2019 05 27 destaque matogrosso

Nesta segunda-feira (27/5), profissionais da educação do Mato Grosso (MT) iniciou paralisação, por tempo indeterminado, contra o desmonte da Educação Pública no estado e no país. A manifestação, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), é um reflexo da insatisfação coletiva da comunidade educacional.

Mesmo com a ameaça de corte de pontos, anunciada pelo governo Mauro Mendes, o ato público, em Cuiabá, levou para frente da Secretaria de Estado de Educação, milhares de profissionais de toda a Baixada Cuiabana, que saíram em passeata pelo Centro Político Administrativo exigindo o cumprimento da Constituição Estadual.

“A luta é pelo cumprimento da Lei 510/2013; pela convocação dos aprovados no Concurso Público 2017; infraestrutura para mais de 400 escolas que estão degradadas e, ainda, cumprimento dos artigos 147 e 245 da Constituição, que asseguram recursos hoje não aplicados na Educação”, esclarece o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira.

Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, o apoio de todos os trabalhadores em educação do país a essa greve deflagrada pelos profissionais de Mato Grosso se presta a ser uma injeção de ânimo nesses tempos difíceis. “Basta de governo que descumprem as leis e prejudicam os trabalhadores. A negação da negociação por parte do Governo é inaceitável. Nossos direitos e conquistas só foram efetivados com muita luta e perseverança, e agora não será diferente”.

As mobilizações ocorreram em todo o estado desde as primeiras horas do dia e registraram cerca de 90% de adesão nos municípios mais populosos do estado. A greve exige que o governo assegure direitos e recursos dentro do orçamento da Educação para cumprir com as conquistas da categoria.

Participaram do ato Professores, Técnicos e Apoio escolar, estudantes, dirigentes regionais, representantes de sindicatos estadual, federal, e os deputados estaduais Lúdio Cabral e João Batista.

Confira mais fotos do ato na página oficial do Sintep/MT no Facebook.

(Com informações do Sintep/MT)