FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

 2019 10 31 fundeb permanente
Nesta segunda-feira (25), a proposta do novo Fundeb permanente e com mais recursos da União é tema de debate de audiências públicas nas assembleias legislativas do Piauí e do Paraná. O presidente da CNTE, Heleno Araújo, participou de audiência em Teresina (PI) e a vice-presidente da CNTE, Marlei Fernandes de Carvalho, marcou presença no evento sobre o tema em Curitiba (PR).

O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) tem vigência assegurada até 31 de dezembro de 2020. Após essa data, o regime de cooperação ficará extinto, podendo comprometer gravemente o financiamento da educação em todo país.

A CNTE lançou o dia 27 de novembro como o Dia Nacional de Mobilização pelo novo Fundeb. Até essa data as entidades filiadas à CNTE nos estados e municípios estão promovendo debates com a categoria, explicando a importância da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 15/2015 que torna o Fundeb permanente e com um aporte maior de recursos da União (confira aqui a minuta de substitutivo). Consulte a agenda do seu sindicato e participe dessa grande mobilização!

>> Acesse a carta aberta da CNTE em defesa do Fundeb Permanente

>> Ouça o presidente da CNTE, Heleno Araújo, falando sobre a importância de intensifica as mobilizações nessa conjuntura

>> Veja o vídeo do presidente da CNTE, Heleno Araújo, convocando para a mobilização do dia 27 de novembro.

Para marcar essa data, no dia 27 de novembro a CNTE vai participar de uma audiência pública no Senado sobre o novo Fundeb, no plenário 15, ala Senador Alexandre Costa, anexo II, a partir das 15h30. Na avaliação de Heleno Araújo, é importante intensificar as mobilizaçõee e sensibilizar os parlamentares: "Os ataques à educação brasileira estão sendo fortes demais. As últimas propostas enviadas pelo governo federal, que tratam do pacto federativo e do ajuste fiscal, apontam para acabar com a vinculação dos recursos da educação. Se acabar os 25% da educação ou se fizer a junção do orçamento da saúde e da educação, para que o prefeito ou governador possam usar o dinheiro da forma que quiser, isso significa acabar com o Fundeb. Acabar com o Fundeb significa não ter recursos suficientes para garantir a manutenção e desenvolvimento do ensino principalmente nos municípios e nem pagar a folha salarial que temos hoje".

>> Participe da Blogagem Coletiva em defesa do novo Fundeb

>> Conheça cinco motivos para apoiar o novo Fundeb

Saiba mais sobre a PEC15/2015

No dia 30 de outubro, a CNTE encaminhou para a relatora da PEC 15/2015, deputada professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO), contribuições para essa proposta de Fundeb permanente que tramita no Congresso Nacional.

>> ACESSE A CARTA ENVIADA PARA A DEPUTADA PROFESSORA DORINHA REZENDE

>> ACESSE O DOCUMENTO CONTENDO O QUADRO COM SUGESTÕES DA CNTE

NOTÍCIAS RELACIONADAS: