da Eletrobras como moeda de troca para estender o auxílio emergencial. A estratégia de Guedes é colocar a população mais uma vez contra as estatais. O ministro faz isso ao condicionar o “alimento na mesa” em troca do desmonte estatal.

Consequências
A aprovação da MP 1031/21, entregue pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso em fevereiro aconteceria até 22 de junho caso o governo tenha sucesso. Neste dia 07, ocorrerá uma audiência pública para debater os efeitos dessa proposta, na Comissão de Legislação Participativa, a partir das 14h.

Para Tiago Vergara, do Coletivo Nacional dos Eletricitários- CNE o crescimento da resistência ao processo de privatização, se dá pela compreensão da sociedade dos efeitos negativos que recairão sobre as pessoas. Estas consequências são o aumento da conta de luz, a possibilidade de apagões e estragos ao meio ambiente.

Também ressalta, que é necessário haver uma apuração das denuncias sobre favorecimento de acionistas: “Estamos apurando irregularidades cometidas pelos privatistas e iremos mostrar para o povo brasileiro.”

Nailor Gato, coordenador do Coletivo Nacional dos Eletricitários, falou que a prioridade do governo deveria ser o combate a pandemia e não a privatização de uma empresa estratégica, principalmente em tempos de baixo consumo.

O quê você pode fazer?
A tramitação do projeto está ocorrendo em plena pandemia que é o momento em que o governo federal deveria estar cuidando da vida das pessoas ao invés de vender o patrimônio do povo.

Neste parágrafo, vamos indicar alguns caminhos para defender a Eletrobras da tentativa de privatização. Os eletricitários farão atos em todo país. Divulgue os atos nas redes sociais. Acesse as redes sociais da campanha Salve a Energia. Curta, comente e compartilhe as nossas postagens. Assine nosso abaixo-assinado e divulgue nosso conteúdo. Converse com parlamentares da sua região e peça que a medida provisória não seja colocada em votação por que em 2022 ele virá pedir seu voto!

Salve a Energia, Salve a Eletrobras da privatização!

(Portal Salve a Energia, 06/05/2021)